UOL Esporte - Copa 2006UOL Esporte - Copa 2006
UOL BUSCA

Tri nas costas do "Bambino D'Oro"

Com uma defesa muito boa, um time bastante experiente e um Paolo Rossi inspirado nos três jogos decisivos do Mundial, a Itália conseguiu em 1982 ao menos três proezas: a primeira, voltar a ganhar uma Copa após 44 anos.

A segunda, igualar-se à seleção brasileira, até então a única tricampeã. A terceira - talvez a mais importante e difícil -, superar um enorme número de problemas durante a preparação e a própria competição no caminho rumo ao título.

EFE

Nem só a boa fase de Paolo Rossi levou a Itália ao título: a forte defesa, da qual Gentile (foto) era o destaque, foi uma das forças dos campeões

FOTOS DA COPA 82

A Itália foi à Copa da Espanha bastante desacreditada. Não era para menos. O time havia colhido resultados pífios nos jogos de preparação. A principal estrela e artilheiro do time, o atacante Bettega, contundido, não tinha condições de disputar nenhuma partida. Para o seu lugar, Paolo Rossi, eterna promessa que acabara de voltar de uma suspensão de dois anos, foi convocado.

O futebol apresentado e os resultados colhidos pela Itália na primeira fase do Mundial não ajudaram em nada a melhorar o ambiente. Em três jogos, três empates (contra Polônia, Peru e Camarões) e apenas dois gols marcados. A classificação à segunda fase veio apenas no número de gols marcados.

Na segunda fase, a Itália entrou como o "azarão" em um grupo que tinha ainda Brasil (o destaque da Copa) e Argentina (então a atual campeã). Mas, logo no primeiro jogo, os italianos bateram os argentinos: 2 a 1.

Contra o Brasil, a Itália precisava da vitória para ir às semifinais. E conseguiu. Paolo Rossi desencantou, marcando três gols. A defesa, baseada no ótimo líbero Scirea e nos esforçados Cabrini e Gentile, funcionou bem -como em todo o Mundial. E, quando falhou, havia no gol Dino Zoff -ainda seguro e ágil aos 40 anos.

A vitória sobre os brasileiros parece ter dado ânimo extra aos italianos. Na semifinal, a equipe comandada pelo técnico Enzo Bearzot superou a Polônia, por 2 a 0, graças a mais dois gols de Rossi.

Na decisão contra a Alemanha, o primeiro tempo foi estudado e carente de emoções. Os alemães atacavam mais, mas a defesa italiana não cedia. E foi a Itália quem protagonizou o lance mais importante do primeiro tempo. Aos 24min, Cabrini bateu um pênalti para fora.

Na segunda etapa, a seleção italiana voltou mais ofensiva. E, aos 11min, brilhou, mais uma vez, a estrela de Paolo Rossi. O atacante marcou, de cabeça, o primeiro gol, abrindo caminho para a vitória italiana por 3 a 1. Mais de quatro décadas depois do bicampeonato, a Itália leva a Copa para casa pela terceira vez.
DATA FASE JOGOS
14/06/1982 Primeira fase
Itália
0 x 0
Polônia

Itália

Zoff; Collovati, Gentile, Scirea, Cabrini; Marini, Tardelli, Antognoni; Conti, Graziani, Paolo Rossi.
Técnico: Enzo Bearzot

Polônia

Mlynarczyk; Janas, Jalocha, Matysik, Zmuda; Majewski, Smolarek, Buncol; Lato, Iwan (Kusto), Boniek.
Técnico: Antoni Piechniczek

  • Local: Estádio Balaidos, em Vigo
  • Árbitro: Michael Vautrot (FRA)
  • Auxiliares: Adolf Prokop (RDA) e Nicolai Rainea (ROM)
  • Cartões Amarelos: Marini e Scirea (ITA); Boniek (POL)
  • Público: 33.000
18/06/1982 Primeira fase
Itália
1 x 1
Peru

Itália

Zoff; Collovati, Gentile, Scirea, Cabrini; Marini, Tardelli, Antognoni; Conti, Graziani, Paolo Rossi (Causio).
Técnico: Enzo Bearzot

Peru

Quiroga; Duarte, Salguero, Diaz, Olaechea; Velasquez, Barbadillo (Leguia), Cueto; Uribe (La Rosa), Cubillas, Oblitas, Diaz.
Técnico: Tim

  • Local: Estádio Balaidos, em Vigo
  • Árbitro: Walter Wschweiler (ALE)
  • Auxiliares: Mario Rubio Vazquez (MEX) e Abraham Klein (ISR)
  • Cartões Amarelos: Tardelli (ITA); Duarte (PER)
  • Público: 25.000
  • Gols: Conti (ITA) 18min, Diaz (PER) 28min do 2º tempo
18/06/1982 Primeira fase
Itália
1 x 1
Camarões

Itália

Zoff; Collovati, Gentile, Scirea, Cabrini; Oriali, Tardelli, Antognoni; Conti, Graziani, Paolo Rossi.
Técnico: Enzo Bearzot

Camarões

N'Kono; Kaham, Ndjeya, Onana, Kunde; Mbom, M'Bida, Milla; Tokoto, Abega, Aoudou.
Técnico: Jean Vincent

  • Local: Estádio Balaidos, em Vigo
  • Árbitro: Bogdan Dotchev (BUL)
  • Auxiliares: Arminio Victorian Sanchez (ESP) e Emilio Aladren (ESP)
  • Cartões Amarelos: Ndjeya (CAM); Antognoni (ITA)
  • Público: 20.000
  • Gols: Graziani (ITA) 15min, M'Bida (CAM) 16min do 2º tempo
29/06/1982 Segunda fase
Itália
2 x 1
Argentina

Itália

Zoff; Collovati, Gentile, Scirea, Cabrini; Oriali (Marini), Tardelli, Antognoni; Conti, Graziani, Paolo Rossi (Altobelli).
Técnico: Enzo Bearzot

Argentina

Fillol; Olguin, Luis Galvan, Passarella, Tarantini; Gallego, Ardiles, Kempes (Valencia); Bertoni, Ramon Diaz (Calderon), Maradona.
Técnico: César Luis Menotti

  • Local: Estádio Sarriá, em Barcelona
  • Árbitro: Nicolai Rainea (ROM)
  • Auxiliares: Belaid Lacarne (ALG) e Bruno Galler (SUI)
  • Cartões Amarelos: Gentile e Paolo Rossi (ITA); Kempes, Maradona e Ardiles (ARG)
  • Cartão vermelho: Gallego (ARG)
  • Público: 43.000
  • Gols: Tardelli (ITA) 10min, Cabrini (ITA) 22min, Passarela (ARG) 38min do 2º tempo
05/07/1982 Segunda fase
Itália
3 x 2
Brasil

Itália

Zoff; Collovati (Bergomi), Gentile, Scirea, Cabrini; Oriali, Tardelli (Marini), Antognoni; Conti, Graziani, Paolo Rossi (Altobelli).
Técnico: Enzo Bearzot

Brasil

Valdir Peres; Leandro, Oscar, Luisinho, Júnior; Cerezo, Falcão, Sócrates, Zico; Serginho (Paulo Isidoro), Éder.
Técnico: Telê Santana

  • Local: Estádio Sarriá, em Barcelona
  • Árbitro: Abraham Klein (ISR)
  • Auxiliares: Bogdan Dotchev (BUL) e Thomson Sun (HKG)
  • Cartões Amarelos: Gentile e Oriali (ITA)
  • Público: 44.000
  • Gols: Paolo Rossi (ITA) 5min, Sócrates (BRA) 12min, Paolo Rossi (ITA) 25min do 1º tempo; Falcão (BRA) 23min, Paolo Rossi (ITA) 29min do 2º tempo
08/07/1982 Semifinal
Polônia
0 x 2
Itália

Polônia

Mlynarczyk; Dziuba, Kupcewicz, Janas, Zmuda; Matysik, Majewski, Smolarek (Kusto); Buncol, Ciolek (Palasz), Boniek.
Técnico: Antoni Piechniczek

Itália

Zoff; Collovati, Scirea, Bergomi, Cabrini; Oriali, Antognoni (Marini), Tardelli; Conti, Graziani (Altobelli), Paolo Rossi.
Técnico: Enzo Bearzot

  • Local: Estádio Camp Nou, em Barcelona
  • Árbitro: Daniel Cardellino (URU)
  • Auxiliares: Gilberto Aristizabal (COL) e David Socha (EUA)
  • Cartões Amarelos: Smolarek, Majewski e Zmuda (POL); Collovati (ITA)
  • Público: 50.000
  • Gols: Paolo Rossi (ITA) 22min do 1º tempo e 28min do 2º tempo
11/07/1982 Final
Itália
3 x 1
Alemanha

Itália

Zoff; Collovati, Gentile, Scirea, Cabrini; Bergomi, Oriali, Tardelli; Conti, Graziani (Altobeli)(Causio), Paolo Rossi.
Técnico: Enzo Bearzot

Alemanha Ocidental

Schumacher; Briegel, Kaltz, Karl Forster, Bernd Forster; Stielike, Dremmler (Hrubesch), Breitner; Littbarski, Fischer, Rummenigge (Hansi Müller).
Técnico: Jupp Derwall

  • Local: Estádio Santiago Bernabeu, em Madri
  • Árbitro: Arnaldo César Coelho (BRA)
  • Auxiliares: Abraham Klein (ISR) e Vojtech Christov (TCH)
  • Cartões Amarelos: Conti e Oriali (ITA); Dremmler, Stielike e Littbarski (ALE)
  • Público: 90.000
  • Gols: Paolo Rossi (ITA) 12min, Tardelli (ITA) 24min, Altobelli (ITA) 36min, Breitner (ALE) 38min do 2º tempo
 

SELEÇÕES

Goleiros

1. Dino Zoff
28.02.42
Juventus
12. Ivano Bordon
13.04.51
Internazionale
22. Giovanni Galli
29.04.58
Fiorentina
2. Franco Baresi
07.02.58
Internazionale
3. Giuseppe Bergomi
22.12.63
Internazionale
4. Antonio Cabrini
08.10.57
Juventus
5. Fulvio Collovati
09.05.57
Internazionale
6. Claudio Gentile
27.09.53
Juventus
8. Pietro Vierchowood
06.04.59
Fiorentina
7. Gaetano Scirea
25.05.53
Juventus

Meias

9. G. Antognoni
01.04.54
Fiorentina
10. Giuseppe Dossena
02.05.58
Bologna
11. Giampiero Marini
25.02.51
Internazionale
13. Gabriele Oriali
25.12.52
Internazionale
14. Marco Tardelli
24.09.54
Juventus
16. Bruno Conti
13.03.55
Roma

Atacantes

15. Franco Causio
01.02.49
Udinese
17. Daniele Massaro
23.05.61
Fiorentina
18. A. Altobelli
28.11.55
Internazionale
19. F. Graziani
16.12.52
Fiorentina
20. Paolo Rossi
23.09.56
Juventus
21. F. Selvaggi
15.05.53
Cagliari

Técnico

Enzo Bearzot