Topo

Fórmula 1

Rosberg faz primeira pole da carreira no GP da China; Massa larga em 12º

Mark Thompson/Getty Images
Rosberg e Schumi largam na 1ª fila; Hamilton foi o 2º, mas cumpre punição e sai em 7º Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

14/04/2012 04h02

O alemão Nico Rosberg comprovou o potencial do contestado duto da asa traseira da Mercedes e conquistou na China a sua primeira pole position da carreira, com o tempo de 1min35s121. É a primeira vez que a equipe consegue uma pole position desde 1955, com Juan Manuel Fangio em Monza.

GRID DO GP DA CHINA

1. Nico Rosberg (ALE/Mercedes)
2. M. Schumacher (ALE/Mercedes)
3. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber)
4. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus)
5. Jenson Button (ING/McLaren)
6. Mark Webber (AUS/Red Bull)
7. Lewis Hamilton (ING/McLaren)*
8. Sergio Perez (MEX/Sauber)
9. Fernando Alonso (ESP/Ferrari)
10. Romain Grosjean (FRA/Lotus)
12. Felipe Massa (BRA/Ferrari)
14. Bruno Senna (BRA/Williams)

Rosberg vai dividir a primeira fila com seu companheiro Michael Schumacher, que ficou em terceiro no treino, mas ganhou uma posição porque o segundo colocado Lewis Hamilton perdeu cinco posições no grid devido à troca de câmbio.

Os brasileiros tiveram que se contentar com posições do meio do grid. Felipe Massa vai largar em 12º lugar, ao lado do decepcionante Sebastian Vettel na sexta fila. Bruno Senna sairá na 14ª colocação.

Massa precisou utilizar pneu macio já na primeira parte do treino, quando se viu ameaçado a ficar fora do Q2. Assim, melhorou o rendimento e chegou a pular para primeiro lugar na primeira parte do treino, mas logo perdeu a liderança quando os outros carros também trocaram pneus.

Quem avançou em primeiro lugar foi Sergio Perez, seguido por Alonso e Grosjean e Maldonado, com Massa em quinto e Senna em sexto: todos com pneus macios. Os favoritos foram ao Q2 com um tempo mais modesto utilizando pneus médios.

O Q2 começou com domínio dos carros da Mercedes, e a Ferrari logo percebeu que as previsões pessimistas estavam certas e que passar para o Q3 não seria fácil. Alonso conseguiu por sorte: o espanhol assegurou a décima posição depois que Vettel falhou ao entrar na zona de classificação: o bicampeão vai largar em 11º lugar.

Massa não conseguiu. O brasileiro vai largar em 12º lugar, logo atrás de Vettel. Pelo menos, ele ficou dentro das expectativas do diretor técnico da Ferrari, Pat Fry, que havia previsto a classificação entre o sétimo e o 12º lugar como  uma perspectiva “realista”. Bruno Senna ficou com a 14ª colocação, atrás de seu companheiro Pastor Maldonado.

Na parte final do treino, Rosberg conseguiu a melhor marca do final de semana logo na primeira volta e não foi mais alcançado pelos rivais. O alemão quebrou a sequência de duas poles seguidas de Lewis Hamilton, que ficou com a segunda colocação, mas vai largar em sétimo. 

O resultado final do treino mostrou uma hierarquia diferente na Fórmula 1. A Red Bull, imbatível no ano passado, teve que se contentar com um sexto lugar de Mark Webber, além de Vettel na 11ª posição, sua pior desde o GP do Brasil de 2009. Enquanto isso, a Sauber colocou Kobayashi em terceiro. Kimi Raikkonen mostrou estar de volta à boa forma ao ficar em quarto lugar. Sem falar da própria Mercedes, que conquistou sua primeira dobradinha desde o retorno à categoria em 2010. 

Parte do sucesso da Mercedes se deve às inovações aerodinâmicas da equipe de Ross Brawn, como a entrada de ar no bico dianteiro, conhecida como "W-duct", e o duto que começa na asa traseira e leva ar até a asa dianteira para neutralizar a pressão aerodinâmica e ganhar velocidade nas retas. O recurso foi contestado pela Lotus, mas acabou sendo aprovado pela FIA.