Topo

Fórmula 1

Kubica completa 100 voltas e rebate Massa: "Não estou guiando com uma mão"

Reprodução/Twitter Williams
Kubica testa Williams Imagem: Reprodução/Twitter Williams

Do UOL, em São Paulo

28/11/2017 14h22

Piloto favorito a ocupar a vaga de Felipe Massa na Williams, o polonês Robert Kubica voltou a participar de uma sessão de testes da Fórmula 1 nesta terça-feira e completou 100 voltas no circuito de Abu Dhabi.

Mais do que a disputa por uma vaga na categoria em 2018, a presença no cockpit serve para Kubica mostrar que está apto a guiar um carro de Fórmula 1 depois de ter sofrido um acidente de rali que quase abreviou a sua carreira, em 2011.

Em entrevista recente para a "GP Gazette", há um mês, Felipe Massa disse ter dúvidas sobre a capacidade de o polonês voltar a guiar na Fórmula 1 e citou que o então adversário por uma vaga na Williams estaria guiando com uma mão, o que foi negado por Kubica nesta quarta-feira.

"Há quem diga que eu estou dirigindo com uma mão, mas não estou dirigindo com uma mão", disse Kubica, em entrevista publicada nesta terça-feira pelo site "Motorsport", sem citar diretamente o brasileiro.

"Eu acho impossível dirigir um carro de Fórmula 1 com uma mão. Mas eu tenho algumas limitações, de modo que meu corpo usou algumas compensações, o que não é errado. Nós somos seres humanos e nossos cérebros são usados para ajudar nossos corpos a superar as deficiências. Esta é a vida diária normal”, completou.

Kubica disputou a sua última temporada de Fórmula 1 em 2010. Ele voltará ao cockpit da Williams na quarta-feira para mais testes de pneus promovidos pela Pirelli e terá mais uma chance de mostrar que pode fazer parte do grid em 2018. Além dele, Sergey Sirotkin, Daniil Kvyat e Paul di Resta estão na briga por uma vaga ao lado de Lance Stroll.

Sobre a volta à categoria, Kubica disse que é normal passar por um período de adaptação, mas que se sente fisicamente preparado.   

"Fisicamente acho que fiz um ótimo trabalho nos últimos seis meses. Não foi fácil, não era como se estivesse deitado na minha cama. Provavelmente eu estou fisicamente na minha melhor forma, de longe uma forma melhor do que eu estava quando eu estava correndo em 2010. Então, a motivação está lá e o corpo está reagindo de uma maneira boa”, disse, também ao Motosrport.

"Claro, estou começando quase do zero porque a Fórmula 1 mudou tanto nos últimos sete anos que é como quase começar de zero. Mas a experiência que ganhei nos anos em que eu estava correndo na Fórmula 1 me ajudou a superar o processo de aprendizagem mais rápido do que costumava ser no passado", completou.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!