Topo

Fórmula 1

O que você ainda não sabe sobre a morte de Senna, 20 anos depois

Livio Oricchio

Do UOL, em São Paulo

28/04/2014 16h48

20 anos. Não parece. Remexo as fichas na minha memória onde registrei as marcantes experiências vividas naquela época da F1 e logo compreendo que as classificadas na letra S, especificamente as do envelope Ayrton Senna, não me cobram grande empenho para localizá-las. Estão intensamente vivas, quase se apresentam a mim. 

As manipulo com a mente e sinto uma combinação de emoções: começa com um distante toque de tristeza, mas imediatamente superado por uma sensação de resignação, altivez e, por mais contraditória que pareça, até mesmo de conforto. Espíritos elevados como o de Senna confortam os que se lembram dele. E sua mensagem é tão palpável que absorvemos rapidamente sua energia positiva. Sim, claro, presentíssima!
 
Cerca de seis anos depois de Senna dar sequência a sua obra em outra esfera, aí pela temporada de 2000, redigi uma série de textos relatando o que vi naquele fim de semana no circuito Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, e, depois, nos dias seguintes, na porta do Instituto Médico Legal de Bolonha ou no tocante voo que trouxe o seu corpo para o Brasil.
 
Capítulo a capítulo
 
Tinha uma cópia desses textos comigo e a usei como base para escrever o que apresento a seguir. Você vai viajar comigo pelos vários capítulos da extensa obra, quase um minilivro. E, espero, se emocionar. 
 
Vamos ver juntos como o acidente que matou não um ídolo de milhões de brasileiros, mas um herói nacional, na curva Tamburello, às 14h17 do dia 1.º de maio, não foi um episódio isolado, mas o desfecho de uma história que, a rigor, começou um ano antes, quando Frank Williams, surpreendentemente, concordou com a mudança radical do regulamento da F1.
 
Sua equipe, àquela altura, impunha vantagem técnica à competição semelhante a da Mercedes na atual temporada e da Red Bull de 2010 até o ano passado. A proibição da maioria dos recursos eletrônicos adotada pela FIA em 1994 deixou os carros extremamente instáveis. Um ano antes, Senna definira o modelo FW15C-Renault da Williams, campeão do mundo com Alain Prost, como "carro do outro planeta". Sua McLaren-Honda era muito mais lenta. 
 
Senna era necessário
 
Mas Frank Williams sabia que precisava de um piloto como Senna para enfrentar outro grande talento que já distribuía cartões de visita poderosos: Michael Schumacher. No fim de 1993, contratou quem queria. Os dois realizavam seu sonho: Frank Williams e, principalmente, o brasileiro. 
 
O carro do outro planeta, do projetista Adrian Newey, o mesmo que enorme responsabilidade tem na recente hegemonia de Sebastian Vettel, seria finalmente seu. Senna iniciou, no começo de 1994, os testes com o modelo FW16-Renault da Williams. E não acreditou. Fora dos microfones, no autódromo do Estoril, em Portugal, afirmou: "Esse carro é ‘inguiável’". Adrian Newey errara na primeira versão do FW16.
 
Pisco Del Gaiso/ Folha Imagem
Senna, na Williams, em 1994 Imagem: Pisco Del Gaiso/ Folha Imagem
 
20 anos do GP de San Marino de 1994. Tão distante e tão próximo, ainda. Minha trajetória como jornalista especializado em F1 começou no GP do Brasil de 1987 e a partir de 1991 passei a ir a praticamente todas as corridas. No ano que vem, completarei meu 400º GP. Quando estou nos autódromos, tenho por vezes a impressão de que Senna vai sair a qualquer momento dos boxes ou motorhomes das equipes e, então, poderemos conversar no paddock. 
 
Para mim, e para tantos com quem converso, Senna ainda está aqui. Essa, talvez, seja a maior prova do significado do seu imenso carisma, seu talento, sua grandiosidade como homem. Não temos a sensação de que trabalha agora em outro plano. O mundo vai lembrar, na quinta-feira, dia 1º de maio, os 20 anos da sua passagem.
 
Senna é uma figura viva, atuante, deixou algo para todos nós. Discutimos em vários idiomas seu imenso legado, não só esportivo, mas, principalmente, filosófico. E provavelmente eterno. Essa história tem 12 capítulos. Você pode navegar por eles por aqui:
 

O que você ainda não sabe sobre a morte de Senna

  • Capítulo 1

    Chefe da Williams aprovou mudança de regra que prejudicou ano de Senna

  • Capítulo 2

    Na primeira vez que dirigiu carro que o matou, Senna o considerou inguiável

  • Capítulo 3

    Entenda por que a trapaça de Benetton colocou pressão em Senna

  • Capítulo 4

    Sem espaço para as mãos, Senna se machucava ao dirigir sua Williams

  • Capítulo 5

    Acidente de Rubinho desestabiliza ainda mais Senna

  • Capítulo 6

    Pressão sobre Senna teve até gravação comprometedora de Galisteu

  • Capítulo 7

    Dia 1º de maio de 1994: o pior dia na carreira de um jornalista

  • Capítulo 8

    Posição dos pés de Senna pós-acidente era prova de que acidente foi grave

  • Capítulo 9

    O acidente e a morte de Senna em detalhes que você nunca leu

  • Capítulo 10

    Ferimentos fizeram cabeça de Senna inchar e ficar irreconhecível

  • Capítulo final

    Caixão de Senna veio ao Brasil na classe executiva; passageiros não sabiam