UOL futebol

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2013/04/13/auxiliar-do-gremio-firma-parceria-e-promove-intercambio-com-australianos.htm
  • Auxiliar do Grêmio firma parceria e promove intercâmbio com australianos
  • 22/07/2014
  • UOL Esporte - Futebol
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Emerson firmou parceria com australianos no seu clube e promove intercâmbio

Emerson firmou parceria com australianos no seu clube e promove intercâmbio

13/04/2013 - 06h00

Auxiliar do Grêmio firma parceria e promove intercâmbio com australianos

Marinho Saldanha
Do UOL, em Porto Alegre

Além de auxiliar técnico do Grêmio, o ex-volante Emerson é dono do Fragata Futebol Clube, um clube de formação de atletas cuja sede fica na cidade de Pelotas, região sul do RS. Por meio do ex-atleta - que passou por Real Madri, Milan, Juventus, seleção brasileira, entre outros clubes - uma parceria foi firmada com o South Melbourne, da Austrália. Na primeira edição, 11 meninos estiveram em intercâmbio no Brasil, e segundo ele, é possível que mais jogadores abram este mercado.

"Tínhamos essa ideia do intercâmbio pensando na chance para os meninos. É a primeira vez que isso ocorre na cidade de Pelotas, pelo menos. O Marcelo Koslovski, nosso diretor, foi trabalhar na Austrália e levou esta ideia. A direção do South Melbourne veio conhecer nosso clube e fechamos a parceria em contrato por três anos. É a primeira edição e vieram 11 meninos", disse Emerson em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Os garotos têm entre 14 e 17 anos e por serem menores não podem assinar com qualquer clube brasileiro. Acompanhados dos dirigentes australianos e do pai de um dos meninos, eles trabalharam no Fragata por 10 dias. O regresso para a Oceania ocorre neste sábado. Além de treinos regulares, participaram de jogos amistosos, entre eles contra o Grêmio no Centro de Treinamento de Eldorado do Sul. E o desempenho foi bom, tanto que dois poderiam até ser apostas de Emerson.

"Eles [garotos australianos] são muito obedientes taticamente. Claro que a parte técnica de alguns é menos apurada que a brasileira. É legal para eles conhecerem e aprenderem uma cultura de futebol diferente. Os mais novos têm mais dificuldades. Mas entre os mais velhos têm dois, um goleiro e um meia, que eu ficaria com eles no Fragata. Acho que tem futebol para crescer e jogar no Brasil. Mas a lei não permite. Tem que ter mais de 18 anos", disse.

GRÊMIO MIRA EXPANSÃO INÉDITA E ABRE CATEGORIAS DE BASE PARA GRINGOS

O Grêmio colocou em prática um ousado projeto nas categorias de base. O clube criou grupos de captação de talentos em países da América do Sul e já colheu o primeiro fruto. Um argentino, cujo nome será mantido em sigilo até completar 18 anos e assinar contrato formal, é o primeiro aprovado na abertura das divisões inferiores para gringos. Até o final do ano, a ideia é expandir ainda mais, com avaliações feitas a africanos, europeus e asiáticos.
LEIA MAIS

A ideia é que a cada três meses uma nova turma de australianos faça o intercâmbio no Brasil. A série de amistosos contra o Grêmio também faz parte do projeto das categorias de base do clube de abertura para estrangeiros. Os jovens não permanecerão depois dos 18 no Fragata pois o clube não tem categorias para esta idade.

E a contrapartida brasileira também vai acontecer. Gustavo, de 18 anos, viaja na próxima semana para Austrália e vai permanecer, inicialmente, por 20 dias na categoria júnior do clube.

"É mais uma oportunidade de troca de cultura, de adaptação. O Brasil é uma das poucas seleções que todos na Copa do Mundo torcem após seus países serem eliminados. Vi isso na experiência que tive. O país tem esse diferencial e desperta curiosidade. O intercâmbio é bom para isso. O nosso garoto que vai para lá, terá a chance que eu demorei para ter. Irá viver na prática uma outra cultura", comentou.

Chancelado pela CBF, o clube de Emerson oferece não só a formação no futebol para os jovens de Pelotas. Todos têm plano de saúde completo, seguro de vida, assistência social e atlética. Com a parceria, também, aulas de inglês passaram a ser dadas regularmente pela oportunidade de um dia jogar fora do país.

"É algo que eles nunca iriam imaginar. São 16 clubes no Brasil todo que tem essa chancela da CBF. Estamos entre eles. E os que vem de fora poderão perceber as dificuldades, aprender com elas, ver como o futebol brasileiro produz seus jogadores. Nosso garoto que vai para lá já está pronto. Não é um jogador para um Real Madri ou Juventus, mas tenho certeza que pode se firmar no futebol australiano", finalizou.

Placar UOL no iPhone