Fórmula 1

Um ano após "não ver luz no fim do túnel", Red Bull fala em voltar à ponta

Jason Reed/Reuters
Imagem: Jason Reed/Reuters

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

26/03/2016 06h00

Em março de 2015, a Red Bull vivia uma crise aberta com sua fornecedora de motores, a Renault, após perceber que os mesmos problemas que tinham limitado os resultados do time no ano anterior se repetiriam na temporada que estava começando. Pouco confiável e bem menos potente que Mercedes e Ferrari, a unidade de potência dos franceses era bastante criticada pelos dirigentes da equipe.

Doze meses depois, o cenário mudou da água para o vinho. O chefe do time, Christian Horner, é só elogios ao desenvolvimento da parceira, e acredita que o time pode lutar com a Ferrari para ser a terceira grande força do grid ao longo da temporada.

“Acho que a unidade de potência definitivamente progrediu na pré-temporada”, disse Horner após Daniel Ricciardo conquistar o quarto lugar, atrás apenas de Mercedes e Ferrari, no GP de abertura da temporada na Austrália. “Ainda há um longo caminho adiante mas é ótimo que, particularmente em condições de corrida, vimos um progresso em termos de performance. Estamos indo na direção certa.”

O motor é tido como elo fraco da Red Bull desde a introdução dos V6 turbo, em 2014. Afinal, o time vinha de um tetracampeonato consecutivo antes de cair abruptamente de rendimento. Em 2014, ainda conseguiu salvar um vice-campeonato, mesmo que bastante longe de ameaçar o domínio das Mercedes. No ano seguinte, caiu para o quarto lugar e, na ânsia de tentar um acordo com outra fornecedora de motores, chegou a ameaçar deixar a categoria.

Apesar do projetista Adrian Newey ter chegado a dizer em 2015 que não via “uma luz no fim do túnel”, o entusiasmo voltou a marcar o discurso dos tetracampeões. “Acho que somos certamente o terceiro melhor carro. Particularmente na corrida. E isso é muito encorajador. Não é onde queremos estar, mas é encorajador em termos de evolução. Temos um ótimo produto para servir de base.”

A briga com a Renault ano passado fez com que a Red Bull passasse a usar motores com o nome de uma de suas patrocinadoras, a Tag-Heuer. Porém, a unidade de potência segue sendo a mesma utilizada pela equipe de fábrica dos franceses.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Topo