Fórmula 1

McLaren tem carro para superar a Williams. Mas motor beberrão atrapalha

Bai Xue/XinHua
Imagem: Bai Xue/XinHua

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

07/05/2016 06h00

O sexto lugar de Fernando Alonso talvez tenha sido a maior zebra do GP da Rússia. Afinal, em um circuito em que os pilotos passam mais de 70% do tempo de volta em aceleração, era de se esperar que a McLaren-Honda sofresse com a falta de potência. Porém, mesmo ajudado pelo abandono de Sebastian Vettel logo na primeira volta, a quebra de Max Verstappen, e a corrida ruim das duas Red Bull, o espanhol manteve um ritmo suficiente para superar times como Force India e Haas, que têm motores melhores.

Mas o resultado se tornou ainda mais impressionante após o chefe da McLaren, Eric Boullier, revelar que Alonso perdeu cerca de 50s apenas economizando combustível. O circuito da Rússia é um dos mais complicados da temporada nesse sentido e os motores menos potentes - Honda e Renault - gastam mais para manter um nível de performance mais próximo dos Mercedes e Ferrari, cujo aproveitamento da energia híbrida é melhor.

Levando em consideração que Alonso terminou a cerca de 26s de Felipe Massa, que fez um pit stop a mais e foi quinto, e a 47s de Valtteri Bottas, quarta, fica clara a desvantagem que os pilotos da McLaren têm de enfrentar.

“Vemos que somos a equipe que tem de fazer mais economia de combustível, por motivos óbvios”, disse Boullier em entrevista após o GP da Rússia. “Fernando terminou a corrida com um dos tempos mais velozes (a melhor marca do espanhol foi um décimo mais rápida que a de Bottas). Sem a economia de combustível, teríamos ganhado mais 50s. Sem isso, estamos no mesmo nível da Williams, então é nisso que temos de nos focar agora”.

Outro ponto que vem sendo cobrado da Honda é a melhora no mapeamento de motor para classificação, que não é tão potente quanto os demais. “Precisamos de mais potência na classificação para conseguir largar mais à frente, o que evita problemas nas primeiras curvas”, disse Alonso no domingo em Sochi. “Estamos mais competitivos a cada corrida, então a expectativa é estar nos pontos em Barcelona e também em Mônaco”, disse o espanhol, referindo-se às duas próximas etapas. “Tomara que possamos começar a chegar no top 5. Temos peças novas, mas os outros também têm. Então vamos ver se começamos a usar as fichas de desenvolvimento [do motor] para ter mais potência.”

A nova especificação do motor Honda, contudo, só deve chegar na corrida do Canadá, no início de junho. Para o GP da Espanha, que será realizado dia 15 de maio, a expectativa é de que a equipe traga um extenso pacote aerodinâmico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
AFP
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Redação
Topo