UOL Esporte Olimpíadas de Inverno
 
20/02/2010 - 12h45

Georgianos prestam homenagem a atleta morto nos Jogos de Inverno

Das agências internacionais
Em Bakuriani (Georgia)
  • David Kumaritashvili segura foto do filho morto durante o velório

    David Kumaritashvili segura foto do filho morto durante o velório

Milhares de georgianos prestaram as suas últimas homenagens, neste sábado, ao atleta Nodar Kumaritashvili, de 21 anos, num velório tradicional em frente à casa da família dele, em Bakuriani, na Geórgia. O atleta de luge (espécie de trenó em que o atleta desce a pista deitado) será enterrado no cemitério de uma pequena igreja localizada num retiro de esportes de inverno.

Kumaritashvili morreu ao bater violentamente contra um poste de aço enquanto treinava no Whistler Sliding Center, na semana passada, horas antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Vancouver. Ele atingiu uma velocidade de 145 km/h no momento da colisão.

O pai do jovem, David Kumaritashvili, de 46 anos, olhou para uma foto do filho e disse: “Eu queria fazer uma festa de casamento para você. Mas estou fazendo o seu funeral”. O corpo do competidor morto estava num caixão dentro da casa da família, cercado por velas e imagens cristãs. O presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, era esperado para o funeral.

Amigos e familiares do atleta dizem que, apesar de jovem, Kumaritashvili era um atleta experiente e vinha de uma dinastia de atletas especializados na modalidade. O pai e dois tios dele foram pioneiros do esporte na Geórgia, conquistando diversos títulos internacionais.
Kumaritashvili participou de dois mundiais e era um dos atletas mais promissores do país.

Uma investigação oficial descobriu que Kumaritashvili estava atrasado para sair da pista no momento do acidente e teria falhado ao aumentar a velocidade do seu trenó pouco antes do momento da colisão. Mas os familiares e amigos do atleta, ouvidos no funeral, discordam do resultado da investigação e culpam o modelo da pista pela causa da morte do georgiano.

Aliás, o design do Whistler Sliding Center vem sendo discutido há meses por atletas e especialistas. Muitos acreditam que a pista era muito difícil. E que apenas os atletas canadenses teriam tempo suficiente para se adaptar ao seu modelo a tempo da disputa dos Jogos Olímpicos de Inverno. Nesta sexta-feira, o competidor norte-americano Shauna Rohbock disse que a pista é "estupidamente rápida" e que pode se tornar perigosa para os atletas.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host