Topo

Fórmula 1


Luca di Montezemolo deixa a presidência da Ferrari após 23 anos

Do UOL, em São Paulo

10/09/2014 06h43

O italiano Luca di Montezemolo anunciou nesta quarta-feira sua saída do comando da Ferrari. Presidente da marca por 23 anos e uma figura constante com a escuderia nos GPs de Fórmula 1, o dirigente encerrou os rumores e confirmou que será substituído por Sergio Marchionne, conselheiro do grupo Fiat Chrysler.

Di Montezemolo, de 67 anos, esteve com a Ferrari nos momentos mais vitoriosos do time, quando Michael Schumacher conquistou cinco títulos mundiais da Fórmula 1 e cravou seu nome como o maior campeão da história da categoria, com um total de sete campeonatos conquistados. Ele chegou a dar entrevistas recentes dizendo que queria ficar no comando do time por mais três ou quatro anos, mas os negócios falaram mais alto.

O anúncio foi feito pela Fiat Chrysler, grupo que controla a Ferrari. Em nota, é explicado que Luca di Montezemolo decidiu por si só deixar a liderança da Ferrari, e que sua saída oficial acontece no dia 13 de outubro, depois de uma celebração de 60 anos da marca.

"Meu agradecimento, em primeiro lugar, às mulheres e homens excepcionais da fábrica, das oficinas, das pistas de corrida e dos mercados do mundo todo. Eles foram os artífices do crescimento espetacular da companhia, de suas vitórias inquestionáveis e da transformação em uma das marcas mais fortes do mundo", afirmou o dirigente.

O anúncio acontece no mesmo momento em que a Fiat Chrysler terá momentos importantes no mercado de ações e também vem depois de críticas de Sergio Marchionne, o novo presidente, que não escondeu sua insatisfação com a equipe de F1, que tem sofrido para colocar os astros Fernando Alonso e Kimi Raikkonen entre os mais velozes.

“Luca e eu discutimos muito o futuro da Ferrari. E nosso desejo mútuo de tentar levar a Ferrari a atingir levou a desentendimentos, que se tornaram visíveis nas últimas semanas”, admitiu Marchionne.

A mudança ainda é recente, mas já se espera algumas mudanças na escuderia de F1 para reagir, principalmente tendo em vista uma virada no jogo para 2015, tentando fazer o time italiano voltar a disputar um título.