Basquete

Brasileira do basquete supera americanas e é disputada por 30 universidades

Lucas Pastore

Do UOL, em São Paulo

09/07/2017 04h00

Parte importante do futuro do basquete brasileiro feminino pode estar nos Estados Unidos. Com somente 17 anos de idade, a armadora Izabella Nicoletti superou americanas e foi considerada uma das quatro maiores recrutas do basquete universitário local, sendo disputada por 30 times e fechando com a tradicional Florida State. Pela equipe, vai dar continuidade à sua carreira no país em que já é tratada como estrela.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Nascida dia 9/8/1999, Izabella chegou aos Estados Unidos m 2015 para jogar basquete colegial pela Neuse Baptist Christian School, na Carolina do Norte. Se dentro das quadras a brasileira já se destacava, fora dela as coisas eram mais difíceis.

"Cheguei sem saber nada de inglês. Eu morava com mais cinco brasileiras e não falava nada de inglês. Eu falava muito português. No segundo ano, fui morar em uma casa de família americana e comecei a falar mais inglês", disse Izabella, ao UOL Esporte. Até hoje ela é hospede dos Hughes nos Estados Unidos.

Sob tutela da família, a armadora viveu o episódio mais inusitado de sua passagem pelo país norte-americano. Sem saber direito o que estava falando, a jogadora disse a um médico que estava grávida, gerando revolta do profissional até que a situação fosse esclarecida.

"Fui no médico fazer raio-x do pé, e ele perguntou se eu estava grávida. Não fazia ideia do que estava falando e respondi que sim (risos). Quando você não sabe, você só diz que sim. O médico ficou louco. Só depois minha família entrou e explicou que eu não sabia falar inglês", afirmou.

A campanha colegial fez com que Izabella chegasse à principal divisão da NCAA, a principal liga esportiva universitária dos Estados Unidos, com status de estrela. Em ranking de melhores recrutas para a próxima temporada elaborada pela ESPN americana, a brasileira aparece na quarta colocação. Tem nota 98 de 100, igual à da líder da lista.

O interesse dos americanos em Izabella, no entanto, vem de antes. Em Copa América sub-16 disputada no México, em 2015, a armadora anotou 24 pontos, sete rebotes, cinco assistências e três roubadas de bola em 36 minutos na vitória por 72 a 63 do Brasil sobre os Estados Unidos.

"Acho que depois do sub-16 no México que eu comecei a atrair olhares. Saiu um vídeo meu, e técnicos me conheceram a partir desse vídeo", contou.

Arquivo pessoal
Izabella Nicoletti em ação pela seleção brasileira de base Imagem: Arquivo pessoal

As boas atuações dentro de quadra fizeram com que Izabella fosse disputada por 30 universidades com representação na NCAA. A hospitalidade de Florida State foi decisiva para que a brasileira resolvesse defender as cores da tradicional equipe.

"Foi difícil no começo. Eram 30 escolas, depois desci para 16. Foram quase dois anos recebendo ligações e falando com técnicos todo dia. Fui na casa de técnicos, conheci famílias. Depois da ida para a Flórida, acho que não tinha outra opção", relatou.

"Todas as minhas visitas foram muito boas. Me senti em casa. Michigan era outra opção, mas é muito frio. Na Flórida, as pessoas, comissão, atletas, pareciam muito boas, não só no basquete", completou.

Enquanto continua sua trajetória no basquete dos Estados Unidos, Izabella acompanha a situação da Confederação Brasileira de Basquete, que tenta se livrar da suspensão. Por conta da situação, a brasileira perdeu importante etapa de formação em seu ciclo na seleção brasileira.

"Estou sempre acompanhando. Era para eu ter ido para o Mundial sub-19 na Itália, mas não pude ir. Isso é uma coisa que me deixou muito triste. Representar o país é um dos meus objetivos", declarou.

Estudante de esportes em Flórida State enquanto joga basquete, Izabella aponta seu arsenal ofensivo como ponto forte e sua defesa ainda em desenvolvimento como fraqueza. De acordo com a armadora, o diferencial para que superasse concorrentes americanas é o seu "jeitinho brasileiro" fora das quadras.

"O que eu trago é felicidade, energia. Sempre amei jogar basquete, faço por amor. Sou sempre a primeira a chegar para ajudar a colega a se levantar. É assim que o brasileiro é, é o que eles gostam. O americano não tem isso. Esse é o meu diferencial", opinou.

Enquanto Izabella dá um toque de "jeitinho" à NCAA, o futuro do basquete brasileiro ganha importante ajuda americana. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
EFE
UOL Esporte
UOL Esporte - Imagens
UOL Esporte
Bala na Cesta
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Esporte
EFE
Redação
Redação
Bala na Cesta
Redação
Redação
Redação
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Bala na Cesta
Redação
Redação
Bala na Cesta
Topo