Esporte

Como medalha olímpica conquistada no Rio salvou menino de câncer raro

Reuters
Malachowski mostra a medalha de prata que salvou a vida do garoto Imagem: Reuters

Do UOL, em São Paulo

15/07/2017 04h00

A família Szymanski precisava praticamente de um milagre para salvar a vida do menino Olek, de três anos. E conseguiu não um, mas dois. Tudo graças à medalha de prata conquistada na Olimpíada do Rio por Piotr Malachowski, atleta polonês do lançamento de disco. Foi o leilão dessa medalha que pagou o tratamento para salvar a vida do pequeno Olek.

Com cerca de um ano de vida, no fim de 2014, o garoto polonês foi diagnosticado com retinoblastoma, um tipo raro de câncer na retina. “Desmaiei quando recebi a notícia. Acho que foi uma reação normal para uma mãe que descobre que seu filho está doente”, contou a mãe, Gosia, à "ESPN" norte-americana.

Olek começou a fazer quimioterapia e sofreu as consequências do procedimento agressivo, como a perda de cabelo. No entanto, o tratamento não foi suficiente para conter o tumor. Os pais, então, descobriram que só um especialista nos Estados Unidos poderia salvar a vida do garoto.

O problema era o custo do tratamento e da viagem: US$ 300 mil (quase R$ 1 milhão). A família não tinha nem 10% do dinheiro. Então um dia em agosto, assistindo à Olimpíada do Rio, o pai, Tomasz, viu uma entrevista ao vivo de Piotr Malachowski, que havia acabado de ganhar a medalha de prata no lançamento de disco.

À TV polonesa, o atleta disse que iria leiloar a medalha para ajudar alguém que estivesse precisando. "A primeira pessoa a me procurar foi a mãe de Olek. Quando pesquisei sua doença, percebi que eu precisava ser rápido para poder ajudá-lo", disse Malachowski.

ESPN/Reprodução
Imagem: ESPN/Reprodução

E ele foi muito rápido. Promoveu um leilão virtual e conseguiu, por meio das redes sociais, divulgar a batalha do pequeno Olek. Alguns dias depois, quando a arrecadação ainda estava em aproximadamente R$ 60 mil, dois irmãos filantrópicos decidiram comprar a medalha pelo valor completo do tratamento de Olek.

“Ficamos muito felizes, mas também estávamos muito preocupados pensando se já era tarde para os médicos salvarem Olek”, revelou a mãe, lembrando do conflito de emoções no segundo semestre de 2016.

Todos agiram rapidamente. Em setembro, o pequeno Olek já estava de volta ao consultório do especialista David Abramson, em Nova York, para saber se o tratamento a laser havia funcionado. E veio a boa notícia. “Não há mais nenhum tumor no olho”, informou o médico.

O alívio tomou conta da família. Era como se um milagre tivesse acontecido. No entanto, seis semanas depois, um novo choque: o tumor havia voltado. Mais lágrimas e mais desespero por parte da família e do medalhista olímpico. O especialista, então, partiu para outro tratamento com produto radioativo.

Até que chegou outra boa notícia, ou um segundo milagre, na definição dos familiares. O tumor havia sumido. “Acabei ficando muito mais feliz por ajudar Olek do que por ter conquistado a medalha”, resumiu o polonês. E a medalha olímpica de prata, pela qual o atleta havia batalhado tanto, tornou-se uma importante coadjuvante.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo