Topo

Fórmula 1

Problema da Fórmula 1 atual é que carros não quebram, vê presidente da FIA

Mark Thompson/Getty Images
Mercedes de Hamilton não quebrou em nenhum GP em 2017 Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

28/12/2017 04h00

Atualmente recém-reeleito presidente da Federação Internacional de Automobilismo, Jean Todt se notabilizou na Fórmula 1 por chefiar a Ferrari no retorno do time às vitórias após mais de duas décadas sem título. Foi sob o comando do francês, por exemplo, que Michael Schumacher, conquistou seus dois títulos mais dominantes, em 2002 e 2004. Mas o dirigente acredita que a categoria hoje não é mais tão atrativa quanto antes. Porque os carros não quebram.

Em 2002, Schumacher pontuou em todas as 17 etapas e fez quase o dobro (144 x 77) de pontos que o então companheiro Rubens Barrichello. Em 2004, ele só não completou uma prova, o GP de Mônaco, em que bateu.

Mas o que chamou a atenção de Todt na disputa entre a Mercedes de Lewis Hamilton e a Ferrari de Sebastian Vettel neste ano foi o que ele considera um excesso de confiabilidade dos carros. Especialmente do inglês, que não sofreu uma quebra sequer em corridas.

“Mesmo que a Mercedes não tenha sido sempre o carro mais rápido, Hamilton marcou pontos em 20 dos 20 GPs do ano. Os carros são confiáveis demais”, opinou Todt

“A Ferrari me impressionou também. Mas ainda assim mantenho o que eu disse. Ferrari e Mercedes foram confiáveis demais. Isso custa dinheiro: testes, simuladores, é tudo exagerado. Não precisamos de tudo isso para termos um bom esporte. Na verdade, precisamos do contrário.”

O francês vem tentando, juntamente dos detentores dos direitos comerciais da Fórmula 1, o grupo Liberty Media, diminuir os custos das equipes por meio de regras que padronizem determinadas peças. Paralelamente a isso, está sendo desenhada uma proposta de teto orçamentário para tentar nivelar os custos entre os times grandes e pequenos.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!