Fórmula 1

Como Mercedes e Red Bull têm suspensão 'ilegal'. E não são punidas por isso

Moisés Castillo/AP
Imagem: Moisés Castillo/AP

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

08/02/2017 04h00

Logo nos primeiros dias de 2017 a Fórmula 1 viu o questionamento da Ferrari em relação a um sistema de suspensão que seria utilizado por Mercedes e Red Bull. Os italianos fizeram uma consulta formal à Federação Internacional de Automobilismo e ouviram que a solução apresentada era ilegal. As duas equipes rivais, contudo, asseguraram que a decisão não mudava em nada seus projetos. Mas como isso é possível?

A suspensão da Mercedes vem chamando a atenção dos rivais há pelo menos quatro anos, quando eles começaram a usar o que ficou conhecido como FRIC, uma interligação hidráulica entre os eixos traseiro e dianteiro que ajudava a manter a estabilidade do carro nas curvas.

Considerado ilegal pela FIA, o FRIC foi banido ainda durante a temporada de 2014. Porém, o conhecimento da tecnologia fez com que a Mercedes desenvolvesse outras formas de obter o mesmo resultado, sem a conexão hidráulica e que, portanto, não ferem o regulamento. Por conta disso, mesmo com o carro sendo checado antes de cada GP, nada de errado era encontrado.

Tanto, que a suspensão da Mercedes chegou a um nível comparável à suspensão ativa, banida ao final de 1993 e um dos grandes trunfos da imbatível Williams do início dos anos 1990. “Se os pilotos do passado entrassem nestes carros ficariam surpresos pelo equilíbrio deles”, afirmou Paddy Lowe, ex-diretor técnico da Mercedes e atualmente na Williams. “Dá para acertar o carro com muito mais precisão - e de tal nível de refinamento aerodinâmico e mecânico que podemos acertar o carro quase curva a curva usando o equilíbrio de freio, chegando a um ponto em que o piloto diz que não tem o que melhorar no acerto.”

Sabe-se que a Mercedes conseguiu fazer com que as molas da suspensão trabalhassem de forma não-linear e ao mesmo tempo controlada. Porém, a maneira como isso acontece não é conhecida pelos rivais.

A Red Bull, por sua vez, usa a suspensão para compensar o maior arrasto produzido por seu carro. Assim, seu sistema é ativado sob maiores velocidades, nas retas, ‘prendendo’ a frente no chão e permitindo o uso de um maior rake (diferença de ângulo da dianteira em relação à traseira).

Sem saber exatamente como trabalham as duas rivais, a Ferrari apostou em uma saída e foi pedir a consulta da FIA, esperando que a decisão automaticamente freasse os projetos de Red Bull e, principalmente, Mercedes. Pela tranquilidade dos dois times, parece que os italianos não descobriram o segredo, em uma briga que não deve parar por aqui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Redação
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Topo