Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://esporte.uol.com.br/futebol/album/2013/12/11/veja-mudancas-que-o-tapetao-ja-fez-no-futebol-brasileiro.htm
  • totalImagens: 14
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20131211145008
Fotos
Fluminense rebaixado no Brasileiro de 1996, mas houve virada de mesa. A CBF decidiu não rebaixar nenhum time e fazer um Nacional com 26 equipes em 1997, ao invés de 24. Patrícia Santos/Folha Imagem Mais
Bragantino em empate com o Santos em 96. Time do interior também foi rebaixado e foi o outro clube beneficiado com a decisão de não haver queda nenhuma Cesar Itiberê/Folha Imagem Mais
Em 1999, o então atacante do São Paulo Sandro Hiroshi foi pivô de polêmica no Brasileirão. Foi descoberto que há muitos anos atrás o jogador havia adulterado sua idade. O Botafogo entrou com pedido para anular uma derrota para o São Paulo pela escalação do atleta e ficou com três pontos da partida Folhapress Mais
Pelo mesmo motivo, o Internacional entrou no STJD em 99 e ficou com um ponto no jogo contra o São Paulo Evelson de Freitas/Folhapress Mais
No Brasileiro de 99, o Gama seria rebaixado, uma posição abaixo do Botafogo. Mas o clube do Distrito Federal alegava que o clube carioca não poderia ficar com os três pontos da derrota do São Paulo. Tentou de tudo e foi até a justiça comum, ganhando a causa. Beto Barata Folhapress Mais
Depois que o Gama entrou na justiça, o Campeonato Brasileiro de 2000 foi organizado pelos clubes, e não pela CBF, e ganhou o nome de Copa João Havelange, que acabou vencida pelo Vasco. Foi a chance para nova virada de mesa, com os clubes escolhendo os participantes. Jorge Araújo/Folhapress Mais
O Fluminense, que em 99 ganhou a terceira divisão e deveria jogar a segunda em 2000, pulou direto para o módulo principal da João Havelange em 2000 Sérgio Lima/Folhapress Mais
Além do Fluminense, outro beneficiado na virada de mesa foi o Bahia, que estava na Série B em 99, não subiu e ainda assim jogou o módulo principal da João Havelange em 2000 Ana Carolina Fernandes/Folhapress Mais
O Campeonato Brasileiro de 2005 vivenciou uma das maiores polêmicas do futebol nacional, quando foi descoberto que o árbitro Edílson Pereira de Carvalho havia manipulado 11 jogos por um esquema de apostas. EFE Mais
A polêmica aumentou porque o STJD decidiu anular os 11 jogos e repeti-los novamente. O Corinthians tinha dois de seus jogos entre os 11. Não havia feito nenhum ponto nestes duelos, mas, com a repetição, fez quatro. Foi campeão com três pontos acima do Internacional, o vice-campeão. Porto, André/TBA/Folha de S. Paulo Mais
O Grêmio foi rebaixado em 1991 e disputou a segunda divisão em 1992. Mas não ficou entre os classificados para a Série A no ano seguinte. Foi apenas o 9º. Mas a CBF fez uma modificação e decidiu subir 12 para a Série A. O Grêmio foi direto para um grupo de "elite" que não tinha rebaixamento, enquanto outros clubes que ficaram à sua frente foram para módulos piores. Antonio Gaudério/Folha Imagem Mais
Na primeira partida da final do Brasileiro de 1997, Edmundo levou o terceiro cartão amarelo e estaria suspenso do jogo decisivo, no Rio. Mas forçou propositalmente o segundo, levou o vermelho e foi expulso. Com isso, poderia ser julgado pela expulsão e entrar com efeito suspensivo. Foi o que fez e acabou jogando a segunda partida. Ormuzd Alves/Folha Imagem Mais
Heverton, da Portuguesa, foi o personagem do rebaixamento da equipe para a Série B em 2014 após ter sido escalado de forma irregular na última rodada do Brasileirão; a Lusa ainda recorrerá da decisão, que deixou o Fluminense na Série A Rivaldo Gomes/Folhapress Mais
O julgamento do caso Heverton no STJD contou com torcida da Lusa e do Fluminense na frente do prédio do tribunal; ao ouvir a decisão do STJD, os torcedores do Flu comemoraram efusivamente Renan Rodrigues/UOL Mais

Veja mudanças que o "tapetão" já fez no futebol brasileiro

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE FUTEBOL



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos