Fórmula 1

Nanica chegou à F-1 querendo título em 2000, mas foi embora em dois anos

Anton Want/Getty Images
Equipe Pacific chegou à Fórmula 1 depois de sucesso nas categorias de acesso. Meta era conquistar o título mundial em 2000 Imagem: Anton Want/Getty Images

Emanuel Colombari

Do UOL, em São Paulo

01/09/2017 11h00

A temporada de 2000 da Fórmula 1 terminou com o título do alemão Michael Schumacher, superando por 19 pontos (108 a 89) o finlandês Mika Hakkinen - o primeiro de um piloto da Ferrari desde a conquista do sul-africano Jody Scheckter em 1979. De quebra, com 170 pontos, a escuderia conquistou o título do Mundial de Construtores, repetindo o feito de 1999.

Enquanto isso, a Pacific não estava lá.

A constatação, embora óbvia hoje em dia, seria uma grande frustração para o pequeno time britânico que estreou na temporada 1994. Em seu primeiro ano na F-1, a pequena equipe tentava arrebanhar fãs anunciando a todos o objetivo de brigas entre as grandes até o final da década.

Reprodução
Em carta, equipe Pacific mirava o título na temporada 2000 da Fórmula 1 Imagem: Reprodução
A informação foi divulgada em uma carta datada de 28 de julho de 1994 (foto), publicada no Twitter pela conta @PacificRacingF1, mantida por fãs. O texto faz referência ao Pacific Grand Prix Supporters Club, ou simplesmente Club Pacific. O nome definia uma nascente associação de torcedores do time, que receberiam cartas, autógrafos e fotografias do time, além de descontos na venda de mercadorias durante o Grande Prêmio da Inglaterra daquele ano. Para fazer parte, o interessado pagaria 22 libras.

"Obrigado por seu interesse na Pacific Grand Prix. Esperamos que você se una a nós na busca por nosso objetivo: conquistar o título mundial no ano 2000", encerra o texto assinado por Graeme Glew, então diretor de marketing da escuderia britânica.

As ambições, no entanto, não resistiram ao fraco desempenho na pista. Ao longo de duas temporadas, o time não conseguiu pontuar - o melhor resultado foi a oitava colocação, conquistada duas vezes na temporada de 1995.

Mas o que deu errado? Por que a Pacific não foi campeã de Fórmula 1 em 2000?

O caminho de sucesso até a Fórmula 1

A história começa em 1979, quando Graeme Glew disputou a Fórmula Ford Britânica. O título ficaria com David Sears, que levou a melhor em um confronto direto contra Keith Wiggins. Nenhum deles chegaria à Fórmula 1 como piloto, mas os dois passariam a trabalhar anos mais tarde nos bastidores de equipes em categorias de acesso.

Em 1984, Wiggins criou a Pacific Racing para disputar divisões da Fórmula Ford. Em seus primeiros anos, o time causou furor. Na temporada de estreia, levou o norueguês Harald Huysman ao título europeu da categoria; em 1986, deu ao belga Bertrand Gachot o título britânico da F-Ford 2000; em 1987, contou com o finlandês JJ Lehto para faturar as taças britânica e europeia da série.

Com o passar dos anos, a Pacific passou a procurar espaço em categorias de acesso mais competitivas. Em 1988, chegou à Fórmula 3 britânica. No ano seguinte, chegou à Fórmula 3000, último degrau antes da Fórmula 1 - posto hoje ocupado pela Fórmula 2.

Àquela altura, a F-1 já era um objetivo de Wiggins. Em 1992, para tentar uma vaga no grid já para o ano seguinte, o chefe de equipe encomendou um chassi para a Reynard, fabricante com a qual já trabalhava nos tempos de F-3000. No entanto, a fabricante havia perdido boa parte de seu pessoal para equipes da própria Fórmula 1, em especial Benetton e Ligier; assim, o grupo responsável pela elaboração do chassi PR01 acabou bastante reduzido.

Com o projeto atrasado e sem conseguir atrair investidores para bancá-lo, Keith Wiggins decidiu adiar a entrada na Fórmula 1. Assim, a Pacific Grand Prix permaneceu na Fórmula 3000 em 1993, ao mesmo tempo em que corria contra o tempo para levantar fundos para estrear na elite. Naquele momento, Graeme Glew chegou à equipe - e constatou alguns problemas.

"Naquele momento, a equipe estava administrando a carreira de um jovem piloto chamado Oliver Gavin, que se tornou o piloto oficial de testes da Pacific Grand Prix. Mas lembro que ele só deu duas voltas de testes no circuito de Snetterton", contou Glew por e-mail ao UOL Esporte.

Namorado de princesa e foto de Senna: o ano de estreia

People/Reprodução
Conhecido por pai famoso e por namoro com princesa Stéphanie, Paul Belmondo foi escolhido como titular da Pacific para a temporada 1994 Imagem: People/Reprodução
Ainda assim, o plano foi levado adiante, e a Pacific conseguiu se inscrever para disputar a temporada de 1994. À bordo do carro, estariam Bertrand Gachot, agora correndo com nacionalidade francesa, e seu compatriota Paul Belmondo, mais conhecido por seu currículo extrapista do que por seus resultados - filho do ator Jean-Paul Belmondo, ganhou holofotes no início da década de 1980 ao assumir um romance com Stéphanie, princesa de Mônaco.

