Fórmula 1

Chefões batem cabeça e 'revolução' na F-1 prometida para 2017 fica ameaçada

AP Photo/Moises Castillo
Imagem: AP Photo/Moises Castillo

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

18/01/2016 06h00

Os planos de tornar os carros de Fórmula 1 5s por volta mais rápidos em 2017 estão ficando cada vez mais longe de se tornarem realidade depois que a fornecedora de pneus, a Pirelli, deixou claro que teria dificuldades em lidar com o aumento abrupto nas velocidades de contorno de curvas. As equipes também têm divergido em relação ao tipo de regulamento a ser adotado, pois existe a preocupação de que as alterações dificultem ainda mais as ultrapassagens.

A ideia original era tornar os carros mais rápidos, largos e com visual mais agressivo. Porém, os primeiros projetos foram calcados no aumento da pressão aerodinâmica, dificultando que um carro siga o outro de perto e, consequentemente, as ultrapassagens. As menores médias de manobras da história da categoria foram registradas, justamente, quando os carros estavam mais rápidos, em 2004 e 2005.

Além disso, a Pirelli informou as equipes que seus pneus, que aumentariam de tamanho segundo o regulamento de 2017, não dariam conta da pressão aerodinâmica esperada, a não ser que usassem pressões bem mais altas (cerca de 50%) que as atuais. Assim, os carros teriam menos aderência, o que afetaria a meta de torná-los mais rápidos.

Em meio a tantas indefinições, o diretor técnico da Williams, Pat Symonds, chegou a pedir que as mudanças sejam feitas apenas em 2018. "Acho que ainda temos muito trabalho pela frente. Sinto que estamos sendo apressados, pressionados. Pessoalmente, acredito que estamos indo um pouco rápido demais sem estabelecer os princípios básicos sobre os quais vamos trabalhar. Então ficaria muito mais feliz se as mudanças só acontecessem em 2018 e que ficássemos estudando o que mudar neste ano."

Outro campo de batalha são os motores: tanto a Federação Internacional de Automobilismo, quanto os detentores dos direitos comerciais da categoria, têm pressionado as montadoras para que diminuam os custos e criem fórmulas de garantir que os motores dos clientes estejam nos mesmos níveis dos times de fábrica, que têm dominado a F-1 desde a introdução do atual regulamento, em 2014, que fez com que os motores se tornassem o grande diferencial de performance.

O presidente da FIA, Jean Todt, e o promotor, Bernie Ecclestone, garantiram recentemente poderes políticos para alterar o regulamento sem o aval das equipes. Eles querem abrir a oportunidade da F-1 adotar motores alternativos, sob um regulamento próprio, para incentivar fabricantes que não estão relacionados às montadoras a retornar à categoria.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Blog do Carsughi
Redação
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
UOL Esporte
Redação
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Redação
AFP
Redação
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Carsughi
Topo