Fórmula 1

Manter filho no kart custa mais do que mensalidade em faculdade de Medicina

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

02/05/2016 06h00

O kart é a maneira mais barata de correr com o corpo a poucos centímetros do asfalto em velocidades acima de 100km/h. Mas não é acessível a qualquer bolso: são necessários R$ 7 mil por mês para competir alugando uma vaga em uma equipe. E estamos falando de um carro para uma criança de 8 anos. Quando nos referimos à categoria graduados, a mais competitiva e que conta com um grid de adolescentes, o preço chega a R$ 20 mil. Por corrida.

Mas devemos ressaltar que estes valores são para equipamentos de competição. Pessoas que desejam apenas lazer e experimentar adrenalina de acelerar nas retas e derrapar nas curvas durante os finais de semana podem encontrar opções mais baratas. Mas para chegar em primeiro é outra história.

É que velocidade exige peças de alta performance, o que leva a baixa durabilidade. E no automobilismo, não adianta: para andar na frente é preciso equipamento de ponta. Ter braço pode até amenizar, mas não elimina a diferença de desempenho do carro. O espanhol Fernando Alonso que o diga.

Por isso que além de pilotagem, a categoria de base do automobilismo ensina que o esporte é caro. Se quiser ter um monoposto próprio, o conjunto chassi e motor de um kart sai por R$ 20 mil. Juntando os equipamentos obrigatórios de proteção usado em provas oficiais, macacão, luva, sapatilha e capacete, há mais um custo em torno de R$ 7 mil. Ou seja, R$ 27 mil gastos para começar, e ainda existe o risco de tudo isso ficar encostado se a criança não tomar gosto por acelerar.

A solução encontrada por muitos pais é alugar uma vaga em uma equipe. Porém, mesmo assim os valores são bem salgados. Eduardo Pascual Berzal, o Dudu Tchê, presta este serviço em São Paulo. Ele conta que para um final de semana de competição o custo pode sair em torno de R$5 mil reais com kart, taxa de pista treinos, manutenção de motor, manutenção de chassis, gasolina, pneu e mecânicos. Caso a criança corra no Campeonato Paulista, o mais forte do Brasil, os pais precisam desembolsar mais R$ 2 mil por prova com inscrição, aluguel de motor e pneus. A competição tem 10 etapas.

Ou seja, treinar todos os meses do ano e disputar o campeonato consome R$ 80 mil por ano. Acrescentando macacão, capacete, sapatilhas, luvas e viagens, são cerca de R$ 100 mil. E ressaltando que trata-se da categoria para crianças de 8 a 10 anos. O valor é maior do que os R$ 60,6 mil por 12 mensalidades de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa São Paulo, primeira colocada neste curso entre as instituições privadas, conforme o Ranking Universitário Folha. Também é superior aos R$ 15 mil necessários para bancar um mês de intercâmbio no Canadá a um adolescente de 16 anos.

E conforme o piloto cresce, a conta do kart aumenta, consequência do equilíbrio das disputas. Mineiro de Uberlândia, Carlos Amorim, 47 anos, diz que numa prova de sua categoria, a super sênior, a diferença na classificação entre o segundo colocado e o nono foi menos de um décimo.

Quando o piloto escuta que um eixo novo ou carburador maior melhora o desempenho o investimento se torna crucial. Todos os outros no grid terão o equipamento e deixar a inovação de lado significa ocupar as últimas posições da corrida.

Mas ter um carro de ponta não basta, precisa de muito treino para brigar por vitórias. Carlos conta que o ângulo de fixação do banco muda em alguns centímetros o centro de gravidade do kart. Parece preciosismo, mas é a diferença entre disputar o pódio ou ser retardatário.

Só que descobrir o local ideal do banco exige muitos testes. É por motivos como este que o mineiro treina duas ou três vezes por mês no kartódromo de Interlagos. Esta brincadeira consome R$ 2 mil por mês.

Na conta não estão incluídos os gastos com hotel e passagem aérea porque Carlos é médico e as viagens coincidem com compromissos na USP (Universidade de São Paulo). Também não constam um chassi mantido em São Paulo e outro em Uberlândia e três motores. Somando os preços destes equipamentos, chegamos a R$ 47 mil. E tudo é atualizado anualmente.