Os resultados, é claro, começaram modestos. "O carro de 1994 foi desenhado por Paul Owen, da Reynard, e tinha algum investimento de Adrian Reynard, com quem tínhamos um bom relacionamento anterior. Mas era um design de Fórmula 1 velho da Reynard e se mostrou lento. Os motores Ilmor que (o preparador de carros) Heini Mader encontrou também se mostraram lentos e pouco confiáveis", explicou Glew.

"Os maiores problemas eram a falta de patrocinadores e o orçamento dos pilotos. Gachot era um acionista da equipe, então não trazia nada, e Belmondo também não trazia muita coisa", completou o dirigente, que conseguiu atrair companhias como Ursus (uma fabricante de vodkas) e Unilever a estampar suas marcas nos carros.

O que se viu na pista foi pouco empolgante. Nas 16 corridas daquela temporada, Gachot conseguiu tempo para alinhar no grid apenas cinco vezes, enquanto Belmond passou pela pré-qualificação em apenas em duas provas. Em todas elas, os carros da Pacific abandonaram.

Ainda assim, Graeme Glew leva uma lembrança bastante particular daquela temporada - e justamente do trágico GP de San Marino, que terminou com as mortes de Roland Ratzenberger (Simtek) e Ayrton Senna (Williams). Naquela etapa em Ímola, um dos mecânicos do time acabou fraturando uma das pernas ao ser atropelado no pitlane. O acidente, no entanto, acabou em segundo plano.

Ainda assim, Glew guarda com carinho a foto que ele alega ser a última de Senna antes de colocar o capacete para a corrida. "Meu filho, então com oito anos, me pediu para tirar uma foto de seu herói. Mal saberia eu que seria a última", lamentou.

Graeme Glew/Acervo pessoal
Ayrton Senna antes do GP de San Marino de 1994, na foto que Graeme Glew acredita ser a última do piloto brasileiro sem capacete antes de acidente fatal Imagem: Graeme Glew/Acervo pessoal

Os primeiros bons resultados (e o fim) em 1995

A equipe tentaria nova sorte em 1995, quando a redução do número de equipes acabaria com a pré-qualificação nos treinos, mas a questão financeira continuaria a ser um problema. A solução veio de uma fusão com a tradicional Lotus, que baixara as portas no fim de 1994. Com a união das duas equipes, chegaram também os motores Ford e um novo lote de patrocinadores. Paul Belmondo foi substituído pelo italiano Andrea Montermini, vice-campeão da Fórmula 3000 em 1992.

O cenário era positivo, e o GP do Brasil que abriu a temporada terminou com Montermini em nono lugar. Mas as provas seguintes não indicavam que a Pacific conseguiria brigar pelo título em 2000: Gachot abandonaria as seis provas seguintes, enquanto seu companheiro italiano seria desclassificado em Mônaco e terminaria o GP da França dez voltas atrás do vencedor, Michael Schumacher.

Na segunda metade da temporada, o time promoveu um rodízio de pilotos e conseguiu performances modestas. Montermini foi oitavo na Alemanha e 12º na Hungria. No GP da Europa, o suíço Jean-Denis Délétraz conseguiu um 15º lugar. Giovanni Lavaggi disputou quatro provas e abandonou todas. Por fim, na última etapa da temporada, Bertrand Gachot foi o oitavo.

Pascal Rondeau/Getty Images
Fusão com a Lotus, novos motores e chegada de patrocinadores: com tudo isso, Pacific conseguiu pouca evolução ao longo da temporada de 1995 da Fórmula 1 Imagem: Pascal Rondeau/Getty Images

A performance em Adelaide acabou sendo o canto do cisne da Pacific. "O problema, como sempre na Fórmula 1, era o dinheiro. Não havia o suficiente para manter a equipe (em 1996). Apesar de a Pacific ter conseguido concluir a temporada, a equipe faliu pouco tempo depois", contou Graeme Glew, que se transferiu para a Arrows em 1996.

Hoje, o ex-diretor da Pacific trabalha como consultor na Fórmula 1, além de ser um dos responsáveis pelo site F1.co.uk. E reconhece que sua ex-equipe talvez tenha mirado muito alto ao buscar o título da categoria máxima da Fórmula 1 em 2000. "O plano era um alvo seis anos à frente, o que na verdade foi um bocado ambicioso", analisou.

Dura lição para equipes menores

Fora da Fórmula 1, a Pacific ainda tentou sobreviver em outras categorias, mas durou pouco tempo. Em 1996 e 1997, esteve novamente na Fórmula 3000 com resultados modestos. Por fim, disputou as 24 Horas de Le Mans de 1997 e duas corridas no Campeonato de Endurance da FIA de 1998, até que finalmente encerrou suas operações.

Terminava assim a trajetória de uma equipe que contou com nomes como Christian Fittipaldi (1991), Cristiano da Matta (1996) e Marco Greco (1990), além de Eddie Irvine (1989) e David Coulthard (1993). Para Graeme Glew, a história da Pacific reforça a dificuldade que equipes que brilham em categorias de acesso têm para repetir o bom desempenho quando se arriscam na Fórmula 1.

"Na minha opinião, é impossível para uma equipe de base subir de categoria. A Carlin foi a última a tentar, mas desistiu", disse Glew. A Carlin disputa categorias como Indy Lights e Fórmula 4 britânica em 2017, e esteve cotada para entrar na Fórmula 1 em 2011.

"Talvez o grupo Liberty Media (novos donos da F-1) possa vir com um plano para ter um grupo B da Fórmula 1, que funcione como acesso, de forma que estes times possam correr no fim do grid", completou, fazendo paralelo a categorias que contam com diferentes divisões dividindo a pista ao mesmo tempo - caso do Mundial de Endurance, por exemplo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo