Topo

Fórmula 1

Quebra do motor de Hamilton na Malásia atrapalha planos de Massa. Entenda

AP Photo/Brian Ching
Imagem: AP Photo/Brian Ching

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Suzuka (Japão)

07/10/2016 06h00

A quebra do motor de Lewis Hamilton no GP da Malásia não trouxe consequências apenas para o piloto britânico: as dúvidas em relação ao que aconteceu com o propulsor do tricampeão dez com que os clientes da Mercedes, incluindo Felipe Massa, tivessem um atraso no repasse dos motores, o que pode atrapalhar a vida de quem já vem ‘pendurado’ nas unidades de potência no GP do Japão.

É o caso do brasileiro, que vem esperando há algumas provas pelo motor atualizado da Mercedes, que seria o último a ser utilizado pela Williams no ano. O modelo, que passou a ser usado pela Mercedes no GP da Itália, seria disponibilizado aos clientes em Suzuka. Porém, com a quebra de Hamilton, a montadora alemã decidiu adiar a estreia. A programação era que todos os clientes - as duplas de Williams, Force India e Manor, excluindo Esteban Ocon - recebessem a nova unidade na 17ª etapa do campeonato.

“Eles estão investigando o que aconteceu com o motor do Hamilton porque a unidade que iríamos receber seria a mesma que ele estava usando, uma evolução em relação àqueles que estávamos usando até agora”, explicou Massa ao UOL Esporte.

O problema para o brasileiro é que a espera significa uma etapa a mais com um propulsor já desgastado.

“Vamos continuar com o mesmo mais uma corrida e eles têm duas semanas para acertar tudo o que tiver para acertar. Mas acho que já têm de arrumar para a próxima corrida porque a quilometragem já vai estar muito no limite. Já fiz quatro ou cinco provas com o mesmo motor.”

Após estudar o equipamento que falhou na etapa malaia, a Mercedes divulgou que foi observada uma queda na pressão de óleo da unidade de potência do carro de Hamilton na curva anterior ao abandono, ocasionando a quebra de um dos rolamentos da parte inferior do motor.

A falha custou caro para o piloto que, além de ter perdido a corrida, viu um motor com apenas 618km rodados estourar. Assim, Hamilton tem apenas dois motores para as últimas cinco etapas, sendo que um deles já foi utilizado na Bélgica, Itália e Cingapura e será usado novamente neste final de semana.

Antes de estudar mais a fundo o que aconteceu, para o GP do Japão a Mercedes divulgou que correrá com “padrões revistos” para todos os clientes, especialmente em relação ao óleo.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!