Sete vezes campeão brasileiro de kart, André Nicastro não aprova os custos da categoria. A declaração não tem relação com o próprio bolso, porque ele corre por uma fábrica, mas reclama que o número de pilotos no grid vem diminuindo. Acrescenta que os valores inviabilizam a entrada de pessoas com baixa renda e limitam o descobrimento de talentos.

Custos das categoria acima do kart se fazem em milhões

Dudu Tchê declarou que uma temporada na categoria graduados consome R$ 200 mil por ano. Ele ressalta que patrocínio é raro e, quando ocorre, está ligado aos negócios do pai do piloto. Como um empresário possuir uma frota de carretas e pedir R$ 10 mil para o dono do posto em que abastece. Mas os custos são muito maiores do que a verba que entra.

Para se ter uma ideia de valores, semana passada Dudu esteve em Florianópolis para treinar um piloto da graduados. O pai do garoto gastou R$ 4,7 mil por três dias de testes. E o kart é somente a categoria de base do automobilismo, o que vem adiante faz com que o garoto entre na fase em que precisa ser piloto e empresário.

A Confederação Brasileira de Automobilismo também não está contente com os valores, mas justifica que esporte a motor depende do carro. O presidente da Comissão Nacional de Kart, Rubens Gatti, afirma que a entidade fez o possível para diminuir os custos limitando a quantidade de equipamentos usados nas provas. Mas ele pondera que o custo alto faz parte da modalidade.

E se no kart a conta é salgada, dar o passo seguinte significa entrar na Fórmula 3 e abrir ainda mais a carteira. O custo da categoria em que garotos a partir dos 15 anos competem chega ao milhão. José Roberto Junior, engenheiro da Cesario F3, diz que uma vaga na categoria light sai por R$ 600 mil pelas oito etapas e 10 treinos anuais. Correr na categoria A custa R$ 1 milhão. Sair do Brasil é mais salgado ainda, coisa de 800 mil euros (R$ 3,1 milhões) por ano. Haja dinheiro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi

Blog do Carsughi

A ridícula ciranda dos técnicos

Cerca de duas semanas atrás, o técnico Zé Ricardo foi demitido pelo Flamengo. Outro dia foi a vez de Milton Mendes ser afastado do Vasco. E o curioso é que agora o Vasco tem, em Zé Ricardo, que não mais servia para o Flamengo, a grande solução para ser o novo técnico cruzmaltino. Numa análise mais ampla foram nada menos que 16 os técnicos demitidos nas primeiras 21 rodadas deste campeonato brasileiro. O que, por sinal, lembra o que aconteceu nos últimos dois anos. E, se formos ver o que aconteceu desde o início do ano, constataremos que apenas 6 clubes mantiveram até hoje o técnico com que começaram a temporada. A título de curiosidade, são eles Fábio Carille (Corinthians), Mano Menezes (Cruzeiro), Jair Ventura (Botafogo), Renato Gaucho (Gremio), Abel Braga (Fluminense) e Claudinei Oliveira (Avaí). Esta ridícula ciranda tem, em minha opinião, uma explicação clara : a incompetência dos dirigentes. Pois são eles que escolhem o técnico e, ao faze-lo, devem (ao menos se supõe) analisar sua forma de trabalho, ver o que fizeram no passado e julgar se ele vai se adaptar ao que o clube pretende. Assim, por exemplo, contratar um técnico reconhecidamente retranqueiro para fazer o time jogar bonito e ofensivamente, constitui um absurdo total. Feita a escolha, o cartola deveria assumir a decisão e não encontrar na despedida do técnico o comodo álibi para seu erro. Erro que, para dirigentes merecedores deste rótulo, deveria ser, no mínimo, acompanhado por um pedido de demissão irrevogável de seu cargo. Infelizmente é muito mais fácil jogar a culpa num subordinado do que admitir o erro e pagar por ele. Como direta conseqüência, os técnicos acabam recebendo salários incompatíveis com a situação financeira de nosso futebol, já que se trata de uma função de alto risco. E, não raro, são promotores de contratações que podem não serem úteis no futuro, quando um novo técnico quiser implantar uma diferente filosofia de jogo. Em resumo, o grande prejudicado acaba sendo sempre o clube, onerado por dívidas que cartola algum cria nas empresas que porventura lhe pertençam. Mas aí estaríamos entrando noutro assunto, o da responsabilidade fiscal dos dirigentes, que fica para outra cronica…

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo