Com gol que Pelé não fez, Vitória vence e salva emprego de técnico

André Uzêda
Do UOL, em Salvador


Durante toda semana, o técnico Ricardo Drubscky esteve ameaçado de demissão. Conselheiros pediam sua saída e até o presidente do Vitória, Carlos Falcão, confirmou que os resultados estavam aquém do planejado.

O processo de fritura começou no clássico Ba-Vi, quando, jogando em casa, e com um jogador a mais, o rubro-negro cedeu o empate ante o maior rival. Contra o América, na Arena das Dunas, o recado já estava dado: se o Vitória perdesse, Drubscky não teria salvação.

Incomodados com a situação do comandante, os jogadores do rubro-negro baiano resolveram fechar com o treinador. Jogaram com disposição e conseguiram bater o América, fora, por 3 a 1.

O último gol do Leão foi um legítimo golaço. Rhayner (Ex-Fluminense e Bahia) arriscou do meio de campo e, sem goleiro, acertou o gol que Pelé não fez -- a referência é a Copa de 1970, quando o Rei do futebol tentou um gol contra a Tchecoslováquia e errou por muito pouco.

Com um triunfo, além de garantir sobrevida ao técnico, o Vitória praticamente assegurou vaga na fase de mata-mata do Nordestão. Os baianos lideram o Grupo A com 9 pontos. O América-RN é o segundo colocado com seis pontos.
O próximo adversário do Leão é o Serrano, em Vitória da Conquista. Já o Mecão pega o Confiança no Batistão, em Sergipe.

FASES DO JOGO

No primeiro tempo, o Vitória mostrou disposição e comandou as ações iniciais da partida. Ocupando bem o meio de campo, o Leão partiu para o ataque e chegou ao gol aos 11 minutos.
Euller recebeu belo passe do atacante Neto Baiano e tocou na saída do goleiro Busatto. Entretanto, nem deu tempo de comemorar. Dois minutos depois os donos da casa chegaram ao empate na cabeçada do zagueiro Edson Rocha.

Os gols cedo deram fôlego ao jogo e as duas equipes criaram boas chances de descer para o intervalo com vantagem no placar -- o que não acabou acontecendo pela má pontaria no arremate.
No segundo tempo, o América voltou mais disposto e perdeu outras boas oportunidades de virar. Gilmar foi parado em excelente defesa de Fernando Miguel, aos 10. Depois Diego Costa tentou um gol olímpico e o goleiro novamente interveio e evitou o pior.

O Vitória só veio a equilibrar as ações ofensivas a partir dos 20 minutos. Ainda assim, sem muita força ofensiva e com poucas jogadas de lucidez.
Só no final do jogo a sorte veio a sorrir para os baianos.

Em cobrança de falta precisa, aos 42, Neto Baiano colocou o Vitória novamente na frente. Desesperado, o goleiro do América partiu para o ataque para tentar empatar em uma cobrança de escanteio já nos acrésimos. Mas foi aí que Rhayner aproveitou a sobra e mandou, ao melhor estilo Pelé, para o fundo das redes. GOLAÇO!

Bom para Drubscky, que conseguiu manter o emprego. E melhor ainda para o Vitória que, enfim, ganha dias de tranquilidade e evita uma crise de troca de comando.

América-RN 1x3 Vitória

Local: Arena das Dunas, Natal

Data: 4 de março de 2015 (quarta-feira)

Horário: 22h

Árbitro: Francisco de Assis Filho (CE) Assistentes: Fernanda Uliana (PE) e Arnaldo Souza (CE)

Cartão Amarelo: Max (América-RN);  Fernando, Rhayner e Nino (Vitória)

Gols: Euller (Vitória), aos 11; Edson Rocha (América-RN), aos 14 do segundo tempo. Neto Baiano, aos 42, e Rhayner, aos 45.

VITÓRIA

Fernando Miguel; Romário (Nino Paraíba), Ednei, Kadu (Maracás) e Euller; Amaral, Flávio, Escudeiro e Vander; Rogério (Rhayner) e Neto Baiano
Técnico: Ricardo Drubscky

AMÉRICA-RN

Busatto; Flávio Boaventura, Cleber, Rocha; Zé Antônio, Álvaro (Julinho), Judson, Daniel Costa (Júnior Timbó); Emerson (Gilmar), Max e Thiago Potiguar.
Técnico: Roberto Fernandes
 

UOL Cursos Online

Todos os cursos