UOL Esporte Basquete
 
Jorge Araújo/Folhapress

Oscar Schmidt foi escolhido para integrar a turma de 2010 do Hall da Fama da Fiba

20/08/2010 - 10h33

Oscar Schmidt é escolhido para entrar no Hall da Fama da Fiba

Das agências internacionais*
Em Genebra (Suíça)

O basquete brasileiro ganhou mais um integrante no Hall da Fama da Federação Internacional (Fiba). A entidade anunciou nesta sexta-feira que o ex-jogador Oscar Schmidt foi eleito para integrar a classe de 2010 do prêmio.

SÉRVIO É SOLTO APÓS DAR CADEIRADA

  • Depois de ter participado uma briga generalizada em quadra, o pivô sérvio Nenad Krstic foi libertado na manhã desta sexta-feira em Atenas, na Grécia, após passar a noite na cadeia. O jogador, de 27 anos, voltou ao hotel onde a seleção da Sérvia está hospedada na Grécia e está previsto que ele retorne para Belgrado ainda na tarde desta sexta-feira, segundo informou a embaixada sérvia no país.

O campeão dos Jogos Pan-Americanos de 1987 será o quarto integrante do país no Hall da Fama. Ele entra ao lado dos ex-jogadores Amaury Pasos e Hortência Marcari, além do técnico bicampeão mundial Togo Renan Soares, o Kanela.

"Fiquei muito feliz. Adorei essa indicação, é um orgulho enorme para mim", declarou Oscar ao UOL Esporte, negando que esteja pensando em entrar para o outro Hall da Fama do basquete, sediado em Springfield, nos Estados Unidos.

"Não estou pensando nada, estou muito feliz com o prêmio da Fiba, que é onde eu joguei e mereci", esclareceu Oscar, que já sabia da indicação: "Só não podia falar".

A Fiba confirmou 17 jogadores, técnicos e diretores que serão introduzidos no Hall da Fama por sua participação em Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e no desenvolvimento no esporte. Entre eles o lituano Arvydas Sabonis, o sérvio Vlade Divac e a norte-americana Cheryl Miller

A cerimônia de introdução dos novos membros acontece no dia 12 de setembro, na Turquia, onde será disputado o Mundial masculino deste ano. Eles também receberão uma homenagem na final do torneio.

"É estou sendo premiado, então agora vou ter que ir para lá receber, né? [risos]. Mas com muita alegria, muita mesmo", comentou Oscar sobre a cerimônia na Turquia.

Desde sua primeira convocação para a seleção brasileira adulta, em 1977, até a despedida na Olimpíada de Atlanta, em 1996, Oscar Schmidt disputou 326 partidas oficiais e marcou 7.693 pontos com a camisa do Brasil.

O "Mão Santa", como ficou conhecido, esteve presente nas conquistas da medalha de bronze no Mundial das Filipinas (1978), da medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis (1987) e de três títulos Sul-Americanos (1977, 1983 e 1985).

Nos Jogos Olímpicos de Atlanta, Oscar alcançou 1.093 pontos em cinco edições de olimpíadas, marca que lhe rendeu o prêmio da "Ordem Olímpica" dado pelo Comitê Olímpico Internacional. Oscar deixou as quadras em 2003, quando atuava pelo Flamengo.

Os estrangeiros

Sabonis conquistou um título olímpico e outro mundial jogando pela antiga União Soviética e, depois da dissolução do país, liderou a seleção da Lituânia na conquista de duas medalhas de bronze em Jogos Olímpicos.

Vlade Divac ajudou o time nacional da ex-Iugoslávia a conquistar dois títulos mundiais e duas medalhas olímpicas de prata. No momento, é presidente da Comitê Olímpico da Sérvia.

Já a jogadora Cheryl Miller venceu os Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, com a seleção dos Estados Unidos, além de ter sido a primeira mulher a conseguir enterrar.

"Todos são altamente qualificados para entrar no hall da fama da Fiba", avaliou Oscar.

*Atualizada às 12h30.

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host