Topo

Fórmula 1


O dia em que Ayrton Senna bateu. E disse que o muro tinha mudado de lugar

Senna estreou na Fórmula 1 em 1984, pela Toleman - Divulgação/Cars International
Senna estreou na Fórmula 1 em 1984, pela Toleman Imagem: Divulgação/Cars International

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Montreal (CAN)

01/06/2015 06h00

Imagine um piloto novato, fazendo apenas sua nona etapa na Fórmula 1, chegando nos boxes de sua equipe depois de abandonar por quebrar a roda em um toque no muro e falando com todas as letras: “O muro deve ter se movido, por isso eu bati”. Mas não era um qualquer. Era Ayrton Senna. E ele estava certo.

A história do GP de Dallas, nos Estados Unidos, de 1984, ficou guardada na memória do engenheiro Pat Symonds, então na Toleman e hoje diretor técnico da Williams.

“Tìnhamos um carro muito bom naquele momento, usávamos os pneus Michelin e estávamos muito competitivos. Na corrida, ele fez uma boa largada, rodou e estava abrindo caminho no pelotão quando tocou no muro, danificou a roda, e teve de abandonar”, contou o inglês em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

“Quando voltou para os pits, perguntei para ele o que tinha acontecido e ele disse: ‘eu toquei no muro, o muro deve ter mexido’. E eu disse ‘não seja ridículo, Ayrton!’. Mas ele tinha muita certeza de que o muro tinha mexido e manteve a história.”

Depois que a corrida terminou, Senna continuava mantendo sua versão para o ocorrido, então ele e Symonds foram para a pista checar o local onde o brasileiro havia tocado o muro.

“Era um circuito de rua, então eles usaram blocos de concreto para delimitar a pista. O que vi quando cheguei no lugar onde ele tinha batido foi que um dos blocos estava em um ângulo diferente dos outros, por uns 3mm. Alguém devia ter tocado antes e o bloco se mexeu. E Ayrton estava pilotando de maneira tão precisa que acabou tocando.”

Até hoje, quase 31 anos depois, a história ficou marcada para Symonds. Para o engenheiro, aquela auto-confiança mostrada por Senna quando ele ainda dava seus primeiros passos na Fórmula 1, aos 24 anos, foi sua marca registrada ao longo da carreira.

“Lembro disso até hoje porque, além de estar pilotando de maneira tão precisa, ele tinha tanta confiança nele mesmo que ele manteve a história. Ele simplesmente não podia acreditar que poderia ter cometido um erro. Acho que isso resume como Ayrton era.”