Topo

Fórmula 1

Com futuro incerto, Massa se vê em cenário parecido a último ano de Ferrari

Dan Istitene/Getty Images
Imagem: Dan Istitene/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Hockeheim (ALE)

28/07/2016 11h01

Sem contrato para a próxima temporada e vendo as equipes grandes definindo suas duplas de pilotos para 2017, Felipe Massa continua deixando claro que não pretende continuar na Fórmula 1 caso não tenha um cockpit competitivo.

Com a confirmação de Nico Rosberg na Mercedes e Kimi Raikkonen na Ferrari nas últimas semanas, estão diminuindo as vagas disponíveis no mercado. Jenson Button deve estar de saída da McLaren, mas seria substituído pelo piloto reserva Stoffel Vandoorne e a chefia da Force India confirmou que ambos os pilotos estão sob contrato, ainda que exista incertezas a respeito dos patrocinadores de Sergio Perez. Restariam como opções para Massa a própria Williams e a Renault, que são atualmente as vagas mais concorridas do grid.

A situação do piloto é semelhante à de 2013, quando foi demitido da Ferrari e tinha sua continuidade na Fórmula 1 questionada até a assinatura com a Williams, que parecia pouco provável até poucas semanas antes do anúncio oficial, que ocorreu apenas em novembro daquele ano.

Porém, falando ao UOL Esporte, o próprio piloto lembra que três anos se passaram desde aquele momento. Hoje, Massa é um dos pilotos mais experientes do grid, com 35 anos.

“É parecido. Lógico que são três anos depois, são várias corridas a mais. Em 2013, estávamos atras de continuar em uma boa condição e é o mesmo que estou procurando.”

Quando fechou com a Williams, Massa assinou um contrato de dois anos com a possibilidade de extensão por mais uma temporada, o que acabou sendo confirmado em setembro do ano passado. Porém, há 12 meses, o brasileiro se mostrava mais confiante de que permaneceria na Fórmula 1, apesar de garantir que não sente a diferença de ir para as férias de agosto, tradicionais na categoria devido à chegada do verão europeu, com o futuro indefinido.

“Não muda muito. Tenho ideias sobre meu futuro, sei o que eu quero e, se não acontecer o que eu quero, será outra coisa. Não estou aqui para participar, mas sim trabalhar e me sentir feliz com meu trabalho, me sentir importante. Estar no grid só por estar não me interessa. Se não tiver um carro competitivo, chegou a hora de pensar em outra coisa.”

Por fim, Massa preferiu não comentar se existe qualquer negociação com a Williams. As especulações no paddock apontam que a maior possibilidade é que o piloto deixe o time após três temporadas.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!