Topo

Fórmula 1

Qual melhor caminho para Brasil voltar à F1? Times vivem "congestionamento"

Dutch Photo Agency/Red Bull Content Pool
Sette Camara já foi da Red Bull, mas hoje busca alternativas na F-1 Imagem: Dutch Photo Agency/Red Bull Content Pool

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

14/12/2017 04h00

Os exemplos de pilotos que estrearam na Fórmula 1 nos últimos anos tem deixado muito claro: ou você tem um caminhão de dinheiro, ou é apoiado por um programa de jovens pilotos de alguma equipe grande. Em 2017, fizeram sua primeira temporada completa na categoria Lance Stroll, que conseguiu a vaga na Williams muito em função do grande aporte financeiro, Stoffel Vandoorne, apoiado pela McLaren, e Esteban Ocon, que é piloto Mercedes. Ao longo do ano, tiveram chances Pierre Gasly e Brendon Hartley por conta da relação com a Red Bull, e Antonio Giovinazzi, piloto apoiado pela Ferrari.

Para a grande maioria dos jovens pilotos, que não contam com patrocinadores dispostos a colocar de 15 a 20 milhões de dólares por ano em uma equipe, o melhor caminho é, portanto, associar-se a uma equipe. É o caminho que os brasileiros Enzo Fittipaldi, da F-4, e Gianluca Petecof, kartista, vêm tentando. Ambos fazem parte da Academia da Ferrari.

Ferrari/Divulgação
Enzo Fittipaldi está há um ano no programa da Ferrari Imagem: Ferrari/Divulgação
É justamente o programa italiano que tem os pilotos mais prontos no momento: já está confirmada a estreia de Charles Leclerc ano que vem pela Sauber, e Giovinazzi deve seguir em seu papel de piloto de testes. Curiosamente, somente os dois e Sergio Perez chegaram à F-1 pela Academia.
Na Mercedes, além de Ocon, existe a expectativa pela evolução do britânico George Russell, de 19 anos. Campeão da GP3 em seu ano de estreia, o piloto vai correr na F-2 neste ano e será piloto de testes da Force India, e acredita que estará no grid em 2019.

Na McLaren, o programa também já tem seu próximo candidato: Lando Norris dará ano que vem um salto importante, indo para a F-2, como companheiro do brasileiro Sergio Sette Camara, depois de ter sido campeão europeu da F-3 em 2017. O britânico tem 18 anos e pode ter de esperar para ser efetivado, uma vez que o contrato atual de Alonso é de mais de um ano e Vandoorne vai fazer apenas sua segunda temporada.

Curiosamente, é o programa que mais nomes levou à F-1 que está menos congestionado no momento: a Red Bull teve de ir atrás de Hartley, que tinha sido dispensado há anos, para suprir a vaga de Carlos Sainz quando o espanhol foi emprestado para a Renault. Isso porque apenas um piloto do programa, Pierre Gasly, tinha os pontos necessários para obter a superlicença quando a vaga da Daniil Kvyat foi aberta com a demissão do russo. Com a possibilidade de Daniel Ricciardo não renovar seu contrato, que acaba no final de 2018, ou um dos novatos não agradar na Toro Rosso, mais uma vaga será aberta.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!