Rubinho não descarta possível volta à Ferrari: "se me chamassem, eu ia"

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução de TV

    Rubens Barrichello é entrevistado no programa "Linha de Chegada": nostalgia da F-1

    Rubens Barrichello é entrevistado no programa "Linha de Chegada": nostalgia da F-1

Preferido pelos leitores da revista italiana Autosprint que votaram em uma enquete sobre o substituto ideal para Felipe Massa na Ferrari, Rubens Barrichello mostrou ter ficado orgulhoso com esse reconhecimento durante entrevista para o programa "Linha de Chegada", do Sportv.

No programa que foi ao ar na noite de terça-feira, Barrichello relembrou a "marmelada" envolvendo Michel Schumacher em 2002, mas negou ter mágoas com a escuderia italiana e disse: "Se me chamassem hoje para ir guiar, eu ia".

RUBINHO, SOBRE MASSA

Esse é um momento muito solitário, ele que tem que se resolver consigo mesmo, não é um problema de velocidade. A Ferrari com certeza tem uma adoração com o Alonso por ele ser um dos melhores, se não o melhor lá agora, e o Felipe realmente tem um osso duro

Questionado se largaria a Fórmula Indy caso recebesse uma proposta da Fórmula 1, Barrichello disse "estar aberto". Mas o veterano falou com satisfação da enquete em que foi apontado como o preferido para assumir o posto de Massa na Ferrari.

"Mostra que eu deixei uma coisa gostosa lá. Foi gratificante, não tenha dúvida. Talvez tenha sido uma forma dos italianos tentarem ver se saía um italiano ali para ganhar, e de repente ganhei eu. É uma coisa muito pública, não tem nada a ver com o dia a dia, mas foi gratificante", comentou Rubinho.

Barrichello fez questão de não descartar um possível retorno à Fórmula 1: "No meu primeiro Twitter, dois minutos depois que a Williams me ligou, deixei claro que estava chateado, mas que meu futuro estava em aberto. Eu acho que ele tem que ficar assim. Eu continuando no topo do esporte, andando em outra categoria e pronto para fazer qualquer coisa. Acho que tudo pode acontecer. Não estou falando que vai acontecer, mas que tenho que estar pronto".

No pouco tempo livre que teve antes de testar na Indy, Barrichello aproveitou para adiantar o seu livro de memórias. E já avisou que o capítulo sobre a Ferrari promete: "Tem que ser cuidadoso. Vai que o Fefê quer ser piloto um dia e o que eu escrever sobre a Ferrari pode prejudicar a carreira dele?"

"Queria que o fã entendesse que não tenho nenhuma mágoa. Se me chamassem hoje para ir guiar, eu ia. Foi a melhor equipe que eu guiei em termos de respaldo, criatividade, foi tudo do melhor. Mas teve histórias apimentadas, e eu queria que o povo soubesse algumas delas", completou Rubinho.

"Tem situações que não vale a pena ficar contando porque parece choradeira. Foi do jeito que tinha que ser. O mais importante, e que eu tenho certeza de que o público sabe, é que quando assinei o contrato não tinha nada escrito. Tudo o que eu tive que fazer foi ali na hora, na maneira como eles quiseram fazer", encerrou. 

Rubens Barrichello
Rubens Barrichello


Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos