Fórmula 1

Pirelli quer controlar equipes em tempo real na próxima temporada

Bryn Lennon/Getty Images
Imagem: Bryn Lennon/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

09/12/2016 06h00

Uma das grandes guerras técnicas travadas no último ano na Fórmula 1 foi entre as equipes e a fornecedora única de pneus, a Pirelli. Enquanto os times buscavam formas de melhorar sua performance, os italianos tentavam garantir a segurança de seu produto, por meio da definição de níveis de pressões acima dos que normalmente seriam utilizados.

Tal situação é resultado de anos de restrições nos testes, o que dificultaram o trabalho da Pirelli de acompanhar o desenvolvimento dos times.

Com os carros cada vez mais rápidos, mais energia era colocada no pneu, e isso fez com que, primeiramente, o que antes era apenas uma recomendação de uso de pressão mínima ganhasse status de regra, em 2015. E depois os números foram subindo, especialmente em circuitos mais críticos para os pneus, como Silverstone ou que tiveram mudanças de asfalto, como Áustria.

Mesmo adotando pneus completamente diferentes para o ano que vem, projetados para durar mais e tendo passado por testes com todas as equipes grandes na segunda metade do ano, a Pirelli diz que ainda manterá o controle das pressões. E ele deve ser mais duro do que foi na última temporada.

“Precisamos de uma maneira diferente para nos certificarmos de que eles estão seguindo nossas prescrições. Até agora, o que pudemos dar foi uma prescrição das pressões iniciais e não podemos controlar o que acontece depois”, explicou o manager de corridas da Pirelli na F-1, Mario Isola. “Mas é claro que estamos interessados na pressão em que o pneu está durante a corrida porque é ela que afeta o pneu. Então se encontrarmos uma maneira de acompanhar em tempo real, isso será mais preciso e melhor para todos.”

Tendo isso em vista, o que está sendo desenvolvido para entrar em ação na próxima temporada é um sistema que dá informações de pressão e temperatura em tempo real. Isola admite que chegar a um acordo a respeito com a federação e as equipes “não é simples”, mas salienta a importância do controle.

“Se uma equipe consegue manter o pneu na temperatura certa eles podem extrair muito mais performance do pneu. Por isso eles trabalham nos limites de temperatura e pressão - e é claro que um está relacionado ao outro”, explica.

O novo pneu é 25% mais largo que o anterior e passou por 24 dias de testes com Mercedes, Ferrari e Red Bull do início de agosto até a validação final, na última semana, em Abu Dhabi.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo