Fórmula 1

Hamilton domina classificação e sai na pole na Malásia. Massa é 10º

GIUSEPPE CACACE/AFP
Imagem: GIUSEPPE CACACE/AFP

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Sepang (Malásia)

01/10/2016 07h01

Lewis Hamilton não deu chances aos adversários, dominou totalmente a classificação, e vai largar na frente no GP da Malásia. A boa performance do inglês vem em boa hora, uma vez que seu companheiro e rival na luta pelo título, Nico Rosberg, venceu as últimas três provas. O alemão, que lidera o campeonato, vai largar em segundo. A terceira colocação ficou com Max Verstappen, da Red Bull.

Felipe Massa superou apenas pela terceira vez no ano seu companheiro Valtteri Bottas e vai largar na décima colocação, enquanto o finlandês foi eliminado ainda no Q2. Felipe Nasr, por sua vez, perdeu a batalha interna na Sauber com Marcus Ericsson por 133 milésimos e vai sair em 18º.

Q1
A Red Bull conseguiu economizar um jogo de pneus macios para a corrida na primeira parte do treino, passando para a fase seguinte com os médios. A Ferarri tentou a mesma tática, mas decidiu voltar à pista para se garantir no Q2, com os macios. Na frente, Hamilton manteve a tendência dos treinos livres e foi o mais rápido.

Na luta para escapar da eliminação, pior para Jolyon Palmer, que vinha rápido o suficiente até errar a última curva e ficar de fora da classificação, junto das duplas de Sauber e Manor, além de Fernando Alonso que, sabendo que largaria em último pela troca do motor de sua McLaren, fez o treino com pneus médios e em ritmo bastante lento.

Q2
Hamilton foi ainda mais rápido na segunda parte da classificação, superando a pole position de 2004, marcada por Michael Schumacher. Ele e seu companheiro, além das Red Bull, Ferrari e Felipe Massa sequer fizeram uma segunda tentativa no Q2. O brasileiro terminou na sétima colocação, a melhor obtida por ele no final de semana até então.

Seu companheiro de Williams, Valtteri Bottas, por outro lado, foi um dos eliminados, ficando com a 11ª colocação no grid. A dupla da Haas também ficou pelo caminho, assim como Magnussen e os dois pilotos da Toro Rosso.

Q3
Na primeira tentativa da parte decisiva do treino, Hamilton ficou próximo do recorde da pista, obtido por Fernando Alonso na classificação de 2005. O espanhol fez 1min32s582 com um motor V10, enquanto o inglês foi três décimos mais lento com o motor V6 híbrido. Rosberg, por sua vez, cometeu um erro e fez apenas o quinto tempo, atrás de Verstappen, Ricciardo e Raikkonen.

O líder do campeonato conseguiu se recuperar na segunda tentativa, mas não pôde superar Lewis Hamilton, mesmo com o inglês cometendo um erro e não melhorando a volta anterior. Verstappen, que demonstrou um bom ritmo de corrida na sexta-feira, ficouc om a terceira colocação, à frente do companheiro Daniel Ricciardo. As Ferrari vieram logo atrás, com Vettel à frente de Raikkonen. Perez, Hulkenberg, Button e Massa completaram o top 10.

O GP da Malásia, 16ª etapa da temporada, terá largada às 4h do domingo, no horário de Brasília.

Confira os tempos da classificação do GP da Malásia
1. Lewis Hamilton ING Mercedes-Mercedes 1m 32.850s
2. Nico Rosberg ALE Mercedes-Mercedes 1m 33.264s
3. Max Verstappen HOL Red Bull-TAG 1m 33.420s
4. Daniel Ricciardo AUS Red Bull-TAG 1m 33.467s
5. Sebastian Vettel ALE Ferrari-Ferrari 1m 33.584s
6. Kimi Raikkonen FIN Ferrari-Ferrari 1m 33.632s
7. Sergio Perez MEX Force India-Mercedes 1m 34.319s
8. Nico Hulkenberg ALE Force India-Mercedes 1m 34.489s
9. Jenson Button ING McLaren-Honda 1m 34.518s
10. Felipe Massa BRA Williams-Mercedes 1m 34.671s

11. Valtteri Bottas FIN Williams-Mercedes 1m 34.577s
12. Romain Grosjean FRA Haas-Ferrari 1m 35.001s
13. Esteban Gutierrez MEX Haas-Ferrari 1m 35.097s
14. Kevin Magnussen DIN Renault-Renault 1m 35.277s
15. Daniil Kvyat RUS Toro Rosso-Ferrari 1m 35.369s
16. Carlos Sainz ESP Toro Rosso-Ferrari 1m 35.374s

17. Marcus Ericsson SUE Sauber-Ferrari 1m 35.816s
18. Felipe Nasr BRA Sauber-Ferrari 1m 35.949s
19. Jolyon Palmer ING Renault-Renault 1m 36.999s
20. Esteban Ocon FRA Manor-Mercedes 1m 37.451s
21. Pascal Wehrlein ALE Manor-Mercedes 1m 38.587s
22. Fernando Alonso ESP McLaren-Honda 1m 41.155s

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi

Blog do Carsughi

A ridícula ciranda dos técnicos

Cerca de duas semanas atrás, o técnico Zé Ricardo foi demitido pelo Flamengo. Outro dia foi a vez de Milton Mendes ser afastado do Vasco. E o curioso é que agora o Vasco tem, em Zé Ricardo, que não mais servia para o Flamengo, a grande solução para ser o novo técnico cruzmaltino. Numa análise mais ampla foram nada menos que 16 os técnicos demitidos nas primeiras 21 rodadas deste campeonato brasileiro. O que, por sinal, lembra o que aconteceu nos últimos dois anos. E, se formos ver o que aconteceu desde o início do ano, constataremos que apenas 6 clubes mantiveram até hoje o técnico com que começaram a temporada. A título de curiosidade, são eles Fábio Carille (Corinthians), Mano Menezes (Cruzeiro), Jair Ventura (Botafogo), Renato Gaucho (Gremio), Abel Braga (Fluminense) e Claudinei Oliveira (Avaí). Esta ridícula ciranda tem, em minha opinião, uma explicação clara : a incompetência dos dirigentes. Pois são eles que escolhem o técnico e, ao faze-lo, devem (ao menos se supõe) analisar sua forma de trabalho, ver o que fizeram no passado e julgar se ele vai se adaptar ao que o clube pretende. Assim, por exemplo, contratar um técnico reconhecidamente retranqueiro para fazer o time jogar bonito e ofensivamente, constitui um absurdo total. Feita a escolha, o cartola deveria assumir a decisão e não encontrar na despedida do técnico o comodo álibi para seu erro. Erro que, para dirigentes merecedores deste rótulo, deveria ser, no mínimo, acompanhado por um pedido de demissão irrevogável de seu cargo. Infelizmente é muito mais fácil jogar a culpa num subordinado do que admitir o erro e pagar por ele. Como direta conseqüência, os técnicos acabam recebendo salários incompatíveis com a situação financeira de nosso futebol, já que se trata de uma função de alto risco. E, não raro, são promotores de contratações que podem não serem úteis no futuro, quando um novo técnico quiser implantar uma diferente filosofia de jogo. Em resumo, o grande prejudicado acaba sendo sempre o clube, onerado por dívidas que cartola algum cria nas empresas que porventura lhe pertençam. Mas aí estaríamos entrando noutro assunto, o da responsabilidade fiscal dos dirigentes, que fica para outra cronica…

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Topo