Basquete

Fiba propõe intervenção na CBB e expõe racha político no basquete do Brasil

Divulgação
Eleição para substituição de Carlos Nunes (foto), presidente da CBB, está agendada para 10 de março de 2017 Imagem: Divulgação

Guilherme Costa

Do UOL, em São Paulo

22/02/2017 16h34

A Fiba (Federação Internacional de Basquete) realizou no dia 3 de fevereiro, em Zurique (Suíça), uma reunião cujo principal objetivo era “salvar o basquete do Brasil”. Em vez disso, porém, só escancarou ainda mais a falta de unidade na modalidade em âmbito nacional. A entidade propôs a criação de um grupo de trabalho para comandar a CBB (Confederação Brasileira de Basketball) nos próximos meses, mas a ideia foi rechaçada por uma fatia dos dirigentes locais a ponto de ter motivado a convocação de uma assembleia geral.

Em nota publicada na última terça-feira (21), a CBB disse que a reunião foi solicitada pelas federações de Acre, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Distrito Federal. As instituições compõem o grupo político que apoia Guy Peixoto, um dos candidatos à sucessão presidencial da entidade nacional, que se recusou a assinar um documento apresentado pela Fiba.

Elaborado na reunião de Zurique, o documento enumera problemas de gestão do basquete no Brasil – os dirigentes locais pediram apoio financeiro da Fiba em diversas ocasiões e a seleção masculina adulta precisou de um convite para disputar o Mundial de 2014, por exemplo. Além disso, lembra que a CBB foi suspensa por tempo indeterminado em 14 de novembro de 2016 e que desde então não promoveu nenhuma mudança significativa em processos de gestão.

A solução proposta pela Fiba é a criação de uma força-tarefa com um representante da entidade internacional, um membro do COB (Comitê Olímpico do Brasil) e um nome do Ministério do Esporte. O ex-jogador Paulinho Villas Boas também faria parte, mas não teria direito a voto.

O modelo teria duas consequências imediatas: Carlos Nunes, atual presidente da CBB, seria transformado em figura decorativa nos momentos derradeiros de seu mandato, e a Fiba teria poder praticamente absoluto (COB e Ministério do Esporte, por adequação à legislação brasileira, seriam apenas observadores do novo grupo gestor).

A próxima eleição da CBB está agendada para 10 de março. A partir do dia 11, segundo a proposta da Fiba, o vencedor do pleito seria adicionado à força-tarefa e teria direito a voto – o núcleo passaria a contar com cinco integrantes, portanto, mas as decisões seriam divididas entre apenas dois. A ideia inicial é que o grupo funcione com reuniões quinzenais e que assuma a gestão do basquete brasileiro ao menos até novembro de 2018.

Segundo o documento, ao qual o UOL Esporte teve acesso, essa força-tarefa seria fundamental para o futuro do basquete brasileiro na Fiba. A entidade internacional votará em maio de 2017 a possibilidade de restituir os direitos políticos da CBB.

Amarildo Rosa, um dos candidatos à sucessão de Carlos Nunes, já assinou o documento e concordou com o modelo proposto pela Fiba. Guy Peixoto rechaçou a ideia, e isso expôs um racha entre as federações.

O grupo político ligado a Guy Peixoto já estuda até a possibilidade de denunciar Amarildo no Tribunal de Justiça Desportiva ou um caminho para dissolver a força-tarefa depois das eleições – em caso de vitória, é claro.

O grupo de Peixoto ainda condena o que considera ingerência da Fiba. Amarildo, em contrapartida, defende que a força-tarefa seria um caminho rápido para reestabelecer a credibilidade da CBB e acelerar o processo de transição.

Diante dessa discordância entre os grupos políticos, até a data escolhida pela CBB para a assembleia geral tem motivação política. Como o debate será realizado no dia 9 de março, 24 horas antes da eleição, Carlos Nunes garante que a força-tarefa não seja instaurada até o fim de seu mandato. Na prática, a discussão será apenas sobre a possibilidade de a Fiba ter uma cadeira na gestão da entidade após o pleito.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
AFP
Redação
Bala na Cesta
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
UOL Esporte
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
EFE
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
UOL Esporte
UOL Esporte
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
UOL Esporte
Redação
UOL Esporte
Bala na Cesta
Redação
UOL Esporte
LancePress
Redação
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Redação
Redação
UOL Esporte
Redação
Topo