UOL Esporte Vídeos

15/06/2012 15h00

Atleta palestino faz história ao conquistar índice olímpico

O judoca Maher Abu Rmeileh fez história ao se tornar o primeiro atleta palestino a garantir índice para participar dos Jogos Olímpicos, em Londres, entre julho e agosto deste ano. Desde 1996, a Palestina só tinha participado do evento com delegação de esportistas convidados pelo Comitê Olímpico Internacional. Comerciante nos arredores de Jerusalém, o atleta de 28 anos acorda diariamente às 5h para treinar duas horas pela manhã, antes do expediente em uma loja de roupas e bolsas. Após o horário de trabalho, são mais duas horas de treino. Apesar de sonhar com uma medalha de ouro, o lutador carrega consigo um desejo mais imediato: que o Comitê Olímpico Palestino lhe conceda a honra de ser o porta-bandeira da Palestina na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, que acontecerá no próximo dia 27 de julho. Visite o UOL Esporte

Tags:
aplicativo notícias, esporte, jogos olímpicos de londres-2012, jornalismo, judô, notícias, olimpíadas 2012, olimpíadas-2012, palestina
URL:
Código:

Comentários

Comente este vídeo:

Carregando...

Bragantino x Corinthians - Coletiva (1:18)
Bragantino x Corinthians - Coletiva
Tags:
Publicação: 28/08/2014
Alvaro Pereira fala sobre identificação com a torcida do São Paulo (2:28)
O reconhecimento é pelo esforço dentro de campo, que é valorizado, e a gente fica contente por isso. Mas ao mesmo tempo é uma responsabilidade que a gente tenta defender jogo a jogo e tenta melhorar. Tenta transmitir essa mensagem, para os jogadores, para o time, que sempre todo dia tem algo para melhorar e aprender. E sobre o carinho, é pela identificação que os jogadores uruguaios têm com o São Paulo e porque há muito tempo um jogador uruguaio não vestia a camisa do São Paulo, desde Lugano, isso tem um pouco a ver. Eu cheguei aqui não para ser ídolo, simplesmente para conseguir coisas importantes com o São Paulo. Desde o primeiro dia que cheguei aqui eu falei isso, é meu objetivo, me superar como jogador e pessoa. Sentir, sinto um carinho. Porque quando se sai do estádio ou está na rua o torcedor são-paulino me transmite isso. Mas dentro do campo eu tenho que desligar isso, de por que esse carinho. Eu sou muito autocrítico e ambicioso. Para mim, o melhor ainda está por vir. Eu não vim aqui para ser ídolo, vim aqui para conseguir títulos e ajudar o São Paulo. Pra quando me aposentar vier aqui ao CT com meus filhos e netos e poder mostrar a eles uma foto, um quadro, com um título. O reconhecimento da torcida é sempre muito bonito, mas eu trabalho para conseguir grandes coisas e enquanto o trabalho não estiver bem feito eu não vou me conformar. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; São Paulo [16130]; Alvaro Pereira [73788];
Publicação: 28/08/2014
Uruguaio explica como tenta contagiar time, mas refuta liderança (2:30)
Cada um tem sua personalidade. Eu deixo isso para meus companheiros que falem, se me veem como líder, como exemplo, como espelho. Se eu falasse dessa maneira, seria um pouco egoísta. Eu não gostaria. Gosto do reconhecimento do companheiro, que se contagiam da minha forma de jogar. Isso é o que mais me satisfaz, quando eu chego no vestiário, e que todo mundo fica contente com minha presença no vestiário. E eu tento alegrar os jogadores, é o mesmo trato ao que joga mais e ao que joga menos. Os campeões se fazem com os que jogam pouco, também. São eles que sustentam todos aqueles que entram em campo. Sempre que fui campeão, aconteceu do gol mais importante ser feito por aquele cara que joga menos, e eu tive essa oportunidade. E esse jogador tem que estar preparado para esse momento, e eu sempre insisto com isso. E na hora das palestras eu falo que o jogador que está fora, que esteja preparado, que todos somos importantes. No momento que entre no jogo, aproveite a oportunidade, que isso aqui é futebol, é uma roda, e está virando o tempo todo. Voltando um pouco a essa questão dos líderes, dentro de campo todos temos que ser líderes. Sabemos que Rogério é o cara, é o emblema do São Paulo, por tudo que ele conseguiu e pelo que significa para o torcedor e para nós. Mas nós como jogadores temos que dar esse reapaldo ao Rogério, não descansarmos nele e nem no Kaká. Nós como profissionais temos que ter o desafio de nos sentirmos importantes. Saber que um jogador vence um jogo, mas um campeonato quem vence é o time inteiro. E tento transmitir isso. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; São Paulo [16130]; Alvaro Pereira [73788];
