Fórmula 1

O desafio de Alonso: saiba quais são as diferenças entre a F1 e a Indy

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Londres (ING)

19/05/2017 04h00

Para o espectador casual, a Fórmula 1 e a Fórmula Indy podem não parecer muito diferentes. Porém, elas trabalham com conceitos totalmente distintos de competição e tecnologia. O que Fernando Alonso está experimentando em sua estreia nas 500 Milhas de Indianápolis é um carro preparado para andar rápido em retas e uma categoria em que o equipamento faz menos diferença.

A Fórmula 1 se define como um campeonato de construtores, em que cada equipe deve desenvolver seu próprio carro, podendo compartilhar motores (que se chamam unidades de potência pelo fato de serem híbridos), câmbio e transmissão. Isso cria diferenças grandes de rendimento entre as equipes, muito em função, também, dos orçamentos, que podem chegar a 450 milhões de dólares ao ano no caso de equipes como Mercedes e Ferrari.

No caso da Fórmula Indy, o gasto anual fica entre 5 e 15 milhões de dólares, pois o desenvolvimento dos chamados kits aerodinâmicos fica a cargo das duas fornecedoras de motores, Honda e Chevrolet. A base de ambos, contudo, é a mesma: um chassi Dallara. E os locais de desenvolvimento são pré-definidos, enquanto na F-1 o regulamento indica apenas restrições de altura e largura, criando caixas imaginárias ao redor dos carros.

Os carros da F-Indy podem ser considerados menos tecnológicos, pois seus motores não têm sistemas híbridos e os carros não possuem direção hidráulica ou câmbio semi-automático, como acontece na Fórmula 1. Os freios de fibra de carbono da F-1 também são mais eficientes e os carros, ainda que percam ligeiramente em termos de velocidade de reta, são bem mais rápidos em termos de contorno de curva. Ambos os fatores são explicados pelo fato dos F-1, mesmo sendo mais potentes, produzirem muito mais pressão aerodinâmica.

As corridas
Pode-se dizer que a temporada da F-Indy é mais variável que a F-1, pois os carros mudam bastante para se adaptarem aos circuitos de rua, mistos, e ovais, e a duração das provas podem mudar bastante, podendo superar os 800km, como no caso de Indianápolis. Já uma corrida da F-1 gira em torno de 300km - apenas Mônaco é mais curta - e não pode passar de 2h.

As duas categorias têm pit stops obrigatórios mas, na Indy, há também o reabastecimento. As formas de ajudar na ultrapassagem também são diferentes: na Indy existe o push-to-pass, aumento de potência de 15 a 20s que pode ser usado 10 vezes por corrida, enquanto na F-1 é usado o DRS, um dispositivo que modifica a posição de uma das lâminas da asa traseira para diminuir a resistência ao ar. Ele só pode ser ativado quando um piloto está a menos de 1s do rival em zonas pré-determinadas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo