Topo

Basquete

Climão de Natal: rodada da NBA terá gêmeos se enfrentando por times rivais

Mike Zarrilli/Getty Images
Markieff Morris comemora cesta do Washington Wizards contra o Atlanta Hawks em abril Imagem: Mike Zarrilli/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

25/12/2017 04h00

Não se sabe o que a família Morris vai comer no almoço de Natal, mas a sobremesa com certeza vai ser torta de climão. Isso porque a rodada especial da NBA para o feriado colocará frente a frente Marcus Morris, do Boston Celtics, e Markieff Morris, do Washington Wizards, gêmeos que vão se enfrentar por equipes que constituem uma das maiores rivalidades contemporâneas da NBA.

A rivalidade começou em janeiro do ano passado com Jae Crowder, então jogador dos Celtics, e Randy Wittman, ex-técnico dos Wizards. Durante o jogo, o ala, hoje no Cleveland Cavaliers, recebeu falta técnica após ser visto apontando e gritando em direção ao treinador.

Após a partida, em que os Celtics venceram por 119 a 117 na casa do adversário, Crowder se defendeu dizendo que havia sido xingado por Wittman e chamado de “mole”. O técnico admitiu que gritou com o jogador, mas negou que tenha falado palavrões. Ao fim da temporada, o treinador foi demitido.

Mesmo sem Wittman, a rivalidade continuou quente. As duas franquias disputaram a contratação de Al Horford antes da temporada 2016/2017, e o pivô acabou optando pelos Celtics. Crowder aproveitou a oportunidade para lembrar que o time de Boston havia vencido o rival quatro vezes na última campanha, o que poderia ter pesado para a decisão. Marcin Gortat, pivô dos Wizards, foi ao Twitter para afirmar que a declaração serviria como motivação para sua equipe.

De fato, o time de Washington dominou o primeiro duelo da temporada 2016/2017, disputado em sua casa em novembro do ano passado, quando venceu por 118 a 93. Durante o jogo, chamou atenção falta dura cometida por John Wall em Marcus Smart, que causou a expulsão do armador dos Wizards após discussão com o jogador dos Celtics.

As coisas ficaram ainda mais tensas após o segundo jogo da temporada, disputado em janeiro deste ano e que terminou com vitória dos Celtics por 117 a 108. Após breve entrevero entre Marcus Smart e Bradley Beal durante a partida, Jae Crowder e John Wall discutiram após o encerramento do duelo. O ala dos Celtics encostou no nariz do armador dos Wizards, que tentou devolver com um tapa. Uma confusão generalizada foi iniciada, e policiais tiveram de separar os atletas nos vestiários do ginásio em Boston.

A revanche aconteceu 13 dias depois, em Washington, e o elenco dos Wizards chegou ao ginásio de preto porque se tratava do funeral do rival. A provocação deu certo, e os mandantes venceram por 123 a 108. Durante o jogo, Smart foi expulso pela comissão técnica dos Celtics após tentar entrar em quadra sem autorização enquanto os rivais disparavam no placar.

A tensão continuou no último duelo da temporada regular, vencida pelos Celtics por 110 a 102, e nos playoffs, quando a equipe de Boston bateu a de Washington por 4 a 3 em semifinal da Conferência Leste, com faltas duras e discussões. Curiosamente, nos 11 jogos disputados entre os dois times desde o início da rivalidade, quem jogou em casa venceu.

Se Markieff Morris joga no Wizards desde o ano passado e viveu a rivalidade na pele, Marcus Morris acompanhou tudo pela TV, já que era jogador do Detroit Pistons até a última temporada. O jogo desta segunda-feira (25), às 20h30 (horário de Brasília), será o primeiro em que os gêmeos se enfrentarão pelas duas equipes.

Nesta temporada, Markieff tem médias de 10,1 pontos e 4,1 rebotes em 23,4 minutos por exibição pelos Wizards, enquanto Marcus, que luta contra dores no joelho esquerdo, sustenta 12,1 pontos e 5,5 rebotes em 24,2 minutos por partida pelos Celtics. Para quem será que a família vai torcer no Natal?

Darren McCollester/Getty Images for Boston Children's Hospital
Marcus Morris posa com Diane no Hospital Infantil de Boston em evento natalino Imagem: Darren McCollester/Getty Images for Boston Children's Hospital

Antes da rivalidade, parceria

Se a família Morris terá de se dividir no Natal, houve uma época em que tudo era mais fácil. Entre 2008 e 2011, Markieff e Marcus foram companheiros de equipe pela Universidade de Kansas. O primeiro registrou médias de 13,6 pontos e 8,3 rebotes em 24,4 minutos por exibição no período, enquanto o segundo sustentou 12,6 pontos e 6,2 rebotes em 24 minutos por partida.

As atuações chamaram atenção de franquias da NBA, e os gêmeos se inscreveram no draft de 2011. Markieff foi selecionado pelo Phoenix Suns na 13ª posição, e Marcus foi escolhido pelo Houston Rockets em 14º.

Dois anos depois, a parceria foi reeditada quando Marcus foi trocado para o Suns. Os dois se tornaram o segundo par de gêmeos que jogaram juntos na NBA, sucedendo Dick e Tom Van Arsdale, que coincidentemente defenderam a franquia de Phoenix na temporada 1976/1977.

Em 2015, no entanto, Marcus teve problemas de relacionamento com o técnico Jeff Hornacek e acabou trocado para os Pistons. Os dois não voltaram a jogar juntos desde então.

Agora, nesta segunda-feira (25), Markieff e Morris se enfrentarão pela primeira vez em jogo que será o terceiro da rodada de Natal deste ano. Antes, o Philadelphia 76ers recebe o New York Knicks às 15h, e o Cleveland Cavaliers visita o Golden State Warriors às 18h na reedição da última final.

Depois disso, Houston Rockets e Oklahoma City Thunder se enfrentam em Oklahoma às 23h, e Los Angeles e Minnesota Timberwolves medem forças já na madrugada de terça-feira, a partir de 1h30.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!