Topo

Fórmula 1

Altas temperaturas em Spa prometem movimentar GP. E atrapalhar as Mercedes

Dan Istitene/Getty Images
Red Bull tem ritmo melhor, de acordo com Nico Rosberg Imagem: Dan Istitene/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Spa-Francorchamps (BEL)

27/08/2016 13h19

A combinação entre altas temperaturas e uma pressão mínima estabelecida pela Pirelli bem maior do que as equipes utilizariam normalmente no circuito de Spa-Francorchamps promete abrir as alternativas do GP da Bélgica - e dificultar tanto a vida do pole position Nico Rosberg, quanto de Lewis Hamilton, que larga da última fila após uma troca de motor.

A fornecedora de pneus aponta como melhor a estratégia de duas paradas, largando com pneus macios e aguentando na pista até a volta 15 e fechando com os pneus médios. Porém, pilotos como Max Verstappen, que larga em segundo, se comprometeram a largar com os supermacios e terão de fazer sua primeira parada bastante cedo, abrindo a possibilidade de fazer três paradas.

“Vamos largar no supermacio e depois veremos onde vamos acabar”, disse o holandês. “E, dependendo de quantas voltas tivermos pela frente, veremos o que vamos fazer em termos de estratégia. Eu que pedi para a equipe para usar o supermacio porque me sentia melhor com eles, mas também acho que é a melhor tática.

O piloto da Red Bull é apenas um dos rivais que buscam atrapalhar a vida de Rosberg, que larga com os pneus macios, mas está sofrendo com a alta degradação. “Ainda bem que não vamos usar o supermacio na corrida! Mas mesmo no macio, a Red Bull tem o carro mais rápido, pelo que vimos nas simulações de sexta-feira. Tomara que tenhamos conseguido melhorar o carro de lá para cá.”

O outro carro da equipe, de Daniel Ricciardo, também larga com os macios, mas apenas na quinta colocação. A segunda fila foi fechada pela Ferrari, que também vai largar com os macios e tem demonstrado um ritmo mais próximo do que nas últimas etapas em relação à Mercedes.
A alta degradação também promete atrapalhar a recuperação de Lewis Hamilton, que ainda não decidiu se vai largar do pitlane ou da última fila do grid, devido à chance de acidentes na primeira curva.

“Sabemos que os melhores pneus são os médios e os macios, porque o supermacio durou só umas três voltas”, avaliou o inglês. “A degradação vai ser enorme, faremos duas ou três paradas e não sei quem vai cuidar dos pneus e quem não vai. Todos temos dificuldades com isso, não será uma corrida fácil. Pode ser que eu passe três carros e a traseira vá embora. É um cenário estranho, mas estamos tentando nos preparar da melhor maneira possível.”

O GP da Bélgica tem largada às 9h pelo horário de Brasília.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!