Fórmula 1

Em dois anos, a Fórmula 1 já revolucionou os motores híbridos. Saiba como

Divulgação
Imagem: Divulgação

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

17/02/2016 06h01

Eles foram adotados para colocar a Fórmula 1 na vanguarda da tecnologia de eficiência no uso de combustível e fontes renováveis - e já são os motores mais potentes que a categoria já teve. Pelo menos é o que defende a Mercedes, fabricante da melhor unidade de potência da atualidade.

A cavalagem que os híbridos turbo V6 atingem não é divulgada oficialmente, mas acredita-se que, pelo menos os Mercedes, passem dos 900cv. Ainda que esses não sejam os maiores números que a categoria já viu - os turbos dos anos 1980 passavam dos 1500cv - a eficiência é o que move o motor, adotado em 2014.

Menos beberrão: O grande dado fornecido pela Mercedes é de que, atualmente, 50% do que seria a potência de um motor que funcionasse apenas com a combustão pode ser convertido. Isso significa que, no terceiro ano da adoção da tecnologia, a evolução em termos de eficiência foi de 50%, enquanto, nos últimos 130 anos, a indústria havia melhorado esse fator em apenas 29%.

Mais eficiente: Engana-se quem pensa que os grandes ganhos estão no uso de energias renováveis. O destaque da Mercedes é a combustão: como as regras da F-1 limitam o fluxo de combutível a 100 kg/hora, os esforços foram centrados no uso eficiente do combustível e, nos últimos três anos, isso melhorou em 37%. Dentro da indústria automotiva, os alemães calculam que os ganhos anuais girem em torno de 1,5%.

Dentro da parte híbrida ligada ao turbo, a grande diferença dos carros de F1 para os híbridos atualmente no mercado é a utilização da energia calorífica que, segundo o diretor de motores da Mercedes, Andy Cowell, logo estará nos carros de rua da marca.

Mais inteligente: Outra contribuição da nova tecnologia que deve ajudar as montadoras é no aperfeiçoamento dos softwares que controlam os sistemas híbridos, ajudando, inclusive, a diminuir o peso e a eficiência das baterias: quando elas estrearam na F-1, em 2009, pesavam mais de 25kg para gerar a metade da potência de hoje por 7s. Hoje, são utilizadas por 30s.

Nada disso, claro, é fácil de atingir. Cada um dos motores que a Mercedes usa na F1 demora 100 horas de trabalho para ser finalizado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo