Topo

Fórmula 1

Hamilton nega que precise estudar e Button diz não conhecer 100% do volante

Dan Istitene/Getty Images
Imagem: Dan Istitene/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Spielberg (AUT)

01/07/2016 07h17

Lewis Hamilton garantiu que todo o drama que viveu durante o GP da Europa, quando demorou 15 voltas para conseguir resolver um problema de configuração de seu motor, não vai fazê-lo mudar sua abordagem. Perguntado se tinha estudado melhor o ‘manual de instruções’ de sua Mercedes, o inglês negou que o fato de não saber alterar os controles no volante seja uma falha sua.

“Não teve nada a ver comigo e não tenho que estudar mais”, garantiu o tricampeão. “A decisão foi tomada antes da corrida, a equipe optou por um programa e isso não funcionou, então nem sei o que dizer. Eles estão trabalhando duro para que isso não aconteça de novo”, disse.

“O jeito mais fácil de prevenir que algo assim aconteça é que os carros larguem com a configuração correta”, concordou Jenson Button, que reconheceu também não conhecer todas as centenas de funções de seu volante.

“Eu tenho uns 300 botões no volante e sei o que a maioria deles controla, mas tem algumas coisas que eu não sei porque são configurações que eu, pessoalmente, não mudo. São unidades de potência complicadas, então às vezes precisamos de alguma ajuda. Acho que as informações em relação à pilotagem devem ser banidas - e foram. Mas poderíamos receber informações sobre os modos de motor”, ponderou.  

Em geral, os pilotos não se solidarizaram com Hamilton. Até mesmo Kimi Raikkonen, que também teve problemas ao perguntar sobre uma luz de alerta que aparecera em seu volante e não poder ter a resposta do time, evitou criticar as regras. “Não foi uma grande questão. Eu meio que sabia o que era e tentei ter alguma confirmação, mas não mudou nada. Não era algo que precisávamos saber 100%.”

Para Daniil Kvyat e Felipe Nasr, cabe aos pilotos antecipar os possíveis cenários. “Você tem de se preparar, tento prever o que pode acontecer. Claro que é impossível saber tudo, mas não tem sido um problema para mim”, disse o russo. “Você tenta saber tudo o que pode ter de fazer na corrida”, concordou o brasileiro.

Felipe Massa, inclusive, defendeu que as restrições à comunicação podem ser benéficas no sentido de forçar as equipes a descomplicar os controles. “Antes, tínhamos alguém falando no rádio o tempo todo. Acho que todas as restrições ajudam porque tentamos tornar as coisas menos complicadas. Então talvez é o que as equipes têm de fazer para que as coisas se tornem mais fáceis para os pilotos.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!