Basquete

Como o "fator Brasil" pode influenciar a seleção de atletas para NBA

LNB/Divulgação
Georginho, armador do Paulistano, é o único brasileiro bem cotado no draft de 2017 da NBA Imagem: LNB/Divulgação

Guilherme Costa

Do UOL, em São Paulo

22/06/2017 04h00

A NBA (liga profissional de basquete dos Estados Unidos) vai realizar na noite desta quinta-feira (22) o draft, processo de seleção de jogadores que é uma das principais portas de entrada na competição. Há dois brasileiros inscritos (o armador Georginho, 21, e o ala-armador Mogi, 21), mas a lista de prospectos oriundos do país é ainda mais extensa (neste ano, a participação é compulsória para todos os atletas internacionais nascidos em 1995). Afinal, qual é a chance de o contingente nacional ser ampliado nas próximas temporadas da liga? Para responder sobre isso, é fundamental entender o mercado como parte do contexto.

Há cinco anos, quando a NBA abriu um escritório no Brasil, havia dois jogos da liga por semana na TV fechada do país. Na última temporada, com direitos cedidos a ESPN e Sportv, esse número chegou a 12 – a Globo também exibiu VTs em rede aberta com melhores lances da decisão entre Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers.

A disputa do título da última temporada foi o mote para o NBA Finals, espaço montado pela liga em São Paulo. Entre os dias 1º e 12 de junho, mais de 17 mil pessoas estiveram em um casarão situado na Avenida Paulista. O local teve lotação esgotada em todas as noites de jogos – havia pouco mais de mil ingressos distribuídos gratuitamente pela internet a cada partida, e em alguns dias essas entradas se esgotaram em poucos minutos.

O casarão também recebeu uma loja da NBA, e 4 mil produtos foram vendidos ali durante o período de operação. Foi a primeira experiência da liga com um ponto comercial em São Paulo – atualmente, o único espaço em que é possível encontrar licenciados da competição no Brasil fica em um shopping da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

O sucesso do NBA Finals chamou atenção dos organizadores. O fluxo no casarão mostrou que há um público ávido por consumir a NBA, e o rendimento da loja oficial montada no espaço reforçou o potencial de compra dessas pessoas. O portfólio disponibilizado pela liga contava com mais de 150 produtos.

Ainda neste ano, a NBA deve abrir a primeira loja em um shopping de São Paulo (o local ainda não foi divulgado). Segundo o UOL Esporte apurou, também existe a possibilidade de um segundo ponto em Mogi das Cruzes, cidade que fica a 46 quilômetros da capital paulista.

Também há planos para expansão do próprio NBA Finals – um funcionário ouvido pelo UOL Esporte chegou a citar conversas para realizar a próxima edição num estádio de futebol de São Paulo, com capacidade para pelo menos 20 mil pessoas, o que a liga nega.

“A experiência que tivemos em São Paulo foi maravilhosa, superou todas as expectativas que tínhamos”, admitiu Arnon de Mello Neto, vice-presidente da NBA para a América Latina, em entrevista ao UOL Esporte.

A NBA Finals também contou com brasileiros que passaram pela liga. O Brasil teve nove representantes na temporada passada, o que é um recorde. Três deles (Raulzinho, Leandrinho e Marcelinho Huertas) estiveram em São Paulo para sessões de autógrafos.

“A presença deles é sempre muito importante e bem-vinda. É bom para os atletas sentirem o carinho do público, já que passam muito tempo fora, ao mesmo tempo em que é a oportunidade dos fãs estarem mais perto dos seus ídolos. Tivemos um recorde de atletas brasileiros no início da temporada passada, e isso, sem dúvidas, ajuda a aumentar também o interesse dos brasileiros pela liga”, ponderou Arnon.

Na América Latina, apenas Brasil, México e República Dominicana tiveram espaços exclusivos para a decisão da NBA. O planejamento da liga para o território brasileiro, contudo, tem uma série de outras ações. Entre abril e junho, por exemplo, os norte-americanos promoveram um campeonato entre 30 escolas paulistas e batizaram o torneio de Jr. NBA League.

“O basquete é o esporte que mais cresce no Brasil e a NBA só perde para o futebol e o automobilismo em horas de exibição na TV. Hoje a NBA está ao alcance de todos os fãs, há muito conteúdo, estamos trazendo eventos, e o retorno que o público, que é muito exigente, nos dá todos os dias é a certeza de que estamos no caminho certo”, finalizou o vice-presidente da liga.

Há um mercado enorme a ser explorado, e a NBA sabe disso. Também existe uma preocupação com os referenciais que o público brasileiro tem na liga atualmente – nomes como Anderson Varejão, Marcelinho Huertas, Raulzinho e Tiago Splitter, por exemplo, têm situação incerta na liga para a próxima temporada, e Bruno Caboclo ainda não deixou de ser um projeto de futuro em Toronto.

Mercado em ascensão e declínio de estrelas

A conjunção entre interesse de mercado e ocaso de uma geração de brasileiros que atualmente frequenta a liga é um fator a ser considerado no draft desta quinta-feira. O processo seletivo é guiado por questões técnicas, evidentemente, mas a lógica de mercado muitas vezes influencia decisões. O caso mais emblemático nesse sentido é o de Yao Ming, 36, que o Houston Rockets elegeu no primeiro lugar da turma de 2002.

Ming tinha repertório técnico para ser um pivô de sucesso na NBA e até recebeu da liga o prêmio de "calouro do ano" em sua temporada de estreia. No entanto, é notável o quanto a seleção do jogador abriu mercado para sua franquia entre os chineses.

Em pouco tempo, a presença de Yao Ming já havia modificado uma série de procedimentos em toda a liga. Em 2004, 18 franquias fizeram “noites asiáticas” em seus ginásios apenas para criar eventos mais palatáveis para os chineses que queriam acompanhar o astro. Ele recebeu aportes de marcas como McDonald’s, Reebok, Pepsi e Visa, todas com planos para explorar o crescente interesse dos asiáticos pela NBA.

“Infelizmente, as lesões abreviaram sua carreira, mas Yao continua sendo uma ‘Lenda’ extremamente dedicada ao esporte, que nos ajudou muito a aproximar a NBA dos chineses, a tornar o basquete o esporte número 1 em seu país”, disse Arnon.

Em menor escala, a lógica perpassa a situação dos jogadores brasileiros inscritos no draft desta quinta-feira. Sites especializados no processo de seleção apontam apenas Georginho como candidato a entrar na liga – e ainda assim, no fim da segunda rodada. Todavia, um cenário tão favorável no mercado pode ser um fator decisivo na hora em que os nomes forem anunciados.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
EFE
UOL Esporte
UOL Esporte - Imagens
UOL Esporte
Bala na Cesta
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Esporte
EFE
Redação
Redação
Bala na Cesta
Redação
Redação
Redação
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Topo