Basquete

CBB instrui funcionários demitidos a buscar indenizações na Justiça

Matheus Costa/Divulgação
Segundo ex-funcionários, gestão de Guy Peixoto está atrasando pagamentos; CBB nega Imagem: Matheus Costa/Divulgação

Demétrio Vecchioli e Leo Burlá

Do UOL, em São Paulo e no Rio de Janeiro

01/05/2017 16h41

Pelo menos uma dezena de funcionários da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) demitidos pela nova gestão da entidade no fim de março ainda não receberam os valores relacionados ao encerramento do vínculo empregatício. Três desses funcionários contaram à reportagem do UOL Esporte que foram instruídos pela própria CBB a procurarem a Justiça na tentativa de receber o que lhes é garantido pela legislação. A diretoria da CBB, porém, informa que pretende honrar as dívidas.

Esses funcionários demitidos em março eram ligados a Carlos Nunes, presidente que ficou dois mandatos no cargo e não tentou a reeleição. No fim de sua gestão, no fim do ano passado, a Federação Internacional de Basquete (Fiba) determinou a suspensão da CBB, em meio a uma enxurrada de escândalos.

Nunes deixou a CBB com uma dívida crescente e sem um patrocinador máster. Atualmente, a entidade se sustenta apenas com o patrocínio da Nike (que paga menos em anos que não têm Mundial ou Olimpíada) e com as verbas da Lei Agnelo/Piva.

Por conta dessa crise financeira, foi o COB quem pagou os salários de outubro a dezembro de 2016 na CBB. Em janeiro e fevereiro, foi instituído um teto de R$ 2,5 mil, para que nenhum funcionário ficasse sem salário. Em março, a nova diretoria da CBB pagou a diferença relativa a janeiro e demitiu parte da equipe. Três ex-funcionários contaram ao UOL, sob anonimato, que não receberam o salário de março.

De acordo com eles, a gestão do presidente Guy Peixoto tirou qualquer esperança de que os valores devidos sejam pagos agora, sugerindo que eles procurassem a Justiça, como já fez o técnico Rubén Magnano.

Em nota, a CBB negou. “Não é verdade que se tenha afirmado que os direitos trabalhistas não serão honrados. A verdade é que, diante do estrangulamento financeiro, estamos buscando alternativas que permitam honrar os compromissos trabalhistas o mais rapidamente possível”, comentou a entidade, por meio de nota.

A nova gestão da CBB ainda disse que encontrou “empregados com nível médio que ganhavam salários muito acima da média de mercado” e que iniciou “uma reforma para adequar o plano de cargo de salários à realidade financeira da CBB”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Bala na Cesta
AFP
Redação
Bala na Cesta
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
UOL Esporte
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
EFE
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
UOL Esporte
UOL Esporte
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
UOL Esporte
Redação
UOL Esporte
Bala na Cesta
Redação
UOL Esporte
LancePress
Redação
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Redação
Redação
UOL Esporte
Redação
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Esporte Ponto Final
Topo