Fórmula 1

Mercedes se tocam na última volta e Hamilton vence na Áustria

F-1/Oficial
Mercedes de Lewis Hamilton e Nico Rosberg se tocam na última volta. Inglês levou a melhor Imagem: F-1/Oficial

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Spielberg (AUT)

03/07/2016 10h32

Lewis Hamilton venceu na Áustria com uma última volta fantástica. O inglês, que largou na pole, mas perdeu terreno após a rodada de pit stops, ultrapassou Nico Rosberg a poucos metros do fim, após um toque entre os dois. O alemão levou a pior, terminou a corrida se arrastando e terminou na quarta colocação. Com o resultado a vantagem de Rosberg no campeonato caiu de 24 para 11 pontos.

Tão logo cruzou a linha de chegada, Hamilton se defendeu pelo toque. "Estava do lado de fora e não fui eu quem bateu", disse via rádio. De acordo com os comissários, Rosberg foi culpado pela batida por "não ter dado espaço" para Hamilton. O alemão foi punido com o acréscimo de 10s em seu tempo final, o que não alterou o resultado da corrida

Max Verstappen, da Red Bull, foi o segundo colocado, e Kimi Raikkonen, da Ferrari, foi o terceiro. Verstappen chegou a liderar a prova, assim como Sebastian Vettel, que teve um pneu furado e bateu.

Confira a classificação completa da temporada da Fórmula 1

Entre os brasileiros, Felipe Massa teve um dia ruim, largando do pit lane depois de ter tido de trocar sua asa dianteira e abandonando com poucas voltas para o fim. Felipe Nasr fez uma boa prova, andando por boa parte do tempo dentro da zona de pontuação, e chegou em 13º.

F-1/oficial
Hamilton deixa a pista após toque com Rosberg. Carro do alemão sofreu danos e perdeu posições a metros do fim Imagem: F-1/oficial

Na largada, Hamilton pulou bem e manteve a ponta, assim como Button, que se aproveitou de uma largada ruim de Nico Hulkenberg para tomar o segundo posto, à frente de Kimi Raikkonen, com o alemão da Force India em quarto após uma boa manobra em cima de Daniel Ricciardo na segunda curva.

O australiano não teve um bom início de prova, perdendo posições para Nico Rosberg e Max Verstappen nas três primeiras voltas. Com os pneus ultramacios se degradando rapidamente, Hulkenberg se tornou uma presa fácil e foi perdendo posições para Vettel e as Red Bull, que estavam com os supermacios.

O pelotão da frente passou as primeiras voltas bastante próximo, pois Button segurava Raikkonen até que o finlandês fez a ultrapassagem na sétima volta. A McLaren também estava sofrendo com o desgaste dos pneus ultramacios e mesmo Hamilton não conseguia abrir muito na ponta.

Na volta 11, Rosberg, que já tinha escalado até o terceiro lugar, depois de ter largado em sexto devido a uma punição pela troca do câmbio, trocou os ultramacios para os macios. O alemão voltou logo atrás de uma briga particular dos brasileiros Massa - que teve de largar dos boxes por um problema em sua asa - e Nasr pelo décimo lugar.

Na ponta, Hamilton surpreendia ao manter um bom ritmo com os ultramacios, enquanto até as Red Bull se viam obrigadas a trocar seus pneus. O inglês entrou apenas na 22ª volta para colocar os pneus macios, em um pit stop lento da Mercedes. Com isso, voltou em quarto, atrás de Rosberg.

REUTERS
Lewis Hamilton celebra vitória heróica na Áustria Imagem: REUTERS

A parada do líder fez a Ferrari reagir com Raikkonen colocando os macios na 23ª volta. Vettel, contudo, seguiu na pista. A estratégia acabou não sendo a melhor: o alemão teve um estouro em seu supermacio depois de 27 voltas e abandonou, trazendo o Safety Car para a pista.

Após 30 voltas, Rosberg tomou a liderança, com Hamilton em segundo, Verstappen em terceiro e Ricciardo em quarto. Raikkonen, Bottas, Nasr - único que ainda não havia feito seu pit stop - Button, Grosjean e Magnussen completavam o top 10. E Massa ocupava a 11ª colocação.
Nasr ainda protagonizou uma boa briga com Button dentro do top 10 antes de fazer seu único pit stop e cair para a última posição. Com isso, foi Massa que ganhou terreno, subindo para nono.

Na volta 54, a Mercedes surpreendeu ao chamar Hamilton primeiro aos boxes, mesmo que seus pneus fossem mais novos. Porém, a parada do inglês foi mais lenta e não foi possível para que ele voltasse na frente. Além disso, Rosberg colocou os supermacios, mais aderentes que os macios, que foram a opção do companheiro de Mercedes. A diferença foi questionada pelo inglês, que ouviu de seu engenheiro que sua opção era a melhor.

Rosberg ainda teve de ultrapassar Verstappen para voltar à liderança, com Hamilton na sua cola. O inglês, por sua vez, custou mais para superar o holandês e perdeu tempo em relação ao líder.

Na volta 65, Massa abandonou com problemas em sua Williams, assim como Alonso e Hulkenberg. Curiosamente, os três pararam na mesma volta. Enquanto isso, na ponta, Hamilton pressionava fortemente Rosberg na briga pela liderança.

O inglês arriscou tudo na última volta e acabou tocando com o alemão, que ainda assim chegou em quarto, seguido por Daniel Ricciardo, Jenson Button, Romain Grosjean, Carlos Sainz, Valtteri Bottas e a grande surpresa, Pascal Wehrlein, que conquistou seu primeiro ponto na Fórmula 1, pela Manor, que só havia conquistado um top 10 em sua história.

A vitória vem em um bom momento para Hamilton: a décima etapa do campeonato é o GP da Inglaterra, já no próximo final de semana.

Confira classificação final:

1. Lewis Hamilton ING Mercedes-Mercedes 71 voltas 
2. Max Verstappen HOL Red Bull-Renault +5.7s 
3. Kimi Raikkonen FIN Ferrari-Ferrari +6.0s 
4. Nico Rosberg ALE Mercedes-Mercedes +16.7s 
5. Daniel Ricciardo AUS Red Bull-Renault +30.9s 
6. Jenson Button ING McLaren-Honda +37.7s 
7. Romain Grosjean FRA Haas-Ferrari +44.6s 
8. Carlos Sainz Jr ESP Toro Rosso-Ferrari +47.4s 
9. Valtteri Bottas FIN Williams-Mercedes +1 
volta 
10. Pascal Wehrlein ALE Manor-Mercedes +1 
volta 

11. Esteban Gutierrez MEX Haas-Ferrari +1 
volta 
12. Jolyon Palmer ING Renault-Renault +1 
volta 
13. Felipe Nasr BRA Sauber-Ferrari +1 
volta 
14. Kevin Magnussen DIN Renault-Renault +1 
volta 
15. Marcus Ericsson SUE Sauber-Ferrari +1 
volta 
16. Rio Haryanto INA Manor-Mercedes +1 
volta 
17. Sergio Perez MEX Force India-Mercedes +2 voltas 


Abandonaram
19. Fernando Alonso ESP McLaren-Honda
20. Nico Hulkenberg ALE Force India-Mercedes
20. Felipe Massa BRA Williams-Mercedes
21. Sebastian Vettel ALE Ferrari-Ferrari
22. Daniil Kvyat RUS Toro Rosso-Ferrari

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi

Blog do Carsughi

A ridícula ciranda dos técnicos

Cerca de duas semanas atrás, o técnico Zé Ricardo foi demitido pelo Flamengo. Outro dia foi a vez de Milton Mendes ser afastado do Vasco. E o curioso é que agora o Vasco tem, em Zé Ricardo, que não mais servia para o Flamengo, a grande solução para ser o novo técnico cruzmaltino. Numa análise mais ampla foram nada menos que 16 os técnicos demitidos nas primeiras 21 rodadas deste campeonato brasileiro. O que, por sinal, lembra o que aconteceu nos últimos dois anos. E, se formos ver o que aconteceu desde o início do ano, constataremos que apenas 6 clubes mantiveram até hoje o técnico com que começaram a temporada. A título de curiosidade, são eles Fábio Carille (Corinthians), Mano Menezes (Cruzeiro), Jair Ventura (Botafogo), Renato Gaucho (Gremio), Abel Braga (Fluminense) e Claudinei Oliveira (Avaí). Esta ridícula ciranda tem, em minha opinião, uma explicação clara : a incompetência dos dirigentes. Pois são eles que escolhem o técnico e, ao faze-lo, devem (ao menos se supõe) analisar sua forma de trabalho, ver o que fizeram no passado e julgar se ele vai se adaptar ao que o clube pretende. Assim, por exemplo, contratar um técnico reconhecidamente retranqueiro para fazer o time jogar bonito e ofensivamente, constitui um absurdo total. Feita a escolha, o cartola deveria assumir a decisão e não encontrar na despedida do técnico o comodo álibi para seu erro. Erro que, para dirigentes merecedores deste rótulo, deveria ser, no mínimo, acompanhado por um pedido de demissão irrevogável de seu cargo. Infelizmente é muito mais fácil jogar a culpa num subordinado do que admitir o erro e pagar por ele. Como direta conseqüência, os técnicos acabam recebendo salários incompatíveis com a situação financeira de nosso futebol, já que se trata de uma função de alto risco. E, não raro, são promotores de contratações que podem não serem úteis no futuro, quando um novo técnico quiser implantar uma diferente filosofia de jogo. Em resumo, o grande prejudicado acaba sendo sempre o clube, onerado por dívidas que cartola algum cria nas empresas que porventura lhe pertençam. Mas aí estaríamos entrando noutro assunto, o da responsabilidade fiscal dos dirigentes, que fica para outra cronica…

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo