Topo

Fórmula 1

Lewis será último não 'filhinho de papai' na F-1, alerta Anthony Hamilton

Roland Weihrauch/Efe
Imagem: Roland Weihrauch/Efe

Do UOL, em Sepang (Malásia)

26/09/2016 06h00

Não é apenas no Brasil que a dificuldade de se formar novos pilotos que almejam chegar na Fórmula 1 existe: o pai e mentor da carreira de Lewis Hamilton, Anthony, acredita que está cada vez mais difícil ver um piloto que não venha de família abastada conseguir uma chance no Reino Unido.

Anthony, filho de imigrantes caribenhos e que chegou a acumular três empregos, cuidou da carreira do filho nos tempos de kart, improvisando com equipamentos de segunda mão, mas o menino só pôde realmente começar a sonhar com uma carreira no automobilismo quando passou a contar com o apoio da McLaren e da Mercedes-Benz. Hamilton começara a chamar atenção depois de vencer o campeonato inglês de kart aos 9 anos.

“Há tantas categorias de base que os jovens realmente não sabem qual caminho escolher”, disse Anthony Hamilton ao The Independent. “O automobilismo de base está fragmentado e caro e isso não encoraja aqueles com o sonho de chegar na F-1, fazendo com que realmente os melhores cheguem ao topo.”

Hamilton acha que, devido aos altos custos, apenas os mais ricos acabam correndo, o que compromete a qualidade.

“Na nossa época apenas trabalhávamos juntos com o que tínhamos e fomos abençoados por termos sido descobertos pelo Ron Dennis e a Mercedes, mas isso já não é mais suficiente. Se os custos continuarem crescendo exponencialmente nas categorias menores e se essas categorias continuarem sem algum regulamento financeiro, acho que o Lewis será o último de sua geração.”

Calcula-se que uma carreira no Reino Unido, do kart até a GP2, custe cerca de 40 milhões de reais. “Chegar no topo não deveria ser algo apenas para quem pode bancar”, defende Hamilton, “mas algo para quem trabalha duro e é o melhor. Precisamos criar um plano de carreira para assegurar que os pilotos que provaram ser vencedores sejam recompensados com uma rota garantida para chegar à F-1.”

O empresário dá outras duas saídas: introduzir uma espécie de draft baseado somente em metas de performance e limitar os contratos em três anos, “assim as melhores equipes iriam trocar entre si e com as menores. Isso daria a oportunidade  para os melhores pilotos ganharem corridas e campeonatos.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!