Publicação: 28/08/2014
"Não fico chorando", diz Alvaro, ao assumir erro contra o Santos (1:39)
Há personalidades, por exemplo, eu falo: pode passar 50 anos e sempre vão ser iguais. Para mim, eu perco e nesse dia parece que vai acabar o mundo. Durmo errado, já não falo do mesmo jeito. É minha maneira de ser. Eu venço, está tudo bem. Vou jantar fora, vou jantar com a família. Quando perco, janto também com a família, mas não é a mesma coisa. Tem um exemplo recente, né. Outro dia vencemos o Santos, eu cometi o pênalti. Foi um erro meu. Eu assumo. Eu sou muito autocrítico. Eu fiquei chateado comigo mesmo. Mas meu objetivo era vencer. E fiquei feliz porque vencemos. Saí para jantar, com a família, estava tranquilo. No outro dia voltei, treinar, descansar e recuperar para o jgoo agora da Copa Sul-Americana. São coisas que acontecem. Mas quero que fique claro que não fiquei chorando nem nada. Não, está bom. Eu cometi o erro e não posso voltar a cometer. Porque da próxima vez a margem de erro é menor. Essa é a mentalidade. Por mais que cometa um erro, o objetivo é vencer. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; Alvaro Pereira [73788]; São Paulo [16130];
Publicação: 28/08/2014
Liga dos Campeões? Uruguaio do SP diz que gosta mesmo "do povão" (2:02)
A recepção que tivemos contra o Santos outro dia foi muito bonita. Ali fora esperando o ônibus. Muita gente. Essas coisas são bonitas. São pequenas coisa que para o jogador... eu falo por mim neste caso, mas penso que para a maioria dos jogadores significa muito. Eu muitas vezes vejo, quando a torcida fica empolgada, muitos dizem ?não...?. E eu gosto disso. Quando eu cheguei, tive a sorte de jogar contra o Palmeiras no Pacaembu, pelo estadual, e perdemos por 2 a 0 e não acabou com final feliz. Mas me lembro que entramos no campo, toda a torcida do São Paulo pulando, a do Palmeiras pulando. Estavam Antonio Carlos e Maicon do meu lado e falei para eles: ?É disso que eu tinha saudades. Agora me entendem? Disso que eu tinha saudades. Do povão?. Você, quando vai à Europa, perde um pouco disso. Eu estou falando da torcida sem violência, sem nada, da alegria, de antes do jogo ver todo mundo pulando e cantando. Você muitas vezes vai à Europa e aquilo se vê como um espetáculo. Outro dia falei pro Kaká: "Tenho a possibilidade de jogar a Sul-Americana e ainda falta a Libertadores". Ele ficou olhando pra mim: "mas você jogou Champions, jogou UEFA...", e disse: "Sim, mas vou jogar a Sul-Americana, vou jogar a Libertadores". O melhor não significa dizer "esse cara jogou Copa do Mundo, jogou Confederações, Copa América", mas as coisas simples são as melhores, são as que vão mexer. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; Alvaro Pereira [73788]; São Paulo [16130];
Publicação: 28/08/2014
Família fez Alvaro prometer que não voltará ao campo se desmaiar outra vez (2:37)
Antes de tudo vou deixar três pontos claros: O primeiro é que espero que não volte a acontecer mais. O segundo é que por pedido dos médicos e da família, não vou voltar a fazer. E o terceiro é que eu não quero ficar como super-herói. É o jeito que jogo, é a fração de segundo, o milésimo de segundo que quer ajudar o companheiro e não está preparado para o que pode acontecer. E você volta e não sabe o que aconteceu. Volta pra dentro do campo e... Depois, vendo imagens, falamos com o médico do São Paulo, que aliás fez um trabalho, eles me fizeram perceber o risco que eu podia passar. Eu percebi, custou alguns dias, convencer-me porque eles sabem como eu sou, mas tenho que agradecer pelo grande trabalho que eles fizeram com o neurologista. Inclusive eu depois não pude jogar contra o Vitória, eu fiquei muito chateado, mas por minha saúde falaram para que eu não jogasse e acho que estiveram muito bem. Porque com a cabeça fria, eles pensam, tem que dar os parabéns. Eles pensaram primeiro no ser humano e depois no jogador de futebol. Por todo esse conjunto de coisas, não acredito que volte a acontecer, dentro do campo como disse o Muricy, é um ?louco do bem?, agora está todo mundo me chamando de louco, mas bom... Que fique como uma história, e que agora tenha cuidado, e que para qualquer atleta que aconteça isso eu recomendo que saia, que não cometa esse erro, que depois tem que se fazer caso aos profissionais. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; Alvaro Pereira [73788]; São Paulo [16130];
Publicação: 28/08/2014
Alvaro Pereira diz que será eternamente grato a Lugano por vinda ao SP (2:09)
