UOL Esporte Fórmula 1
 
09/02/2010 - 11h22

Para Massa, Alonso ainda precisa aprender a trabalhar na Ferrari

Bruno Império
Em São Paulo

A disputa interna da Ferrari entre Felipe Massa e Fernando Alonso foi o assunto dominante da edição desta terça-feira do Pit Stop, que recebeu o piloto brasileiro. Durante a entrevista exclusiva, Massa - que corre pela escuderia italiana desde 2006 - afirmou que o espanhol bicampeão do mundo ainda precisa aprender a trabalhar na nova equipe.

"Ele está chegando. Entendo o potencial de cada piloto, mas o Alonso está entrando agora na Ferrrari. É uma equipe nova e ele vai ter que seguir o modelo de trabalho que já temos", afirmou o ferrarista, lembrando dos problemas que Alonso teve com Lewis Hamilton quando tentou se impor como primeiro piloto da McLaren.

"O que aconteceu na McLaren, o fato de os desentendimentos terem chegado ao ponto em que chegaram, mostra que o problema era também da equipe e não apenas deste ou daquele piloto", completou.

Piloto da Ferrari desde 2006 e vice-campeão em 2008, Massa é sutil quando procura se impor, mas valoriza o tempo de casa para se sobrepor a Alonso. "Não sou um cara que vai bater na mesa e vai dizer 'vai ser do meu jeito'. Tenho vivência na Ferrari e sei como as coisas funcionam. Mas, dentro da pista, existe um grupo de pilotos que estão na briga pelo título mundial e eu estou nesse grupo", afirmou.

Massa falou ainda das expectativas para a temporada 2010. Recuperado do acidente que sofreu no ano passado e o tirou de boa parte das provas do campeonato de 2009, Felipe espera encarar uma disputa muito equilibrada neste Mundial.

“Acho que teremos uma briga muito interessante. Tem muitas equipes disputando, e isso é legal para quem está assistindo. O que aconteceu em 2008, com o campeonato sendo decidido na última curva, pode acontecer de novo. Por isso temos de trabalhar, porque tem muita gente boa”, disse Massa.

Na temporada em questão, o brasileiro disputava o título da Fórmula 1 com Lewis Hamilton. Na última prova, em Interlagos, o inglês, que era líder, foi mal e só não perdeu o título porque ultrapassou, na última curva, o alemão Timo Glock, então na Toyota, quando Massa já comemorava o título e a vitória.

O piloto ainda fez questão de desfazer o mal-entendido criado recentemente, quando disse não ter certeza se ficaria na escuderia italiana. Segundo Massa, a fala não revela insatisfação com a equipe ou qualquer desejo de mudança, mas uma precaução.

"É uma equipe com a qual eu gosto de trabalhar, até porque você não corre por correr. Ela é quase um time de futebol. Eu sempre disse que trabalhar na Ferrari é uma delícia, mas se tem pilotos de 41 anos correndo na Fórmula 1, não posso dizer que daqui a 13 anos vou estar no mesmo lugar ", disse o brasileiro.

A postura de Felipe Massa difere daquela adotada pelo seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, que fez juras de amor à nova casa logo após sua chegada. A divergência não é sinal de uma relação ruim entre os dois, mas o brasileiro sabe que o espanhol será um de seus principais rivais. Ele garante, no entanto, que está preparado, mesmo depois do grave acidente que sofreu no ano passado, nos treinos do GP da Hungria.

"O acidente foi sério, mas após dois meses eu já estava em casa e bem. Ai fui andar de kart e fiquei pensando em começar devagar, para me acostumar. Só que virei rápido logo de cara, sem sentir nenhum problema", disse Felipe Massa, que ainda contou sobre sua volta a um carro de Fórmula 1.

"A FIA me liberou para correr 100km, o que em Fiorano dá, no máximo, umas 50 voltas. E foi a mesma coisa. Depois, em Mugello, também virei rápido com o carro de 2007. Em Barcelona, com o de 2008, foi melhor do que imaginava. Então, é claro que o acidente pode mudar muita coisa, mas tem pilotos que voltam e são campeões depois", concluiu.

 

 

 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host