Fórmula 1

Alonso diz que decide sobre futuro em outubro. Mas não depende só dele

AFP PHOTO / ANDREJ ISAKOVIC
Fernando Alonso no treino para o GP da Itália Imagem: AFP PHOTO / ANDREJ ISAKOVIC

Julianne Cerasoli

De Suzuka, no Japão

03/10/2017 04h00

A McLaren fez a vontade de Fernando Alonso e rompeu com a Honda para ter os motores Renault na próxima temporada. Mas o espanhol ainda não assinou sua renovação e disse na Malásia, onde foi o 11º colocado na corrida vencida por Max Verstappen no último domingo, que só vai tomar uma decisão entre as etapas do Japão, que será realizada já neste final de semana, e a seguinte, que será nos Estados Unidos.

“Esse é o prazo que eu me coloquei para tomar uma decisão e escolher o que quer que eu ache que será o melhor”, afirmou.

Nos últimos meses, Alonso pressionou fortemente a McLaren para que rompesse com a Honda, repetindo que via a equipe com possibilidades de lutar por vitórias caso tivesse um motor diferente. Mas o espanhol ainda não está convencido. E nem a McLaren tem garantias de que poderá manter um dos maiores salários da categoria.

“Já repeti várias vezes: quero voltar a ser competitivo, a lutar por pódios, pela vitória e pelo campeonato e ainda preciso de mais informações para tomar minha decisão. Ao mesmo tempo, eu continuo otimista porque a Mclaren é um dos melhores times da história da Fórmula 1, então acho que temos tudo o que precisamos para chegar lá.”

No entanto, esse parece ser apenas o discurso oficial, pois o próprio Alonso deu uma dica do que realmente está adiando o acordo: quando perguntado se queria um contrato por um ano para ficar livre no final de 2018, como é o caso dos pilotos da Mercedes, Red Bull e de Kimi Raikkonen, além de vários que estão no meio do pelotão, o bicampeão disse que não, “pois a minha visão de automobilismo é mais ampla do que isso”.

Depois de ter disputado as 500 Milhas de Indianápolis neste ano, Alonso tenta repetir o feito ano que vem, e pressiona também para participar das 24 Horas de Le Mans. O chefe da McLaren, Zak Brown, contudo, já afirmou publicamente que o time não permitirá que o piloto perca alguma etapa da F-1 para correr em outra categoria, o que impossibilitaria pelo menos sua participação na prova norte-americana.

Outra questão é financeira: a Honda injetava milhões de dólares na equipe, enquanto a Renault vai cobrar pelos motores. Por conta disso, a equipe precisa de parceiros para manter o nível salarial de Alonso.

A McLaren já tem a confirmação de que Stoffel Vandoorne vai continuar na equipe ano que vem.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
AFP
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
UOL Esporte
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Blog do Carsughi
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Redação
Redação
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Grande Prêmio
Topo