Falei com ele há uns 20 dias, mas pouco sobre futebol, sinceramente. Falamos mais da família, sobre como ele estava da recuperação na lesão do joelho que teve na Copa. Me perguntou como minha família estava aqui em São Paulo, ele sempre muito preocupado comigo e com minha família porque somos muito parceiros. É, será e foi um prazer ter compartilhado um grupo com ele, porque é um líder nato, uma pessoa que é desfrutável de conhecer. Com ele se pode falar de futebol até economia. Compartilhar um mate, um churrasco, compartilhar grandes vitórias e grandes derrotas, chorar e rir. Essas coisas levamos pro resto da vida, e não há dinheiro que pague isso. Sim, teria sido mais difícil minha chegada. Houve muitas pessoas próximas ao Lugano que gracas a ele ajudaram também com minha chegada aqui. Acho que impossível não, mas diferente, ou mais demorada. E Diego facilitou um pouco as coisas, e por isso eu sou agradecido. Ele não pensou só no jogador, mas também na pessoa. É um grande amigo e essas coisas, fazer por um companheiro? pelo meu desejo, também, ele percebeu e ajudou muito, cooperou muito. A verdade é que serei eternamente agradecido a ele. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; São Paulo [16130]; Alvaro Pereira [73788];
Publicação: 28/08/2014
Para uruguaio, futebol brasileiro é o melhor de todos e vai se reerguer (2:06)
Vou falar uma coisa só e deixo a critério de vocês: o melhor espelho do futebol é o brasileiro. Por mais que os ingleses achem que eles inventaram esse futebol maravilhoso, o coração do futebol é brasileiro. O corpo tem memória, como sempre falo, tem um ship, não se esquece o futebol. O brasileiro é isso. Não acho que esteja ruim, por mais que não esteja passando por um momento positivo. Tem gerações. Tem que dar tempo. O brasileiro é ansioso e isso está demonstrado no Brasileirão. Fica três jogos sem ganhar e o treinador já está em uma situação instável. Isso acontece com jogadores, com clubes. O corpo tem memória, o brasileiro tem memória e vai recuperar isso. Sempre vai ser respeitado, por todas as seleções. Todo mundo sabe que o futebol japonês melhorou graças ao brasileiro. O futebol coreano melhorou com o brasileiro, e assim infinitas seleções. Posso seguir nomeando. A Espanha... quando começou a melhorar? Quando ganhou a Eurocopa, 2008. Quem jogava? Faço a pergunta. Marcos Senna. Alguma coisa tem. Vanderlei Luxemburgo foi treinador do Real Madrid e depois disso o Real Madrid começou a ter uma melhora. Por isso sempre digo que não se pode dar o Brasil por morto. O brasileiro tem memória. E tem que respeitar isso. Leia mais no UOL Esporte
Tags: aplicativo notícias [55626]; Esporte [12810]; futebol [15308]; São Paulo [16130]; Alvaro Pereira [73788];
Publicação: 28/08/2014
Alvaro Pereira explica amor à camisa: "Mais velho, me emociono mais fácil" (1:24)
Tem carinho, sim. É certo que tenho carinho. Mexe com tudo isso. Mas essa foto eu tive o prazer de ver e ficou muito bonita, porque também por como estava correndo o jogo, não conseguíamos fazer um gol e foi um desabafo isso. Foi um momento mais de desabafo, que é o mais bonito que tem, isso. De conseguir abrir um jogo, um gol. Foi uma pena que o jogo ficou empatado. Mas o que fica é que no momento foi um desabafo. Naquele momento o que eu queria era vencer, quando eu vi a bola entrar é algo que só o jogador sente. Ficou muito bonita essa foto. Tanto torcedor do Porto, como do Inter, da seleção uruguaia já me conhece, mas é sempre a mesma: vão passando os anos e a gente está ficando mais... como se diz? Sentimental. Se emociona mais fácil. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; futebol [15308]; Alvaro Pereira [73788]; São Paulo [16130];
Publicação: 28/08/2014
Wagner Mancini fala após derrota do Botafogo para o Ceará (2:04)
O Botafogo enfrenta o Ceará neste quarta-feira, 27 de agosto pela Copa do Brasil. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; Copa do Brasil [16408]; Copa do Brasil 2014 [73759]; Botafogo [15485];
Publicação: 28/08/2014
Mano Menezes analisa derrota para o Bragantino (1:24)
O Corinthians enfrenta o Bragantino neste quarta-feira, 27 de agosto pela Copa do Brasil. Leia mais no UOL Esporte
Tags: Esporte [12810]; aplicativo notícias [55626]; Copa do Brasil [16408]; Copa do Brasil 2014 [73759]; Corinthians [15586];
Publicação: 28/08/2014
Palmeiras x Atlético-MG - Coletiva (1:19)
Palmeiras x Atlético-MG - Coletiva
Tags:
Publicação: 28/08/2014
Carregando...
Hospedagem: UOL Host