Fórmula 1

Descontente com a Honda, McLaren procurou Ferrari para ter motores em 2018

Mark Thompson/Getty Images
McLaren está no terceiro ano da parceria com a Honda Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Londres (ING)

11/07/2017 07h10

Em busca de um motor competitivo para disputar a temporada de 2018 e cansada de esperar avanços da atual parceira Honda, a McLaren sondou a Ferrari para se tornar fornecedora do time no ano que vem.

A sondagem ocorreu depois do início das negociações com a Mercedes, o que significaria o retorno de uma parceira que fez sucesso nos anos 1990 e nos 2000. Várias possibilidades estão sendo estudadas pelo time de Woking, incluindo o rompimento por apenas uma temporada com a Honda, algo permitido pelo contrato firmado entre ambos.

Na Áustria, os japoneses estrearam a nova especificação de sua unidade de potência e, ainda que o chefe de operações da Honda, Yusuke Hasegawa, tenha se mostrado animado com os resultados, um problema nos treinos livres obrigou Fernando Alonso a voltar a usar um motor velho para evitar uma quebra.

Com a forte tensão dentro da parceira, o chefe da McLaren, Eric Boullier, chegou a dizer na etapa anterior, em Baku, que havia a possibilidade de usar outro motor em 2018, e explicou os comentários na Áustria. “O comentário foi tirado de contexto. Me perguntaram sobre uma discussão. A Honda é o motor que a McLaren tem e obviamente quando você diz que há três opções, alguém escolhe uma, então não é uma possibilidade.”
Sentado ao seu lado na coletiva de imprensa, Hasegawa disse que deixar a McLaren por um ano “não é uma opção para nós, não queremos fazer isso.”

O rumor de uma separação apenas em 2018 surgiu depois que a Honda fechou parceria com a Sauber para o ano que vem. A solução temporária permitiria que os japoneses se reorganizassem para voltar à McLaren mais fortes em 2019, já preparando-se para uma nova mudança que deve ocorrer na configuração dos motores para 2020.

Tal mudança, que, de acordo com o chefão da F-1, Ross Brawn, deve trazer motores bi-turbo mais simples que os atuais V6 turbo híbridos, faz com que a Honda volte a ser uma parceira atrativa, especialmente para times como Red Bull e Williams, que desejam deixar de ser apenas clientes de Renault e Mercedes, respectivamente.

Com as novas regras que entraram em vigor em 2015 para resolver o entrave da Red Bull, que se viu ameaçada de ficar sem um fornecedor, as empresas podem ser obrigadas a equipar algum time que precise de um motor, e por isso a chance da McLaren correr com motor Ferrari em 2018 não pode ser descartada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
EFE
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo