Topo

Fórmula 1

Sanções e até acusação de lavagem de dinheiro explicam entrave na Williams

Renault/Divulgação
O piloto russo Sergey Sirotkin foi piloto de testes da Renault em 2017 Imagem: Renault/Divulgação

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

19/12/2017 12h01

A vaga de Felipe Massa na Williams segue sem dono e a situação na Williams está completamente indefinida por questões que vão bem além das pistas. A mídia russa chegou a veicular que o anúncio de seu piloto, Sergey Sirotkin, seria feito na última sexta-feira. Mas a única informação dada pelo time inglês foi de que uma decisão só seria anunciada em janeiro.

Os problemas dos apoiadores de Sirotkin vêm de sanções adotadas após a anexação do território da Crimeia pela Rússia, no início de 2014. O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos aplicou uma série de punições que atingiram os dois principais acionistas do banco SMP, Arkady e Boris Rotenberg. Isso ocorreu devido às relações próximas dos banqueiros com Vladimir Putin, além de acusações de lavagem de dinheiro, por parte das autoridades norte-americanas, relacionadas às negociações durante a construção do parque olímpico de Sochi, onde é realizado o GP da Rússia de F-1.

Operadoras de cartão de crédito, como Visa e Mastercard, por exemplo, deixaram de trabalhar com a instituição, e quaisquer cidadãos ou companhias norte-americanas estão proibidas de fazerem transações com o banco, que teve centenas de milhões de dólares congelados pelos EUA.

Isso dificulta as negociações entre a Williams e Sirotkin especialmente pelo fato da equipe estar listada na Bolsa de Valores de Frankfurt.

Esperança para Kubica
A candidatura de Sirotkin ganhou força por dois motivos: o piloto teve um bom desempenho nos testes que realizou em Abu Dhabi, dos quais o então favorito à vaga, Robert Kubica, também participou. E o aporte financeiro prometido pelos apoiadores do piloto seria pelo menos duas vezes maior que os patrocinadores do polonês.

No entanto, o entrave na negociação com Sirotkin abriu uma nova possibilidade para o piloto de 33 anos. Os empresários de Kubica teriam feito uma contraproposta, oferecendo 7 milhões de euros por sete corridas, acreditando que as performances do piloto convencerão a Williams a mantê-lo no restante da temporada.

Embora o próprio Felipe Massa tenha alertado recentemente que a “decisão da Williams é financeira”, uma vez que a equipe sabe que terá uma queda de 30 milhões de dólares no orçamento de 2018 devido a uma série de fatores - de perda de patrocinadores a diminuições de valores já previstas em contratos - Kubica sempre demonstrou preocupação em ser tido como um piloto pagante. Mesmo trazendo um patrocinador, o polonês acredita que sua qualidade faria a diferença.

A segunda vaga na Williams é a única ainda não definida no grid de 2018 da Fórmula 1. Confira quem já está confirmado.

Mercedes: Lewis Hamilton e Valtteri Bottas
Ferrari: Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen
Red Bull: Max Verstappen e Daniel Ricciardo
Force India: Sergio Perez e Esteban Ocon
Williams: Lance Stroll 
Renault: Nico Hulkenberg e Carlos Sainz
Toro Rosso: Pierre Gasly e Brendon Hartley
Haas: Romain Grosjean e Kevin Magnussen
McLaren: Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne
Alfa Romeo Sauber: Marcus Ericsson e Charles Leclerc