UOL Esporte Basquete
 
22/06/2009 - 07h00

Único brasileiro no draft, Faverani encara "vestibular" da NBA sem pretensões

Marcos Jorge
Em São Paulo
BRASILEIRO NO DRAFT DA NBA
Arquivo Pessoal
Vitor Faverani será o único brasileiro a participar do draft da NBA desta temporada
Ele joga atualmente nos Clinicas Rincon, time da segunda divisão da Espanha
Arquivo Pessoal
Aos 21 anos, Faverani evita criar muita expectativa em relação ao draft da NBA
LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE BASQUETE
O Brasil terá apenas um representante no draft da NBA, que acontece no próximo dia 25 de junho, em Nova York. O único jogador do país no "processo seletivo" da Liga norte-americana, entretanto, é praticamente um anônimo da maioria do público que acompanha o basquete. O pivô Vitor Faverani, 21 anos, deixou o Brasil aos 14 anos de idade rumo à Espanha, onde joga na 2ª divisão nacional, e nunca foi convocado para a seleção principal.

Se o draft é uma espécie de "vestibular" para o ingresso na NBA, Faverani pode ser comparado àquele típico aluno que não estudou, não sabe bem porque está fazendo a prova e não está muito interessado em ser aprovado. "Eu, sinceramente, não sei se vou entrar ou não, mas a minha prioridade no momento na verdade não é passar no draft", revelou o jogador nascido em Paulínia, interior de São Paulo. "No momento quero me recuperar dessa lesão no pé e ficar mais um ano na Europa para fazer uma temporada convincente. Esta temporada não foi como eu gostaria", confessou o atleta que, pela idade, ainda pode se inscrever no Draft no próximo ano.

"Não acho que esteja preparado para a NBA. A gente sabe que o jogo lá é mais forte, as regras de jogos e a maneira de jogar são diferentes. Mas se eu for escolhido claro que vai ser um sonho", revela o pivô que atuou um ano em Araraquara antes de partir para a Espanha, ainda aos 14 anos. Desconhecido também nos EUA, a falta de otimismo de Faverani é confirmada pelas previsões da mídia norte-americana, que nem sequer citam o brasileiro, e até pelo site da NBA, que o relacionou como um jogador espanhol.

Jogando pelo Clínicas Rincón, equipe da LEB Ouro (segunda divisão espanhola), o pivô de 2m10 e 105 quilos teve uma média razoável de 12 pontos e 5,7 rebotes por partida, mas seu projeto nos EUA foi prejudicado no último jogo da temporada. Faverani sofreu uma lesão no tornozelo que o impediu de fazer testes nas equipes da NBA, algo comum nas semanas que antecedem o Draft e que permite aos "olheiros" avaliarem os candidatos.

"Eu gostaria de ir para os EUA fazer testes nas equipes porque é uma chance de eles verem que eu ainda estou bem, que ainda tenho talento", lamentou o brasileiro, que voltará ao Brasil para as férias e para tentar se recuperar em tempo para a Summer League, competição promovida pelos times da NBA durante o recesso de verão para observar jogadores que não se firmaram na Liga e observar novos atletas.

Sua equipe, o Clínicas Rincón, é uma espécie de franquia de outra equipe espanhola, o Unicaja Málaga, uma das forças da primeira divisão do país. Não é raro que atletas de destaque do Clínicas Rincón sejam "promovidos" ao Unicaja Málaga, e foi o que aconteceu com o outro brasileiro do time e amigo de Faverani, Paulão Prestes. O ex-pivô de Ribeirão Preto também havia se candidatado ao Draft, mas retirou seu nome, assim como Jonathan Tavernari, que preferiu seguir em seu último ano em BYU, equipe do basquete universitário dos EUA.

Se a NBA não parece estar nos planos imediatos de Faverani, tampouco está a seleção brasileira, na qual o pivô atuou apenas duas vezes, ainda nas categorias de base. Aos 21 anos, o pivô alega motivos pessoais para recusar convocações para a equipe e inclusive já falou com o técnico Moncho Monsalve a respeito. Da Espanha, entretanto, Faverani vê com bons olhos a tentativa de resgatar o basquete brasileiro e a criação da liga nacional. "É sempre bom saber que se as coisas não derem certo aqui fora a gente pode sempre voltar para o país e disputar um campeonato que esta cada vez mais valorizado. Além disso, todo atleta acho que sonha em encerrar sua carreira jogando no seu país", concluiu.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host