UOL Esporte Atletismo
 
11/03/2010 - 13h01

Confiante por boa pré-temporada, Murer aceita pressão para o Mundial de Doha

Paula Almeida
Em São Paulo

O Brasil inicia na manhã desta sexta-feira sua campanha no Mundial indoor de atletismo, em Doha (Qatar). Com nove representantes, a maioria deles em provas de salto, o país tenta conquistar medalhas pela quinta vez consecutiva em eventos deste nível, mas, na prática, as chances reais de pódio se concentram apenas em Fabiana Murer.

TOP 4: OS GRANDES DUELOS DO MUNDIAL

  • Arte UOL

    O Mundial indoor de atletismo em Doha, no Qatar, que começa nesta sexta-feira, trará aos espectadores grandes duelos. Alguns deles, já são antigos, vêm de longos anos atrás. Outros, surgiram recentemente, no Mundial de pista aberta em Berlim. Por fim, há ainda aqueles que devem começar agora e prometem ter vida longa.

A paulista chega ao Mundial credenciada por uma pré-temporada quase perfeita. Em quatro torneios, Murer conquistou duas pratas e dois ouros no salto com vara. Melhor do que ela em 2010, apenas a recordista mundial Yelena Isinbayeva, que já saltou 4,85 m. A brasileira saltou quase isso, 4,82 m, sua melhor marca, novo recorde sul-americano e registro um centímetro melhor do que o da polonesa Anna Rogowska, campeã do Mundial em pista aberta do ano passado em Berlim.

Os bons resultados nos primeiros meses do ano empolgaram Fabiana Murer, que demonstra muita confiança rumo a um lugar no pódio em Doha. “Eu estou bem confiante, pois venho apresentando uma boa técnica e os saltos estão saindo alto. Isso dá uma confiança maior para disputar o Mundial”, avaliou a saltadora em entrevista por e-mail ao UOL Esporte.

Ciente de quem serão suas principais rivais na competição, Murer tem uma simples estratégia: fazer exatamente o que fez na pré-temporada. “Mundial é sempre uma competição difícil, bem disputada, e tenho adversárias fortes como a Yelena Isinbayeva, Anna Rogowska e Chelsea Jonhson [norte-americana, vice-campeã mundial], alem da ex-recordista mundial Svetlana Feofanova [russa]. Para Doha o objetivo é estar na zona de medalhas, para isso preciso manter os resultados e buscar minha melhor marca”.

O status de um dos principais nomes da modalidade na atualidade foi reconhecido até mesmo pela Iaaf (Federação Internacional de Atletismo). “Nesta temporada, é Fabiana Murer quem lidera as desafiantes”, escreveu a organização em seu site oficial, citando a brasileira como grande rival de Isinbayeva no momento.

Para chegar a este nível, porém, Fabiana Murer precisou vencer alguns obstáculos entre o final de 2009 e o início de 2010. “Tenho mantido a consistência de resultados nessa temporada e isso era uma coisa que já estávamos buscando desde o ano passado. Apesar das dificuldades que tivemos para o treinamento no Brasil para a temporada indoor, como mudança do local de treinamento, condições climáticas, conseguimos melhorar alguns detalhes na parte técnica, o que fez com eu mantivesse os resultados”, explicou.

BRASILEIROS NO MUNDIAL DE DOHA (QAT)

ATLETA PROVA ESTREIA
Fabiana Murer Salto com vara 12/03 (sexta) - 10h20
Keila Costa e Eliane Martins Salto em distância 13/03 (sábado) - 4h
Gisele de Oliveira Salto triplo 12/03 (sexta) - 8h20
Jadel Gregório e Jefferson Sabino Salto triplo 12/03 (sexta) - 3h
Vicente Lenílson 60 m 12/03 (sexta) - 9h
Kleberson Davide e Fabiano Peçanha 800 m 12/03 (sexta) - 5h05

Tanta confiança consegue até superar a pressão de ser a grande estrela brasileira em Doha. “Lógico que é uma pressão maior, mas encaro isso com muita tranquilidade, pois estou bem confiante com meu salto depois das ultimas competição”, garantiu Murer. “Só tenho que pensar em continuar fazendo o que venho fazendo, o salto é o mesmo, não muda nada”.

Outros brasileiros

Na teoria, Fabiana Murer divide com Jadel Gregório a pressão de liderar a delegação brasileira em Doha. Mas ao contrário da compatriota, o triplista está longe de seu auge. Em 2010, a melhor marca de Jadel é 16,92 m, quase um metro inferior ao seu melhor registro (17,90).

Medalhista de prata nos Mundiais indoor de 2004 e 2006, o brasileiro terá a dura missão de superar o italiano Fabrizio Donato, que tem a melhor marca do ano (17,39 m, ao ar livre), e os cubanos Yoandris Betanzos e Arnie David Girat, que se destacaram nas primeiras competições de 2010. Em Doha, porém, mais do que esses competidores, Jadel terá a chance de reencontrar aquele que talvez tenha sido o principal rival de sua carreira, o sueco Christian Olsson, que está de volta ao circuito após três anos padecendo de uma lesão e que já registrou 17,32 m, a melhor marca indoor do ano.

Jéfferson Sabino, também no salto triplo, o medalhista olímpico Vicente Lenílson, nos 60 m, e Fabiano Peçanha e Kleberson Davide, ambos nos 800 m, completam o time masculino do Brasil no Qatar.

Já entre as mulheres, além de Fabiana Murer, quem tem as maiores chances de uma boa colocação é Keila Costa, no salto em distância. Eliane Martins estará na mesma prova, e Gisele de Oliveira, no salto triplo, fecha a delegação verde-amarela no Mundial.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host