Fórmula 1

Massa garante não guardar mágoas por críticas: 'Orgulho imenso do Brasil'

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Monza (Itália)

01/09/2016 14h46

Em seus quase 250 GPs na Fórmula 1, número que completará justamente em sua última corrida, em Abu Dhabi, Felipe Massa teve 11 vitórias e 41 pódios. Porém, especialmente nas últimas temporadas, em que passou em branco, o brasileiro foi constantemente bombardeado por críticas da imprensa e da torcida nacional.

Falando após anunciar que faz sua última temporada na categoria, Massa não demonstrou mágoa em relação aos críticos e reforçou seu prazer em correr pelo Brasil.

“O Brasil sempre foi um país em que se cobrou demais e as pessoas acabam fechando os olhos para quem você é, aquilo que conquistou, onde você chegou e o que você representa”, disse o piloto de 35 anos ao UOL Esporte. “Talvez existam países em que as pessoas vejam de forma diferente. Mas nunca liguei para o que eu li. Eu sei como o Brasil funciona.”

Massa lembrou que, recentemente, os brasileiros mostraram uma outra face de seu jeito de torcer. “As Olimpíadas foram um momento em que vimos que o Brasil pode comemorar mesmo quando não há vitórias. Foi um exemplo para mostrar que o brasileiro tem a cobrança, mas sabe torcer”, disse. “Tenho um orgulho imenso de ser brasileiro e de ter levantado a bandeira do meu país várias vezes e de ter gerado alegria para as pessoas. Para mim, isso me deixa emocionado. O mais importante para mim é ver o Brasil bem.”

O piloto também citou o país ao relembrar seus melhores momentos nos 14 anos em que foi titular na Fórmula 1. “O momento mais marcante para mim foi a vitória em Interlagos. Para um brasileiro, que sempre sonhou em chegar à F-1, vendo os pilotos nacionais e levantando a cada volta que Emerson, Nelson, Ayrton e o Rubinho passavam. Você chegar lá e vencer é incrível”, relembrou.

“Entre os momentos difíceis, sem dúvida a Alemanha [quando deixou Fernando Alonso ultrapassá-lo e vencer] foi difícil superar. O acidente [da classificação do GP da Hungria de 2009] também, mas não era minha hora e agradeço a Deus por toda a proteção que eu tive durante minha carreira. E o momento mais triste para mim foi Cingapura [em 2008] porque não foi um resultado real.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
AFP
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo