Fórmula 1

Mesmo em crise, F-1 vive maior 'invasão americana' dos últimos 30 anos

Peter Fox/Getty Images
Imagem: Peter Fox/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

17/03/2016 12h00

O cenário era impensável há cinco anos: um GP garantido no calendário com direito a show de Taylor Swift, uma equipe no grid, dois pilotos e números de audiência subindo. Mesmo com a Fórmula 1 atravessando um período delicado, com uma chuva de críticas e queda no interesse ao redor do mundo, seu mercado historicamente mais difícil aponta em outra direção.

Há cerca de 30 anos os Estados Unidos não tinham uma presença tão marcante na categoria. A principal novidade para a temporada de 2016 é a chegada da equipe Haas. De propriedade de Gene Haas, também dono de time na NASCAR, a equipe aposta em uma relação bastante próxima com a Ferrari e demonstrou um bom desempenho nos testes de pré-temporada, prometendo uma briga com Sauber e Manor durante o ano.

Apesar de ter optado pelos mais experientes Romain Grosjean e Esteban Gutierrez como titulares, a equipe anunciou um piloto norte-americano Santino Ferrucci, de apenas 17 anos, como reserva. Ferrucci atualmente está na GP3.

Quem também foi confirmado recentemente foi Alexander Rossi. O norte-americano, que chegou a disputar algumas provas no final do ano passado como titular, será reserva da Manor, ao mesmo tempo em que competirá pela Indy.

Paralelamente à maior presença do país na categoria, o interesse também tem crescido: nos dois últimos anos, em que passou a ser transmitida pela NBC, a F-1 teve um aumento de 100% nos números de audiência. Assim, a última temporada foi a mais vista no país nos últimos 20 anos, com média de 535,000 espectadores por cada uma das 13 provas mostradas ao vivo na NBC or NBCSN.

A empolgação é tanta que o Circuito das Américas publicou recentemente em sua animada conta no twitter que eram tantas as notícias relacionadas aos EUA, que o cenário da F-1 parecia dominado pelo país, com um série de imagens mostrando a bandeira do país sendo cravada nos mais diversos pontos.

Mesmo com os números positivos, o embalo norte-americano por pouco não sofreu um revés recentemente, com a diminuição dos incentivos fiscais do governo do Texas para a realização da prova em Austin. A corrida, que é realizada desde de 2012 e sofreu fortes impactos com as chuvas que chegaram a fechar as arquibancadas para o público no sábado em 2015, chegou a ser dúvida no calendário deste ano, mas está garantida, e com novidades: com a promessa de reembolso em caso de chuva e um show de Taylor Swift, os organizadores acreditam que os problemas não se repetirão em 2016.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Topo