Fórmula 1

Pressionado, Raikkonen explica mau rendimento e busca reação no Bahrein

AFP PHOTO / Johannes EISELE
Imagem: AFP PHOTO / Johannes EISELE

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Manama (Bahrein)

15/04/2017 04h00

A temporada de Kimi Raikkonen tem ido de mal a pior. Nem mesmo no circuito no qual é o piloto com maior número de pódios - 8 - o finlandês está tendo trégua: nos treinos de sexta-feira, teve uma quebra no turbo e teve de trocar quatro dos seis elementos da unidade de potência de sua Ferrari.

Mas os problemas do piloto mais velho do grid, com 37 anos, vão além das quebras. Kimi vem sofrendo com o acerto da parte dianteira do carro, algo fundamental para seu estilo de pilotagem. Sem confiança para apontar o carro nas curvas, o finlandês vem tendo um ritmo constantemente inferior ao do companheiro Sebastian Vettel. E já vem sendo cobrado pela Ferrari.

“O problema é que, quanto mais você força, se há algo errado, isso só deixa esse problema mais destacado. Você precisa que a dianteira funcione em certos lugares para ser rápido e isso não é algo grande, mas grande o suficiente para fazer você voltar a acelerar depois ou carregar menos velocidade em alguns lugares. É o suficiente para atrapalhar”, descreveu.

Raikkonen busca encontrar um tipo de acerto que faça o carro funcionar mais ao seu estilo e já tem andado com um carro diferente em relação a Vettel.

“É sempre ruim quando você não tem bons resultados. Mas já estou no esporte há tempo suficiente e sei que não é sempre que você estará sorrindo e feliz. Faz parte. É frustrante. Mas sei do que precisamos.”

Como de costume na Ferrari, no entanto, os chefes não demonstram ter muita paciência com a falta de resultados de Raikkonen: após duas etapas, Vettel tem uma vitória e um segundo lugar, enquanto o campeão de 2007 tem um quarto e um quinto.

“Já falei com o Maurizio [Arrivabene, chefe da equipe]”, disse o presidente da Ferrari, Sergio Marchionne, após o GP da China. “Talvez eles devessem sentar em uma mesa e falar com ele. Ele parece ocupado com outras coisas. Vettel foi mais agressivo.”

As críticas públicas não são coincidência. O UOL Esporte apurou no Bahrein que a notícia dada pela imprensa italiana nesta semana de que Daniel Ricciardo teria assinado um acordo com a Scuderia para 2018 procede. Só não se sabe se o contrato entra em vigor de forma condicional, dependendo da saída de Raikkonen, ou não.

Neste sábado, Raikkonen tem chance de reagir, eu uma pista à qual a Ferrari se adaptou bem, muito em função do calor, na classificação que começa ao meio-dia pelo horário de Brasília.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo