Fórmula 1

Vettel vence em Mônaco e Mercedes ficam fora do pódio; Massa: 9º

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Mônaco

28/05/2017 10h47

Sebastian Vettel teve um domingo perfeito em Mônaco neste domingo. O alemão venceu a prova de Monte Carlo e viu seu maior concorrente no Mundial, Lewis Hamilton, ficar fora do pódio.

A Ferrari, aliás, foi a grande vencedora. A escuderia fez dobradinha, com Kimi Raikkonen em segundo. Daniel Ricciardo foi o terceiro, com Bottas (quarto), Verstappen (quinto) e Sainz (sexto).

Hamilton terminou em 7º e Felipe Massa foi o nono. 

Vettel agora alcançou 129 pontos, contra 104 pontos de Hamilton, segundo colocado. Confira a classificação completa do Mundial de Fórmula 1.

Reprodução/TV Globo
Sauber de Wehrlein ficou tombada após choque com Button. Piloto alemão não se feriu Imagem: Reprodução/TV Globo

É a primeira vez que a Mercedes não faz pódio desde o GP da Espanha de 2016, há 22 corridas, quando Hamilton e Rosberg bateram.

A prova em Mônaco foi marcada por poucas ultrapassagens. O traçado fechado dificultou “pegas” entre pilotos, favorecendo os que largaram na frente.

Hamilton pagou caro por ter largado em 13º. O britânico foi atrapalhado no treino classificatório por Stoffel Vandoorne, que acidentou na volta rápida de Hamilton, necessitando de bandeira amarela.  

Desempenho do vencedor

Claude Paris/AP
Imagem: Claude Paris/AP

Vettel largou em segundo e não ameaçou Kimi Raikkonen no início da prova. A cartada definitiva do alemão aconteceu na volta 40. Raikkonen foi para os boxes. Vettel, por sua vez, vinha de duas voltas excelentes.

No retorno do finlandês à pista, o alemão já havia tomado a primeira posição.

"É uma sensação indescritível. Foi uma corrida muito tensa. Eu tive duas voltas onde eu fui muito bem, e isso fez a diferença", explicou Vettel.

Dois acidentes nas voltas finais causaram bandeiras amarelas. Os pilotos se aproximaram, mas a dupla da Ferrari conservou a liderança, sem ameaças.

Hamilton: prova de recuperação

Max Rossi/Reuters
Imagem: Max Rossi/Reuters

Hamilton teve de fazer uma prova de recuperação depois de ter dificuldades com seu carro na classificação e largar em 13º.

Na corrida, uma boa estratégia da Mercedes o ajudou a limitar as perdas em termos de campeonato: o inglês fez a primeira parte da prova com supermacios e, enquanto os demais paravam nos boxes, conseguiu adotar um ritmo mais forte para ganhar terreno.

Dia ruim para Massa

Felipe Massa já previa um domingo ruim em Mônaco. A Williams não teve bons resultados nas simulações da pista durante a semana. Tanto Massa quanto Stroll giraram longe dos 10 primeiros nos treinos.

O brasileiro largou em 14º. Massa não fez ultrapassagens na largada, mas foi ganhando posições ao longo da prova em virtude de saídas e problemas dos concorrentes.

Button zoa com Alonso: ‘vou fazer xixi no seu carro’

Alonso entrou por rádio pouco antes do começo da largada. Em Indianápolis, onde disputará as 500 Milhas, Alonso entrou em contato com seu substituto na prova, Jenson Button. O recado bem humorado do espanhol foi: “Cuide bem do meu carro”.

Button, que já estrava dentro do carro e prestes a começar a corrida, respondeu: “Eu vou fazer xixi no banco do seu carro”.

Button deixou a prova após acidente com Wehrlein na entrada do túnel.

Ricciardo faz ultrapassagens mesmo em circuito fechado

Depois de dominar o GP de Mônaco do ano passado, e perder a prova devido a um erro da Red Bull no pitstop, Daniel Ricciardo mais uma vez mostrou serviço no Principado. O australiano largou em quinto, mas fez voltas voadoras logo antes de seu pit stop, conseguindo superar Bottas e Verstappen.

Galvão relembra conversa com Senna em Monte Carlo

Durante transmissão da Rede Globo, Galvão Bueno relembrou a corrida de Mônaco de 1988, quando Ayrton Senna bateu sua McLaren, a poucas voltas do fim.

Galvão havia estranhado o comportamento agressivo do brasileiro na pista mesmo disparado na liderança da prova. Senna continuou acelerando e se arriscando, mesmo com larga vantagem sobre o segundo colocado, Alain Prost. O narrador relembrou o que dissera Senna depois da prova.

“Eu perguntei ao Ayrton: ‘O que você fez? Faltando 12 voltas e com você muito à frente...’. Ele me respondeu: ‘Eu queria botar uma volta no Prost. Queria desmoralizar de uma vez’”, comentou Galvão.

“Ele [Senna] é inigualável. Para mim, não tem comparação”.

Classificação final:

1. Sebastian Vettel (ALE) Ferrari – 78 voltas - 01h44min44s340

2. Kimi Raikkonen (FIN) Ferrari – 01h44min47s485

3. Daniel Ricciardo (AUS) Red Bull – 01h44min48s085

4. Valtteri Bottas (FIN) Mercedes – 01h44min49s857

5. Max Verstappen (HOL) Red Bull – 01h44min50s539

6. Carlos Sainz (ESP) Toro Rosso – 01h44min56s378

7. Lewis Hamilton (ING) Mercedes – 01h45min00s141

8. Romain Grosjean (FRA) Haas F1 – 01h45min02s490

9. Felipe Massa (BRA) Williams F1 Racing – 01h45min03s785

10. Kevin Magnussen (DIN) Haas F1 – 01h45min05s783

11. Jolion Palmer (FRA) Renault – 01h45min07s077

12. Sebastian Ocon (FRA) Force India – 01h45min08s065

13. Sérgio Perez (MEX) Force India – 01h45min23s429

Não completaram

14. Lance Stroll (CAN) Williams – completou 72 voltas

15. Daniil Kvyat (RUS) Toro Rosso – completou 71 voltas

16. Stoffel Vandoorne (BEL) McLaren – Acidente, 66 voltas

17. Marcus Ericsson (SUE) Sauber – Acidente, 64 voltas

18. Jenson Button (ING) McLaren – Recolheu. 60 voltas

19. Pascal Wehrlein (ALE) Sauber – Acidente, 60 voltas

20. Niko Hulkenberg (ALE) Renault – Acidente, 15 voltas

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi

Blog do Carsughi

A ridícula ciranda dos técnicos

Cerca de duas semanas atrás, o técnico Zé Ricardo foi demitido pelo Flamengo. Outro dia foi a vez de Milton Mendes ser afastado do Vasco. E o curioso é que agora o Vasco tem, em Zé Ricardo, que não mais servia para o Flamengo, a grande solução para ser o novo técnico cruzmaltino. Numa análise mais ampla foram nada menos que 16 os técnicos demitidos nas primeiras 21 rodadas deste campeonato brasileiro. O que, por sinal, lembra o que aconteceu nos últimos dois anos. E, se formos ver o que aconteceu desde o início do ano, constataremos que apenas 6 clubes mantiveram até hoje o técnico com que começaram a temporada. A título de curiosidade, são eles Fábio Carille (Corinthians), Mano Menezes (Cruzeiro), Jair Ventura (Botafogo), Renato Gaucho (Gremio), Abel Braga (Fluminense) e Claudinei Oliveira (Avaí). Esta ridícula ciranda tem, em minha opinião, uma explicação clara : a incompetência dos dirigentes. Pois são eles que escolhem o técnico e, ao faze-lo, devem (ao menos se supõe) analisar sua forma de trabalho, ver o que fizeram no passado e julgar se ele vai se adaptar ao que o clube pretende. Assim, por exemplo, contratar um técnico reconhecidamente retranqueiro para fazer o time jogar bonito e ofensivamente, constitui um absurdo total. Feita a escolha, o cartola deveria assumir a decisão e não encontrar na despedida do técnico o comodo álibi para seu erro. Erro que, para dirigentes merecedores deste rótulo, deveria ser, no mínimo, acompanhado por um pedido de demissão irrevogável de seu cargo. Infelizmente é muito mais fácil jogar a culpa num subordinado do que admitir o erro e pagar por ele. Como direta conseqüência, os técnicos acabam recebendo salários incompatíveis com a situação financeira de nosso futebol, já que se trata de uma função de alto risco. E, não raro, são promotores de contratações que podem não serem úteis no futuro, quando um novo técnico quiser implantar uma diferente filosofia de jogo. Em resumo, o grande prejudicado acaba sendo sempre o clube, onerado por dívidas que cartola algum cria nas empresas que porventura lhe pertençam. Mas aí estaríamos entrando noutro assunto, o da responsabilidade fiscal dos dirigentes, que fica para outra cronica…

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Esporte Ponto Final
UOL Esporte
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo