Topo

Coluna

Campo Livre


José Cruz: Com pastor em "cargo de atleta", o esporte é diminuído

Antonio Gauderio/Folha Imagem/DIGITAL
Novo secretário Nacional de Alto Rendimento, o pastor João Manoel Santos Souza tem José Sarney como padrinho político Imagem: Antonio Gauderio/Folha Imagem/DIGITAL
José Cruz

José Cruz

José Cruz, jornalista, trabalha no gabinete do senador Romário

2019-04-12T12:16:04

12/04/2019 12h16

Desconhecido no circuito esportivo, João Manoel Santos Souza ocupará a Secretaria Nacional de Alto Rendimento, órgão de destaque da Secretaria de Esporte do Ministério da Cidadania, como informou o blog Olhar Olímpico. Em outros governos, esse cargo foi ocupado por ex-altetas e expoentes da intelectualidade esportiva brasileira, como Lars Grael, Magic Paula e, mais recentemente, Luiz Lima.

João Manoel não é, nem foi atleta de alto rendimento. A sua especialidade é rezar - aleluia! - e buscar espaços políticos - "é dando que se recebe".

Pastor evangélico, João Manoel ganhou o cargo por indicação política do MDB e de um padrinho ainda poderoso na política, José Sarney, ex-presidente do Senado Federal, pai de Fernando, vice-presidente da CBF. A união faz a força.

Tem mais: Sarney é amigo do pai de João Manoel, o ex-senador João Alberto, que obedecia ao ex-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero e atrapalhou muito a CPI do Futebol, em 2017. Tanta intimidade levou João Manoel a concorrer ao Senado como segundo suplente na chapa de Sarney Filho, com o slogan "Maranhão quer mais". Perderam.

Mas o sistema político não deixa os amigos órfãos, e João Manoel está bem empregado. Com essa indicação apadrinhada pelo MDB e Sarney, desmorona a tese de que Bolsonaro resistiria às exigências de troca de votos por cargos. Bobagem. O MDB do Nordeste já está no papo. Aos poucos, a "velha política" volta a comandar o Planalto.

O ato que banaliza o esporte em nível de governo se concretizou depois de uma reunião de caciques políticos, quando Bolsonaro acolheu a indicação do deputado Marcelo Santos Souza (MDB-MA), irmão de João Manoel. Tudo em casa.

A pressão política foi tanta que o capitão ignorou o próprio decreto nº 9727/2019, que assinou em 18 de março, com as exigências de competência para quem for assumir um dos 24 mil cargos comissionados federais. Em seu artigo 2º, o tal Decreto exige "perfil profissional ou formação acadêmica compatível com o cargo ou a função para o qual tenha sido indicado". João Manoel tem isso?

As exigências para o cargo de DAS 6 são reforçadas no artigo 5º do mesmo decreto: "possuir experiência profissional de, no mínimo, cinco anos em atividades correlatas às áreas de atuação do órgão ou entidade ou em áreas relacionadas às atribuições e às competências do cargo ou da função". João Manoel tem isso?

O distinto senhor deve comprovar, também, que possui título de mestre ou doutor em área correlata às áreas de atuação do órgão ou da entidade ou em áreas relacionadas às atribuições do cargo ou da função. O pastor tem isso?

É assim, como expliquei no artigo anterior, que o esporte segue no retrocesso. No atual governo, o esporte foi violentamente diminuído em nível federal e a "nova política" prometida pelo capitão é, até aqui, só discurso de palanque.

Mais Campo Livre