Topo

Coluna

Campo Livre


Um ano sem Marielle: O esquecimento é o melhor amigo da barbárie

Gustavinho Lima
Imagem: Gustavinho Lima
Gustavinho Lima

Gustavinho Lima

Gustavinho Lima é jogador de basquete e armador do Corinthians

2019-03-14T04:00:00

14/03/2019 04h00

Memória.
Pode ser simplória.
Relembra a nossa trajetória.
Mas deve sempre respeitar a história.
Sua ausência para alguns é uma vitória.

A memória é um tanto curiosa, outro tanto particular. Algumas grudam na consciência, outras aparecem de quando em vez, sublinhando momentos para poder recorrer mais tarde. Infelizmente, algumas se apagam ou se misturam e formam novas, talvez pela nostalgia ou por novos acontecimentos.

Se não me falha a minha, pouco tempo atrás a resenha esportiva era demasiada romântica, jornalistas de fino trato impulsionavam a carreira de atletas com suas palavras e impressões sobre suas atuações. Endeusados, se beneficiavam do status incorporando a marra necessária para vestir a carapuça de craques. Imortalizados, podiam tudo. Podiam mandar soltar e mandar prender.

Mas será que eles usavam esse poder para conseguir algo realmente relevante?

A minha não é das melhores, mas tenho somente lampejos de memória sobre que atletas usaram da sua condição para se manifestar em prol de um grupo e principalmente de uma sociedade.

Casos inspiradores, e de extrema importância, como o de Tommie Smith e John Carlos nos jogos Olímpicos do México, em 1968, que cerraram os punhos ao subir ao pódio dos 200m rasos, em alusão aos Panteras Negras e fizeram com que os refletores de todo o mundo iluminassem o debate do racismo. No Brasil, é impossível não falar da Democracia Corintiana, na qual, movidos por um ideal democrático, Sócrates, Casagrande, Wladimir e companhia deram a cara a tapa e lutaram pela Diretas Já deixando sua marca para muito além do esporte.

Eu, jogador de basquete, saindo para morar fora de casa pela primeira vez aos 19, rumo à Joinville para jogar a Liga Nacional de Basquete "ouvi" de minha mãe, que sempre foi minha referência moral, por meio de uma cartinha deixada em minha mala - "Filhão, tenho certeza que você se sairá bem neste novo desafio, que os valores morais e éticos sempre norteiem suas escolhas".

Nunca me esqueci desse dia, do bilhete e tampouco de seguir à risca o que era pedido pela Dona Glória.

No ano passado, ao me sagrar Campeão na Liga Ouro de Basquete pelo Corinthians, fiz questão de enaltecer e homenagear uma das figuras mais importantes do país, voz de milhares de pessoas, que lutou a vida toda pelas minorias. Uma MULHER NEGRA, vereadora eleita com quase 50 mil votos, representante de bandeiras muito fortes e, na maioria das vezes, à margem da sociedade. Moradora da comunidade da Favela da Maré, socióloga e gay, foi sempre firme na luta pela igualdade desses grupos, questionou políticos, fez política, no melhor sentido da palavra, enfrentou o racismo e o machismo estrutural e acabou sendo brutalmente assassinada.

No dia da Final, fazia exatos 100 dias de sua morte, sem esclarecimento e pouquíssima informação sobre a investigação. Numa ação conjunta com o amigo-artista Renato Atuati, ao receber a taça de campeão como capitão da equipe, fiz questão de eclodir uma pergunta estampada em minha camiseta: QUEM MATOU MARIELLE?

Hoje faz um ano que roubaram sua vida, mas parafraseando Jamelão em "Exaltação à Mangueira',

"A Marielle não morreu
Nem morrerá
Isso não acontecerá
Tem seu nome na história
Marielle tu és um cenário coberto de glória?"

Uma ideia não morre! Seus ideais e sua luta pelos direitos humanos serão sempre o norte de grande parte dos cidadãos. A verdade é que muitas vezes tentam de tudo para empurrar a memória para debaixo do tapete, distorcem a história, quebram placas, tentam confundir, mas, quando as escolhas morais e éticas vem à tona, ela aparece em todo o mundo pelos jornais, revistas, muros, escadarias, escolas e até mesmo as de samba.

As investigações caminham para resolução, que todos os culpados sejam punidos. Que o crime não caia na mão de apenas alguns laranjas. E que a nossa memória não seja curta nem tampouco seletiva, pois o esquecimento é o melhor amigo da barbárie.

Ao abrir os olhos podemos enxergar qual é o nosso papel como cidadão, devemos estar atentos no dia a dia e reconhecer quem são os que verdadeiramente lutam pelos nossos direitos. Para quem sabe um dia podermos exaltá-los em vida.

#MariellePresente

Mais Campo Livre