Topo

Coluna

Campo Livre


Férias são sempre uma aventura

Getty Images
Pôr do sol na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro Imagem: Getty Images
Leandro Ramos

Leandro Ramos

Carioca, suburbano e flamenguista, Leandro Ramos é ator, diretor, roteirista e centro-avante de pelada. Dirigiu o Larica Total e o Matador de Passarinho entre outros, e é o Julinho da Van, do Choque de Cultura.

2018-12-26T16:54:47

26/12/2018 16h54

A melhor parte da juventude de todo bípede futebolisticamente ativo são as férias escolares, sem sombra de dúvida. Eu só fazia questão de passar direto nas matérias para poder entrar de férias mais cedo, fui uma espécie de nerd esportivo, um tipo de nerd raro mas que existe. Prestava atenção na aula pra ter mais tempo livre no futuro. 

Eu dividia meus dias de férias entre futebol, praia e RPG. Me dava bem com os nerds, com a galera do surf e com os vagabundos do futebol moleque de rua: de manhã cedo eu ia pra praia de ônibus, só com o dinheiro da passagem e um troquinho pro iogurte no posto de gasolina; à tarde era pelada no campo de terra batida do Vale do Rio Grande, Boiúna, Jacarepaguá; e à noite era até de madrugada no AD&D ou Vampiro - A máscara. Só que o importante mesmo era o futebol. 

Os campeonatinhos nas férias eram muito animados, a rapaziada do bairro armava altos campeonatos valendo troféu e medalha de Honra ao Mérito, que a essa altura da nossa vida vale tipo um Panamericano. 

Nesses campeonatinhos sempre tinha o pai de um vizinho que era técnico de um time saindo na porrada com o pai de outro amigo. Acabava o campeonato e era aquele constrangimento dos filhos não poderem mais se falar por um tempo porque os pais brigaram, depois tudo voltava ao normal com um churrasco. Lindo. 

As torcidas eram um show à parte também, meia dúzia de amigos bêbados que eram ruins de bola e iam lá torcer pela galera e umas mães orgulhosas dos filhos atletas. 

Uma vez eu vi um amigo doido, que nunca jogou futebol e foi só assistir, se meter numa confusão. Ele estava vendo o jogo de boa quando estourou uma porradaria generalizada na frente dele e, quando olhamos, ele tava chutando um cara forte que tinha começado a porrada. Depois, fomos perguntar ao amigo porque ele estava brigando e ele explicou que não sabia, tava lá de boa quando estancou a porrada, tomou um soco do nada e ele resolveu participar pra não ficar no prejuízo. 

Férias são sempre uma aventura. 

Aliás, tô de férias oficialmente a partir de agora. Volto em fevereiro!

Leia mais colunas de Leandro Ramos no UOL Esporte:

Mais Campo Livre